Home Portal Notícias Sob Bolsonaro, endividamento de famílias bate novo recorde

Sob Bolsonaro, endividamento de famílias bate novo recorde

20 min read
0

A longa crise econômica que o país enfrenta desde que o país tomou o rumo da “ponte para o futuro” do golpismo agrava-se a cada dia, diante do desgoverno do presidente Jair Bolsonaro e seu ministro da Economia, Paulo Guedes. Enquanto se agarram à agenda rentista e afundam o país com um neoliberalismo obsoleto, lançam milhões de famílias brasileiras no abismo do superendividamento.

A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, divulgada nesta quinta (18) pela Confederação Nacional do Comércio (CNC), mostra que o percentual de famílias brasileiras com dívidas atingiu em junho 67,1%, o mais alto desde janeiro de 2010.

Outro recorde foi o número de famílias com dívidas ou contas em atraso, que chegou a 25,4% e atingiu o maior nível desde dezembro de 2017, registrando crescimento nos aumentos mensal (+0,3 ponto percentual) e anual (+1,8 ponto percentual).

Já o total de famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso e que, portanto, permaneceriam inadimplentes, chegou a 11,6% – patamar mais alto desde novembro de 2012. O indicador também apresentou aumento mensal (+1 ponto percentual) e anual (2,1 pontos percentuais).

Entre as famílias com renda de até dez salários mínimos (R$ 10.450,00), o porcentual de endividados cresceu de 67,4% para 68,2% entre maio e junho. Já entre as famílias com renda acima de dez salários mínimos, caiu de 61,3% para 60,7% no mesmo período.

O último recorde de famílias com cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, empréstimo pessoal, prestação de carro e seguro foi registrado em abril (66,6%). E em maio, a proporção de famílias com dívidas oscilou levemente para 66,5%, mantendo uma tendência que vem desde o ano passado e se acelerou em 2020.

Em sua Carta de Conjuntura sobre o segundo trimestre deste ano, os pesquisadores do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea) apontam que o endividamento das famílias vem crescendo desde o início de 2018. O aumento do comprometimento da renda vem ocorrendo em razão da elevação do endividamento, já que o custo do crédito e a taxa de juros têm apresentado tendência de queda.

Em julho de 2019, a dívida das famílias brasileiras já crescia pelo sexto mês seguido e já era a maior em três anos. O percentual de famílias com dívidas chegou a 64,1% em julho de 2019, 0,1% a mais do que o valor do mês anterior. O aumento também era observado na comparação com julho de 2018, quando o percentual estava em 59,6% do total de famílias.

“No corte por faixa de renda, o endividamento é crescente e segue tendência positiva desde fevereiro de 2020 entre as famílias com menor renda. Já nas famílias que recebem mais de dez salários, o endividamento vem caindo desde abril deste ano”, destaca em nota a economista da CNC responsável pela pesquisa, Izis Ferreira.

A pesquisa é apurada mensalmente pela CNC desde janeiro de 2010. Os dados são coletados em todas as capitais dos estados e no Distrito Federal, com cerca de 18 mil consumidores.

Crédito não chega a micro e pequenas empresas

A pandemia, aliada à inépcia da equipe econômica, atingiu o principal pilar da economia nacional. A exclusão de milhões de pessoas endividadas do mercado de consumo prejudicará uma eventual retomada econômica, uma vez que o consumo das famílias totalizou R$ 4,7 trilhões em 2019, representando 64,9% do Produto Interno Bruto (PIB). E o governo continua mostrando-se incapaz de gerar políticas anticíclicas eficientes para deter a derrocada na base da pirâmide social.

Entre as críticas à equipe econômica, está a demora para operacionalizar o socorro a pequenos empresários. Esses empreendedores dependem de capital de giro e viram o faturamento sumir da noite para o dia por causa das medidas de isolamento social adotadas em meados de março.

A segunda iniciativa do governo para destravar linhas de crédito destinadas a micro, pequenas e médias empresas não decola e poderá fracassar, como a primeira. Embora a Federação dos Bancos do Brasil (Febraban) tenha divulgado balanço com a liberação de quase R$ 1 trilhão, o crédito para essa faixa continua represado nos bancos, que cobram taxas altas, exigem garantias de quem está parado há mais de 60 dias e barram o acesso de quem precisa dos recursos para sobreviver na crise do coronavírus.

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, reconheceu, em audiência no Senado, que há “um descompasso entre a oferta e a demanda de crédito”. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), frisou em uma rede social que “todos sabem que apenas uma ínfima parte do dinheiro chegou na ponta. A grande maioria dos empreendedores ainda está sem acesso ao dinheiro”.

Até o último dia 10, passados mais de 20 dias da sanção presidencial da segunda iniciativa para o setor, praticamente nenhum centavo dos R$ 15,9 bilhões em crédito especial prometidos para a linha de empréstimo foi liberado para empresas com faturamento anual entre R$ 360 mil e R$ 4,8 milhões. O valor é destinado ao Fundo Garantidor de Operações (FGO) para empréstimos a pequenos negócios no âmbito do programa do governo.

A intenção anunciada pelo governo era de que o crédito poderia atingir 4,5 milhões de micro e pequenas empresas, além de microempreendedores individuais (MEI). E segundo o governo, com garantia de 100% de cada operação até o limite de 85% da carteira de cada agente financeiro. “É praticamente sem risco para as instituições financeiras”, afirmou Carlos da Costa, secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia.

Mas a Febraban anunciou que “as medidas de crédito que o governo editou com garantia do FGI e do FGO são recentes e ainda dependem de ajustes para atendimento legal das regras estabelecidas nestes programas. A Febraban já iniciou as análises necessárias e há toda disposição do setor bancário em aderir para ajudar o Brasil a preservar empregos e empresas”. Mas a Febraban não informou a partir de quando os bancos vão começar a operar com a linha de crédito.

Bancos não assumem risco, só bônus

Segundo o consultor econômico da Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi), Nicola Tingas, “em um ambiente de recessão forte, se você não tem condições de mostrar fluxo de caixa futuro e garantias ou condição de mostrar que você vai poder pagar o empréstimo é muito difícil conseguir a concessão de crédito”.

O economista lembra que, para o banco, na análise de risco vai ficar demonstrado que esse perfil é um candidato a se tornar perda. Além disso, como o risco está mais alto, também as taxas de juros ficam mais altas. Com a Selic a 3% ao ano, os bancos chegam a cobrar esse percentual ao mês, o que dá 42,57% ao ano.

“Os bancos não estão dispostos a captar recursos ou buscar do acionista porque ele precisa ser remunerado e ter liquidez. Então, os bancos ficam mais restritivos por uma necessidade de liquidez”, diz a economista-chefe da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Daniela de Britto.

Nicola Tingas defende que o governo, assim como ajudou os trabalhadores informais com o auxílio emergencial de R$ 600, crie um mecanismo para ajustar as empresas mais fragilizadas. “Essas modalidades de ajudar aqueles mais vulneráveis, seja pessoa física, seja micro e pequenas empresas que não têm capacidade de tomar o crédito exatamente pelas restrições de que elas mesmas têm, precisam ser o dinheiro público. Ele é que tem que ajudar nesse momento”, afirma o economista.

Daniela de Britto lembra que o Orçamento da União cria dificuldade para uma ajuda direta por causa da definição dos beneficiários e dos valores. “O governo tem muita dúvida, mas, por que não injeta dinheiro nas empresas que precisam? É só fazer uma seleção através das instituições de crédito”, destaca a economista-chefe da Fiemg.

Tanto Daniela quanto Tingas ressaltam que nos Estados Unidos o governo está injetando dinheiro nas pequenas empresas após os bancos não conseguirem fazer o dinheiro liberado pelo Tesouro chegar a elas. Inicialmente, foram liberados US$ 600 bilhões para companhias de pequeno e médio porte. Em abril, foi liberado outro pacote, de US$ 349 bilhões, em empréstimos perdoáveis para micro e pequenas empresas, que só precisam manter a folha de pagamento em dia para usar os recursos sem precisar pagar por eles.

Bolsonaro fecha as mãos para o povo

Na live de quinta (18), Bolsonaro afirmou que a terceira parcela do auxílio emergencial para trabalhadores informais está garantida, mas não sabe qual será o valor de eventuais quarta e quinta parcelas. “O nosso endividamento está enorme”, justificou.

“A cada pagamento são R$ 50 bilhões que nós gastamos. Vale lembrar que um ano de Bolsa Família está na casa dos R$ 35 bilhões. As 13 prestações do Bolsa Família são menores que um mês do auxílio emergencial”.

De fato, a dívida bruta brasileira (que inclui o governo federal, o INSS e os governos estaduais e municipais), em abril, chegou a R$ 5.817,9 bilhões, o equivalente a 79,7% do Produto Interno Bruto (PIB). O percentual é superior ao registrado em março (79,5%) e também é o maior da série histórica iniciada em 2006 pelo Banco Central.

Mas o governo não pestanejou ao anunciar um pacote de ajuda aos bancos de R$ 1,2 trilhão no primeiro dia útil seguinte à ratificação do estado de calamidade pública pelo Congresso Nacional, ocorrido em 20 de março, uma sexta-feira. A lei que criou o auxílio emergencial veio a ser sancionada apenas em 2 de abril.

A justificativa para esse pacote foi justamente o aumento da liquidez dos bancos, a fim de facilitar a concessão de empréstimos a juros baixos para as empresas, para que estas mantivessem empregos e prosseguissem com o pagamento de suas obrigações durante a pandemia.

“No dia 23 de março, os bancos receberam R$ 1,2 trilhão e não cumpriram o combinado”, critica em nota técnica Maria Lúcia Fattorelli, coordenadora nacional da Auditoria Cidadã da dívida. A economista lembra que o crédito “empoçado” nos bancos é depositado voluntariamente no Banco Central e remunerado diariamente, às custas do orçamento público.

“Mesmo sem amparo legal, atualmente, cerca de R$ 1,3 trilhão que sobram no caixa dos bancos é depositado voluntariamente no Banco Central e remunerado diariamente! É o antigo overnight, às nossas custas. E é ilegal!”, acusa a economista.

“O Banco Central deveria exercer a sua função de autoridade monetária e determinar que os bancos emprestem para as empresas, principalmente às pequenas e médias, a juros próximos de zero e prazo de carência enquanto durar a pandemia, para que estas possam manter empregos e a própria atividade econômica”, aponta Fattorelli.

 

Por PT Nacional

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas afirmam que governo Bolsonaro tem grande responsabilidade em queda recorde do PIB em 2020

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara afirmaram nesta quarta-feira (3) que a política e…