Home Portal Notícias Coronavirus Câmara aprova projeto que exige fisioterapeuta em CTI em tempo integral; no Piauí a determinação já é lei

Câmara aprova projeto que exige fisioterapeuta em CTI em tempo integral; no Piauí a determinação já é lei

4 min read
0

Com o voto favorável do PT, a Câmara aprovou nesta quinta-feira (4) o projeto de lei (PL 1985/19), da deputada Margarete Coelho (PP-PI), que disciplina a permanência de fisioterapeutas em Centros de Terapia Intensiva (CTIs) adulto, pediátrico e neonatal.

A deputada Rejane Dias (PT-PI) defendeu o projeto e informou que no Piauí a presença de um fisioterapeuta para cada 10 leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva), durante 24 horas, já é lei desde o ano passado. “O fisioterapeuta é o principal profissional que colabora diretamente na reabilitação e na habilitação das pessoas, principalmente dos enfermos que estão em UTIs”, afirmou.

A deputada acrescentou ainda que a aprovação do projeto vai fortalecer os profissionais da fisioterapia. “E, com certeza, vai qualificar as terapias intensivas em todo o Brasil. Neste momento tão desafiador, tão difícil que nós estamos vivenciando, cada vez mais eu escuto pessoas exaltando a importância desses profissionais na reabilitação dos pacientes acometidos pelo Covid-19”, enfatizou.

O texto foi aprovado na forma de um substitutivo da deputada Aline Sleutjes (PSL-PR), que retirou da proposta original da deputada Margarete Coelho a obrigatoriedade de um profissional para cada 10 leitos nos turnos matutino, vespertino e noturno, perfazendo um total de 24 horas.

Rejane Dias tentou aprovar emenda para restabelecer no texto a presença de um fisioterapeuta para cada dez leitos, como recomenda a Resolução nº 07/2010, da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), e como já acontece no Piauí. Mas o projeto aprovado, que agora será apreciado pelo Senado, deixou apenas a obrigatoriedade da presença de um fisioterapeuta por UTI, sem a indicação da quantidade de profissional por leitos.

O deputado Reginaldo Lopes (PT-MG) destacou a importância do projeto afirmando que a presença dos fisioterapeutas fortalece a política pública de saúde, em especial, na terapia intensiva. “Nós temos que buscar sempre dar mais eficiência. Neste caso, não é gasto, é investimento, porque se consegue diminuir o tempo de tratamento e se consegue dar um fluxo melhor, mais qualidade de vida, para a recuperação dessas pessoas”, argumentou.

Também a favor da presença dos fisioterapeutas nas UTIs, a deputada Erika Kokay (PT-DF) enfatizou que o trabalho desses profissionais é essencial, particularmente na recuperação da respiração, da capacidade respiratória e para que as pessoas possam se restabelecer. “Todas e todos nós sabemos que isso não é um custo. Isso representa um investimento, porque reduz o período necessário para a ampla recuperação”, frisou.

 

Vânia Rodrigues

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Atingindo em cheio população negra, pandemia amplia desigualdade

Uma pesquisa conduzida em São Paulo sobre os efeitos do coronavírus na população mostra qu…