Home Portal Notícias Morte de João Pedro: Letalidade da juventude negra no Brasil é chaga vergonhosa, afirma Helder Salomão

Morte de João Pedro: Letalidade da juventude negra no Brasil é chaga vergonhosa, afirma Helder Salomão

7 min read
0

O presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara (CDHM), deputado Helder Salomão (PT-ES), afirmou ao governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, ao procurador-geral de Justiça, José Eduardo Gusseme, ao ministro da Justiça, André Luiz de Almeida Mendonça e a Domingos Sávio Dresch da Silveira, responsável pelo Controle Externo da Atividade Policial na Procuradoria-Geral da República, que a atuação policial no caso da morte do menino João Pedro, no Rio de Janeiro, ocorrida nesta semana, não é apenas “absurda” aos valores do humanismo, do respeito e do bom-senso. É, também, “contrária às normas” e acordos intenacionais.

“A letalidade da juventude negra é uma chaga vergonhosa, uma das mais graves violações de direitos humanos no Brasil” afirmou Helder Salomão. Ele solicitou que seja tomada todas as providências para esclarecer o caso e a consequente imputação das sanções legais.

João Pedro Matos Pinto, um menino de 14 anos, morreu baleado na última segunda-feira (18) dentro da casa do tio em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio de Janeiro, durante uma operação da Polícia Federal com apoio das polícias civil e militar do estado. De acordo com a família, João Pedro estava brincando com os primos quando traficantes teriam pulado o muro para fugir da polícia e então o jovem foi atingido. Já as polícias afirmam que o adolescente foi atingido durante um confronto com esses criminosos.

O jovem foi resgatado por um helicóptero da Polícia Civil e levado até o grupamento de operações aéreas dos Bombeiros onde, segundo a corporação, já chegou morto. A família não pôde entrar no helicóptero, ficou sem informações e passou a madrugada fazendo buscas em hospitais e delegacias. O corpo teria sido encontrado na manhã de terça-feira (19), no Instituto Médico Legal da cidade. O pai de João Pedro, Neilton Matos, conta que o filho tinha planos de ser advogado. Os sonhos do menino foram enterrados junto com o corpo dele, ainda na terça-feira, no cemitério São Miguel, também em São Gonçalo.

Acordos internacionais

Uma série de normas previstas em acordos internacionais adotados pela Assembleia Geral das Nações Unidas também fazem parte das diretrizes sobre o uso da força pelos agentes de segurança pública no Brasil, publicadas em uma Portaria Interministerial no dia 31 de dezembro de 2010. O uso da força por agentes de segurança pública deverá obedecer aos princípios da legalidade, necessidade, proporcionalidade, moderação e conveniência: “Tudo diferente do que foi feito no último dia 18”, critica Helder Salomão.

Para a advogada Silvia Souza, da Coalizão Negra por Direitos, o responsável pela morte de João Pedro é o estado do Rio de Janeiro, representado pelo governador Wilson Witzel e pela polícia militar estadual. “É mais um resultado da nefasta necropolítica instalada e que não tem outro objetivo senão o de exterminar corpos negros. A Coalizão já denunciou à Comissão Interamericana de Direitos Humanos as atrocidades lideradas por esse facínora genocida e seguirá denunciando aos organismos internacionais”.

Estatísticas

De acordo com a Organização Não Governamental Rio de Paz, entre janeiro de 2007 e de 2020, 68 crianças de 0 a 14 anos foram mortas por bala perdida no Rio de Janeiro. Segundo o Monitor da Violência, o Anuário Brasileiro de Segurança Pública e o Atlas da Violência, em 2017 ocorreram mais de 63 mil mortes violentas intencionais, das quais 75,5% das vítimas eram pessoas negras. Naquele ano, 5.159 homicídios foram praticados por policiais, índice que cresce ano a ano.

A relação entre policiais assassinados e pessoas mortas pela polícia aumentou 235% entre 2013 e 2017. Em 2013, a cada dois policiais assassinados, outras 11 pessoas eram mortas pela polícia. Em 2017, para cada dois policiais, outras 28 pessoas eram mortas por eles.

 

Assessoria da CDHM

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Frei Anastácio destaca os 14 anos da Lei Maria da Penha

O deputado federal Frei Anastácio (PT-PB) disse que é difícil imaginar como seria o Brasil…