Home Portal Notícias Coronavirus Petistas apontam incapacidade total de Bolsonaro de governar e defendem impeachment já

Petistas apontam incapacidade total de Bolsonaro de governar e defendem impeachment já

9 min read
0

Parlamentares da Bancada do PT nas duas Casas do Congresso Nacional que participaram na manhã desta quinta-feira (21) do ato de entrega do pedido coletivo de impeachment de Jair Bolsonaro na Câmara dos Deputados acusaram o atual presidente de extrema direita de cometer inúmeros crimes de responsabilidade que atentam contra a democracia e a saúde dos brasileiros. Segundo eles, o afastamento de Bolsonaro é a principal medida para evitar tanto mais mortes por conta da pandemia de coronavírus como a destruição social e econômica do País.

O pedido coletivo de impeachment protocolado hoje tem a assinatura de sete partidos (PT, PCdoB, PSol, PCO, PCB, PSTU e UP- Unidade Popular) e de mais de 400 entidades e movimentos da sociedade civil, além de intelectuais e juristas. Outros 31 pedidos de impeachment individuais de partidos, de parlamentares e de cidadãos comuns também já foram protocolados na Câmara.

O ex-ministro da Saúde no governo Dilma, deputado Alexandre Padilha (PT-SP), destacou que o afastamento de Bolsonaro é imprescindível para fazer com que o país se concentre no combate à pandemia de coronavírus e à crise econômica e social. “Em uma pandemia como essa temos que estar concentrados na luta pela vida e pela renda, garantindo que os trabalhadores do serviço essencial possam trabalhar enquanto os outros cumprem o isolamento social”

Padilha disse que Bolsonaro atenta contra a democracia, a administração pública e principalmente a vida, ao militarizar o Ministério da Saúde e transformá-lo em uma “máquina da morte”.
Nazismo

Para o Líder do PT no Senado, Rogério Carvalho (PT-SE), o impeachment de Bolsonaro é uma medida urgente na tentativa de se evitar uma tragédia humanitária sem precedentes no País. Ele afirmou que Bolsonaro não tem compromisso com a vida, e ainda acusou o presidente de adotar práticas nazistas de eliminação da parte mais frágil da população.

“Apresentamos esse pedido de impeachment em decorrência da negligência com a vida. Bolsonaro tem defendido a eugenia utilizando como arma o coronavírus e a pandemia para eliminar aqueles que considera mais fracos, ou seja, a imunização de rebanho. Ele promove no Brasil a eugenia, uma marca do governo nazista. É fundamental o processo de impeachment para defender a vida e a democracia no nosso País”, afirmou o senador.

A prática da eugenia, utilizada por Adolf Hitler durante o nazismo na Alemanha, consistia na construção de uma sociedade considerada “perfeita” e “mais forte”, onde se permitia a eliminação de pessoas consideradas mais frágeis ou indesejadas pela sociedade.
Bolsonaro, um genocida

Já o deputado e advogado Paulo Teixeira (PT-SP), que elaborou junto com vários juristas o pedido de impeachment, disse não faltam motivos para o afastamento de Bolsonaro da Presidência da República. “Bolsonaro está sendo denunciado por ataques às instituições democráticas, obstrução de Justiça e crime contra a saúde pública, pelo boicote que está fazendo às medidas de combate ao Covid-19. Bolsonaro é um genocida, por isso estamos pedindo o impeachment dele ”, observou.

As deputadas Erika Kokay (PT-DF) e Natália Bonavides (PT-RN) também destacaram a urgência de se retirar Bolsonaro do poder. Para Erika, o pedido de hoje “é a sociedade dizendo não aceita mais a destruição do Brasil por Bolsonaro, nem os ataques dele ao povo e à vida”. Já Natália Bonavides disse que o afastamento de Bolsonaro é fundamental para a preservação da vida dos brasileiros. “O momento é gravíssimo, e não poderíamos nos omitir. O afastamento de Bolsonaro é a medida sanitária mais importante que deve ser tomada neste momento”.

Mobilização Popular

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) disse que “o Brasil não aguenta mais Bolsonaro” e que o afastamento dele é uma necessidade porque o atual presidente se tornou “o grande responsável pela crise sanitária, econômica e política pela qual passa o País”. Porém, ele alertou que será preciso mobilização da sociedade para conseguir a aprovação do impeachment no Congresso.

“É preciso que a gente encontre uma maneira de organizar a sociedade, com todo os cuidados sanitários, pelo Fora, Bolsonaro. O impeachment é o caminho, mas é preciso que o Brasil inteiro se mobilize em torno dessa pauta”.

Após o ato de apresentação do pedido de impeachment, que ocorreu no Salão Negro da Câmara, parlamentares e lideranças de movimentos sociais se dirigiram ao gramado em frente ao Congresso Nacional. No local eles se encontraram com dezenas de manifestantes – todos com máscaras de proteção e mantendo o distanciamento físico – que não puderam entrar na Câmara para acompanhar a cerimônia.

Portando faixas e cartazes escritos “Fora, Bolsonaro”, “Impeachment Já” e “Bolsonaro Genocida”, eles ouviram os pronunciamentos da presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), do presidente do PSol, Juliano Medeiros, e do coordenador nacional do MTST, Guilherme Boulos, representando os movimentos sociais.

Héber Carvalho

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Líder Enio Verri cobra votação de pedido de impeachment de Bolsonaro

O líder do Partido dos Trabalhadores na Câmara dos Deputados, Enio Verri (PR), cobra da Pr…