Home Portal Notícias Coronavirus Oposição e mais de 400 entidades da sociedade civil denunciam crimes de Bolsonaro e protocolam pedido de impeachment

Oposição e mais de 400 entidades da sociedade civil denunciam crimes de Bolsonaro e protocolam pedido de impeachment

9 min read
0

Em ato histórico em defesa da vida, da democracia e do futuro do Brasil, foi protocolado hoje (21), na Câmara dos Deputados, o primeiro pedido coletivo de impeachment do presidente de extrema direita Jair Bolsonaro. O documento foi assinado por sete partidos políticos – PT, PC do B, PSOL, PSTU, PCB, UP e PCO – juristas, intelectuais e mais de quatrocentas entidades da sociedade civil.

Ele é acusado de cometer crimes de responsabilidade, atentar contra a saúde pública e arriscar a vida da população pelo comportamento à frente da pandemia do coronavírus, dentre outros atos de quebra de decoro e afronta à Constituição.

A presidenta nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), durante ato realizado na Câmara com a presença de outros parlamentares e dirigentes partidários e de movimentos populares, afirmou que o Brasil já não aguenta mais Bolsonaro. “Ele é incapaz administrativa e politicamente, é desumano, não tem empatia e deve ser afastado o mais rápido possível do cargo, pois é uma ameaça ao País”.

Mobilização popular

O líder do PT, Enio Verri (PR), pelas redes sociais lembrou que o País está à deriva com Bolsonaro e destacou que o novo pedido de impeachment – já há mais de trinta protocolados na Câmara – tem um diferencial, que é a mobilização da população contra o capitão-presidente. “É incapaz de dirigir o Brasil em tempos normais e muito menos agora em período de pandemia. É preciso que ele saia para que o Brasil volte a trilhar um outro caminho e se prepare para o período pós-pandemia, com crescimento econômico, geração de empregos e distribuição de renda”.

O líder da Minoria na Câmara, José Guimarães (PT-CE), também pelas redes sociais, afirmou: “O Brasil cansou de Bolsonaro. Ele é incompetente, inepto, não reúne condições de governar e buscar soluções para os problemas graves que o Brasil está enfrentando: a crise sanitária, a pandemia que atingiu, fortemente, as famílias brasileiras; a crise econômica, que vai se agravar”. Ele defendeu a união de todos contra Bolsonaro, já que ele é uma ameaça constante aos interesses nacionais e à vida do povo.

Verri e Guimarães defenderam a realização de novas eleições, com a cassação da chapa Bolsonaro/Hamilton Mourão. Ambos entendem que Mourão segue o mesmo modelo neoliberal de Bolsonaro e não seria capaz de tirar o Brasil do atoleiro econômico e social em que se encontra.
Sociedade civil

Entre as organizações que apoiam o pedido de afastamento do presidente estão o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, o Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação, Associação Brasileira de Economistas pela Democracia, Central de Movimentos Populares, Marcha Mundial de Mulheres, Movimento das Mulheres Camponesas, Andes – Sindicato Nacional, Fasubra, Movimento Negro Unificado, Associação Brasileira de Travestis e Transexuais, além de juristas como Celso Antonio Bandeira de Melo, Lênio Streck, Pedro Serrano, Carol Proner e os ex-ministros da Justiça Tarso Genro, José Eduardo Cardozo e Eugênio Aragão.

No pedido de impeachment há três pontos com as acusações principais para embasar a iniciativa:

1) Apoio ostensivo e participação direta do presidente da República em manifestações de índole antidemocrática e afrontosas à Constituição, em que foram defendidas gravíssimas transgressões institucionais, tais como o fechamento do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal, além da reedição do Ato Institucional nº 5, instrumento de exceção emblemático da ditadura militar instaurada em 1964.

2) Grave violação ao princípio republicano e ao mandamento constitucional da impessoalidade no exercício da administração pública, mediante a utilização de poderes inerentes ao cargo com o propósito reconhecido de concretizar a espúria obtenção de interesses de natureza pessoal, objetivando o resguardo de integrantes de sua família ante investigações policiais, mediante a determinação anômala de diligências, a exigência de acesso a relatórios de investigações sob sigilo legal e a tentativa de indicação de autoridades da Polícia Federal que estejam submetidas aos desígnios de natureza privada do ocupante da Presidência da República;

3- Atuação e pronunciamentos temerários e irresponsáveis do Presidente da República, de caráter antagônico e contraproducente ao esforço do Ministério da Saúde e de diversas instâncias da Federação vinculadas ao Sistema Único de Saúde (SUS) e aos serviços de prevenção, atenção e atendimento médico-hospitalar à saúde da população, em meio à grave disseminação em território nacional da pandemia global do novo coronavírus.

PT na Câmara

Foto: Lula Marques

Peça final Impeachment

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Governo Bolsonaro sabia de colapso na saúde em Manaus 10 dias antes de faltar oxigênio

Um ofício enviado pela Advocacia-Geral da União (AGU) ao Supremo Tribunal Federal (STF) co…