Home Portal Notícias Coronavirus Covid-19: Para barrar contágio e morte, só com a interdição do projeto genocida de Bolsonaro, alerta Padilha

Covid-19: Para barrar contágio e morte, só com a interdição do projeto genocida de Bolsonaro, alerta Padilha

6 min read
0

Ao avaliar, nesta terça-feira (19), o quadro catastrófico da pandemia da Covid-19 no Brasil, o deputado Alexandre Padilha (PT-SP), que é médico infectologista e ex-ministro da Saúde na gestão da presidenta Dilma Rousseff, afirma que a saída para combater a contaminação e o aumento do número de mortes pelo coronavírus, só com a interdição do projeto genocida de Bolsonaro.

De acordo com Padilha, os dados divulgados na segunda-feira (18) são preocupantes. Para ele, o Brasil avança rapidamente em número de infectados e de óbitos por Covid-19. O levantamento aponta que o País já ultrapassa a marca de 250 mil casos e se aproxima das 17 mil mortes. Em escala global, o Brasil é o terceiro país do mundo com maior número de casos de Covid-19.

Foto: Lula Marques

“À oposição só cabem duas coisas: de um lado, “fora Bolsonaro”, interditá-lo. O Congresso Nacional e o Poder Judiciário devem avançar nas medidas que impeçam Bolsonaro de dar continuidade ao seu projeto genocida, na sua presença enquanto presidente da República e suas atitudes”, argumentou Padilha.

Outro aspecto destacado pelo ex-ministro diz respeito à oposição no Congresso. Ele defende avanço em questões decisivas nesse momento da pandemia, uma vez que, segundo ele, não se pode contar com o Ministério da Saúde como aliado no combate à doença. Para Padilha, isso significa a conquista da fila única dos leitos de hospitais públicos e privados serem controlados pelo SUS, pelos governos locais e governos estaduais.

Padilha reforça também como medida de combate ao Covid-19, o licenciamento compulsório dos medicamentos e das vacinas que possam surgir. Além disso, explica o parlamentar, a aprovação de critérios nacionais rígidos, claros para a retomada das atividades econômicas sem colocar em risco a população.

O ex-ministro da Saúde reitera que a oposição no Congresso Nacional, por um lado tem que intensificar as ações que interditam Bolsonaro e, ao mesmo tempo, deve assumir a responsabilidade de aprovar projetos que garantam os recursos, lutar para que os hospitais privados sejam acessíveis ao conjunto da população, que as descobertas científicas sejam acessíveis através do licenciamento compulsório e que o País tenha “diretrizes nacionais claras para impedir uma retomada genocida das atividades econômicas”.

O projeto (PL 2430/2020) – ‘Plano Protege Brasil’ – apresentado por Padilha, coloca uma barreira ao propósito genocida de Bolsonaro. A matéria prevê retorno gradual das atividades sociais e econômicas no contexto do enfrentamento da pandemia provocada pela Covid-19.

Projeto 2022

O parlamentar lembrou que a postura de Bolsonaro sempre deixou claro que ele não tem o menor compromisso com a vida, e vai destruir qualquer um que ele considere obstáculo ao seu projeto genocida. “Bolsonaro faz o seguinte cálculo: uma pandemia como essa só se encerra quando 70 ou 80% da população estiverem infectadas, por isso ele quer infectar as pessoas o mais rápido possível pra poder recuperar sua atividade econômica, para poder chegar em 2022 em condições de disputar a Presidência da República. Ele quer o caos social no País para poder avançar em suas medidas autoritárias”, denunciou Alexandre Padilha.

 

Benildes Rodrigues

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas criticam projeto de Bolsonaro que privatiza os Correios e prometem lutar contra a aprovação da proposta

A ameaça de privatização dos Correios tem preocupado os parlamentares da Bancada do PT na …