Home Portal Notícias Artigos Apagão de dados: Um navio sem capitão, navegando sem bússola

Apagão de dados: Um navio sem capitão, navegando sem bússola

6 min read
0

A pandemia do coronavírus arrastou como um tsunami os empregos nos Estados Unidos: da semana do dia 21 de março a esta quinta, 23, foram registrados 26,4 milhões de pedidos de auxílio- desemprego, 16% da força de trabalho. No Brasil, os números do seguro-desemprego no portal do governo federal não são atualizados desde 2018. A falta de dados oficiais no país, que afeta diretamente o acompanhamento da evolução da Covid-19, também ameaça os principais indicadores de emprego e renda.

Desde janeiro deste ano, o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) não é atualizado. Um dos mais importantes indicadores de contratações e demissões de trabalhadores com carteira assinada, sua divulgação, tradicionalmente mensal, foi oficialmente suspensa pelo governo em 30 de março, por tempo indeterminado.

Já o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) vem fazendo por telefone a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, que abrange o mercado de trabalho formal e informal e revela a taxa de desemprego oficial do país. O percentual de pessoas que respondem caiu de 90% para 60%, e ainda não se sabe se a pesquisa atingirá o rendimento necessário para ser mantida durante a pandemia.

Cimar Azeredo, diretor-adjunto de pesquisa do IBGE, disse ao portal Repórter Brasil que a Pnad Contínua não foi desenhada para ser feita por telefone, por ter perguntas longas e um questionário grande, que as pessoas relutam em responder, por medo de fraudes. Segundo ele, caso não seja atingida a qualidade necessária, a Pnad Contínua poderá até mesmo ser temporariamente suspensa. “Precisamos que a população entenda que ficar no apagão estatístico diante de uma pandemia é muito ruim, pois as pessoas que estão hoje organizando o combate à epidemia precisam de números”, lamentou.

Já o pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV) Manoel Pires compara a situação a uma navegação sem bússola. “Houve uma piora geral de estatísticas do governo federal neste último ano e meio. Isso se deve a desinvestimento, falta de apreço pela informação e às vezes descuido”. O pesquisador cita ainda a falta de dados referentes ao Bolsa Família, e observa ruídos nos números do balanço de pagamentos do país.

O governo vem divulgando apenas, em coletivas de imprensa, quantos trabalhadores tiveram redução de jornada e salários ou suspensão temporária do contrato, conforme a MP 936, de 1º de abril. Mas esses dados não apontam o número de trabalhadores com carteira assinada demitidos ou os trabalhadores autônomos e informais sem renda e sem trabalho.

Desligamento incentivado

Em outra frente, a Dataprev, estatal responsável por processar todos os pedidos de auxílio emergencial para trabalhadores informais, desempregados, mães chefes de família e beneficiários do Bolsa Família, sofre com a perda de 600 servidores desde o ano passado, quando o governo Bolsonaro lançou um Programa de Desligamento Incentivado (PDI).

O presidente quer privatizar a empresa de processamento de dados do governo federal desde 2019, quando ela se tornou alvo de críticas pelo acúmulo de pedidos de benefícios, como aposentadorias, chegar à marca de mais de 2 milhões após a reforma da Previdência, em novembro. Quando lançou o auxílio emergencial, o governo prometeu analisar os requerimentos em cinco dias úteis, prazo que o Ministério da Cidadania admite que não está sendo cumprido. Tem gente há mais de um mês esperando por uma resposta de sua solicitação.

 

Por PT Nacional

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

PT lança plataforma de apoio ao projeto Mais Bolsa Família

O Partido dos Trabalhadores lança nesta quinta-feira, 24, uma plataforma de apoio ao proje…