Home Portal Notícias Estado forte é o único modo de sair da crise, dizem analistas

Estado forte é o único modo de sair da crise, dizem analistas

15 min read
0

Banco Mundial defende ampliação de programas de proteção e assistência social nos países ricos e em desenvolvimento. Japão libera estímulo recorde de 1,1 trilhão de dólares. Espanha irá propor à União Europeia criação de fundo de 1,5 trilhão de euros.

O Banco Mundial alerta: a crise provocada pela pandemia do coronavírus irá empurrar mais de 50 milhões de pessoas para a extrema pobreza. Só no Brasil, serão mais de 5,7 milhões a cruzar a linha da miséria. “Definitivamente há um retrocesso em termos de combate à pobreza, com perdas dos avanços dos últimos anos”, reconheceu o presidente do banco, David Malpass, em entrevista na manhã desta segunda-feira (20) a um canal de tv americano. Os desdobramentos da crise também acenderam o sinal vermelho de alerta no Japão, que anunciou um pacote recorde de 1,1 trilhão de dólares de estímulo e acelerar o pagamentos em dinheiro à população. Já a Espanha irá propor à União Europeia a criação de um fundo de 1,5 trilhão de euros para ajudar na recuperação dos países mais atingidos.

Malpass admitiu que o pacote de 160 bilhões de dólares oferecido pelo Banco Mundial a 25 países em desenvolvimento – 100 até o fim do mês, promete a instituição – será “claramente insuficiente” para frear os impactos da crise no mundo emergente. O banco reforça a adoção urgente de políticas em diversas frentes para apoiar os mais vulneráveis e proteger empregos. Diante do avanço da maior crise desde 1929, o banco defende que os programas de proteção e assistência social nos países ricos e em desenvolvimento devem ser ampliados com urgência e ter sua cobertura estendida.

“Os governos da América Latina e do Caribe enfrentam o enorme desafio de proteger vidas e ao mesmo tempo limitar o impacto das consequências econômicas,” afirmou o Economista-Chefe do Banco Mundial para a região, Martin Rama. Segundo o economista, “isso exigirá políticas coerentes e direcionadas em uma escala raramente vista antes”.

Para que a velocidade de reação dos governos favoreça o ambiente certo para retomada do crescimento, economistas das mais variadas linhas de pensamento concordam que o Estado precisa ter seu papel totalmente redefinido nas sociedades modernas. “Você acha que o Roosevelt estava preocupado com o orçamento quando fez o New Deal?”, questionou recentemente o ex-presidente Lula, em uma entrevista de rádio. Tarimbado pela estrondo financeiro de 2008, quando adotou medidas de investimento e estímulo ao consumo que levaram o país a crescer 7,5% em 2010, o ex-presidente avisa que só uma sólida intervenção do Estado pode fazer o Brasil atravessar a crise atual.

Responsabilidade do Estado

“A verdade nua e crua é que nos países mais justos do mundo o Estado tem de ser forte, porque só quem faz política social é o Estado”, afirmou Lula, em uma palestra proferida no mês passado, na Alemanha. “Só quem faz política para o pobre é o Estado. Se o governo não presta, troca-se o governo. Mas o que não dá é achar que o Estado fraco resolve o problema da população. Não resolve”, disse.

Lula não está sozinho na conclusão de que o modelo neoliberal esgotou-se e é incapaz de apresentar as soluções de impacto duradouro que a gravidade da situação exige. “Diferentemente da crise financeira de 2008, essa é uma crise da economia real, uma queda simultânea da demanda e da oferta”, afirmou o economista André Lara Resende, em entrevista ao jornal O Globo, publicada no domingo (19).

Resende, um dos criadores do Plano Real, expôs ao diário a tese que está virando consenso entre analistas: não há como enfrentar a crise sem a ação do Estado. O economista foi além, apostando no redesenho do tamanho que o Estado deverá ocupar em um novo modelo de governança. “Será uma oportunidade para revalorizar o Estado e a política, para transformar o Estado cartorial e patrimonialista num Estado eficiente e a favor da população”.

O economista também não poupou críticas ao capitalismo, cuja sanha selvagem na busca pelo lucro deixou, ao longo de décadas, um rastro de pobreza e miséria pelo mundo. “O capitalismo financeiro turbinado das últimas décadas, que concentrou riqueza, inibiu a competição e destruiu empregos, será inevitavelmente questionado”, prevê.

Poupar vidas e empregos

Diferentemente da demonstrações de incompetência atroz que dominam e paralisam o governo brasileiro, em particular a equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, a Argentina de Alberto Fernández arregaçou as mangas para conter a crise, salvar vidas e proteger assalariados. O governo anunciou no domingo (19) mais uma série medidas de apoio a empregadores e trabalhadores de pequenas e médias empresas e profissionais autônomos.

De acordo com a agência oficial Télam, entre as medidas anunciadas pelo presidente Fernández, estão o adiamento ou a redução em até 95% do pagamento das contribuições patronais para o Sistema Integrado Previdenciário Argentino. Ele também definiu que trabalhadores do setor privado devem receber um abono equivalente a 50% do salário líquido correspondente ao mês de fevereiro. Outra medida será a concessão de crédito a taxa zero para pessoas que aderem ao Regime Simplificado para Pequenos Contribuintes e para trabalhadores autônomos.

O pacote soma-se a uma série de políticas adotadas pelo governo argentino para minimizar o impacto da recessão sobre a economia e a população. Ao contrário do desastrado colega brasileiro, Fernández não enxerga uma dicotomia entre saúde e economia. “Prefiro ter 10% de pobres, mas não 100 mil mortes na Argentina (pelo coronavírus)”, afirma Fernández, ressaltando que uma economia em queda pode ser recuperada. “Uma vida perdida, não”.

Solidariedade e democracia

Segundo informações do diário El Pais, a Espanha pretende propor a criação de um fundo de 1,5 trilhão de euros para ações de combate aos efeitos da pandemia em solo europeu. O primeiro ministro espanhol Pedro Sanchez deverá apresentar a proposta formalmente à União Europeia nesta quinta-feira (23). De acordo com o El Pais, o fundo seria financiado por “dívida perpétua” da União Europeia e baseado em transferências não reembolsáveis para países do bloco. “O Fundo deve apoiar o financiamento da reconstrução econômica pós-crise de forma coerente no nível europeu”, estabelece o texto da proposta à qual o jornal teve acesso.

Alinhado aos espanhóis e também ao colega sul-americano, o presidente da França, Emmanuel Macron, vem defendendo o auxílio a países afetados pela pandemia na Europa sob risco da iminente ameaça de a União Europeia deixar de existir como projeto político. O presidente francês também já declarou que o Estado fará tudo o que estiver ao seu alcance para proteger a saúde e a vida da população, “custe o que custar”. “Precisamos de transferências financeiras e de solidariedade, se quisermos que a Europa sobreviva”, afirmou o líder francês ao jornal britânico Financial Times na semana passada.

Ele manifestou apoio à Argentina, que busca um refinanciamento de dívida com o Fundo Monetário Internacional (FMI) da ordem de 44 bilhões de dólares. Alberto Fernández conversou na segunda-feira (20) com o presidente da França, que acompanha as negociações junto ao Fundo. Segundo o diário argentino Clarín, Fernández agradeceu a iniciativa de Macron e reafirmou o momento muito difícil de recessão e endividamento e disse que o Estado, vem fazendo um enorme esforço, “considerando a saúde e a educação pública”. Como o presidente francês, ele também argumentou pela adoção do modelo de uma nova estrutura econômica para o mundo com ênfase na solidariedade. A condução do governo na crise tem aumentado a popularidade do presidente argentino.

“Um dos problemas do multilateralismo, do globalismo, é que as pessoas passam tempo demais em conferências e não fazem o suficiente na linha de frente”, criticou Malpass, do Banco Mundial. A instituição defende a liberação temporária de pagamento de dívidas contraídas por dezenas de países pobres, como Honduras e Haiti. Enquanto isso, o relógio da pandemia mundial segue em seu ritmo de descompasso acelerado, encurralando, no beco da crise, nações horrorizadas.

 

Da Redação

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Zanin, em entrevista no ‘UOL’: “STF deu a Lula status de inocente”

O UOL traz, nesta terça-feira (20), entrevista com o advogado Cristiano Zanin Martins, fei…