Home Portal Notícias Coronavirus Petistas destacam aprovação de projeto que amplia número de beneficiados pela tarifa social de energia

Petistas destacam aprovação de projeto que amplia número de beneficiados pela tarifa social de energia

7 min read
0

A Câmara aprovou nesta quinta-feira (9), o projeto de lei (PL 1106/20), que prevê a inscrição automática de famílias de baixa renda incluídas no Cadastro Único (CadÚnico) nas regras da tarifa social de energia elétrica, que dá desconto de até 65% na conta de luz. O deputado Carlos Zarattini (PT-SP), ao defender o voto favorável à proposta, enfatizou que o projeto vai ampliar e desburocratizar a participação na tarifa social de energia elétrica das pessoas de baixa renda que estão inscritas no CadÚnico.

“Eu fui um dos autores do projeto, que aprovamos em 2010, que chegou a beneficiar mais de 13 milhões de famílias. A Aneel e o Ministério de Minas e Energia nos últimos anos fez um esforço enorme para retirar pessoas desse cadastro, para impedir que as famílias fossem beneficiadas pela tarifa social”, explicou Zarattini. Ele citou que atualmente o programa atende 9 milhões de famílias. “Ou seja, houve uma redução de praticamente 4 milhões de famílias beneficiadas. Então, esse projeto é muito importante”, reforçou.

O deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP) destacou que a tarifa social está assegurada na Lei 12.212/10, e lamentou que, até agora, nenhuma equipe do Ministério de Minas e Energia, nem ninguém da Aneel tenha vislumbrado que essa é uma medida absolutamente simples e legítima. “A concessão automática para quem está no CadÚnico vai facilitar a vida de tantas pessoas com um desconto de até 65%, que é o correspondente à Tarifa Social”.

Para a deputada Erika Kokay (PT-DF), o projeto é absolutamente fundamental, porque ele, em verdade, efetiva um direito que já existe: o direito à tarifa social. “O direito que é assegurado, mas que não é efetivado, passa a não existir”, afirmou a deputada. Ela citou que, segundo estimativas da Aneel, das mais de 4 milhões de pessoas que teriam direito à tarifa social, apenas 383 mil realmente fizeram utilização do direito assegurado no fim do ano passado. “Por isso, a condição de automatizar a efetivação do direito vai na linha do que tem acontecido na Câmara, de ocupar o vácuo da inexistência de ações que são efetivas — por parte inclusive da Presidência da República — e que cumpre uma função de proteger, de preservar a saúde e a vida das pessoas”, afirmou.

Na avaliação do deputado José Airton Cirilo (PT-CE) esta nova legislação aprovada hoje pela Câmara, além de facilitar o acesso para todas as pessoas de baixa renda, pessoas do Cadastro Único, portadores de deficiência, idosos e a todas as famílias com vulnerabilidade, simplifica, porque inverte o ônus de a pessoa ir à concessionária. “É o próprio governo, que credencia o consumidor. Esta, portanto, é uma iniciativa muito importante, mas, nós precisamos expandir a faixa de consumo para, no mínimo, 200 quilowatts, porque aí uma quantidade bem maior de pessoas terá acesso a este benefício”, defendeu o deputado.

Ele argumentou que energia elétrica é um dos insumos mais importantes da vida de todos nós. “Por isso, com a simplificação, com esta iniciativa, este projeto tem um alcance social muito grande, muito importante para as famílias de baixa renda, para a população mais sofrida”, acrescentou.

O deputado Airton Faleiro (PT-PA) ressaltou a importância desse projeto, em especial, para a população da Amazônia. “A medida vai beneficiar de forma automática, com redução da conta de luz, milhares de pessoas baixa renda”, completou.

O deputado Carlos Veras (PT-PE) também enfatizou que é extremamente importante que a Câmara possa legislar em favor daqueles que mais precisam. “Que o governo faça o cruzamento dos dados e possa conceder a tarifa social de imediato para aquelas famílias que são mais vulneráveis”.

Tarifa social

O projeto aprovado, de autoria do deputado André Ferreira (PSC-PE), segue para apreciação do Senado. O texto insere dispositivo na Lei 12.212/10, que prevê descontos de até 65% nas contas de luz. A norma, porém, atualmente apenas determina que a administração pública e as concessionárias informem os potenciais beneficiários sobre o direito à tarifa social de energia elétrica.

Vânia Rodrigues

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Jornalistas e parlamentares da Oposição repudiam ataques de Bolsonaro contra a imprensa e à democracia

Dirigentes de entidades ligadas à imprensa, jornalistas e lideranças políticas da Oposição…