Home Portal Notícias Manchetes 8 de Março: Bolsonaro faz luta das mulheres se tornar ainda mais urgente

8 de Março: Bolsonaro faz luta das mulheres se tornar ainda mais urgente

10 min read
0

Pelo segundo ano consecutivo, o 8 de março vai ser pautado como uma data histórica de resistência e luta em que as mulheres dizem “não” ao governo fascista que se instalou no Brasil. A exemplo do que ocorrera em 2019, a data que marca as lutas pelo Dia Internacional da Mulher recolocará em evidência os preocupantes retrocessos impostos por um governo assumidamente misógino.

Não é a toa que mais uma vez o nome de Jair Bolsonaro estará no centro das manifestações em todos os cantos do Brasil seguido de palavras de ordem nada abonadoras – seu governo é a síntese do atraso também quando se fala em políticas de emancipação feminina. “É sempre uma data que a gente comemora conquistas e coloca lutas à frente. Neste 8 de março, teremos ainda mais lutas porque muitas conquistas que tivemos estão sendo retiradas, principalmente na questão do respeito”, apontou a presidenta Nacional do PT, Gleisi Hoffmann.

Quem tem acompanhado o asqueroso comportamento do atual presidente da República entendeu o que Gleisi quis dizer: Bolsonaro ataca mulheres com sadismo e violência que têm repercutido pelo mundo e gerado repúdio por todos os cantos. É por isso que, ainda segundo a presidenta do PT, a “data vai ser muito importante para que a gente dê um basta nisso. Nós não teremos uma sociedade efetivamente democrática e justa se metade da população continuar a ser tratada como o presidente da República faz.  Temos que dizer que queremos respeito, dignidade, direitos, igualdade e que não vamos admitir mais retrocesso”.

Governos do PT: legado sem precedentes

Relembrar as políticas públicas iniciadas por Lula e fortalecidas e ampliadas por Dilma vai muito além do marketing político. É, na verdade, um dos caminhos para capitanear cada vez mais mulheres a enfrentar qualquer possibilidade de retrocessos a partir do desgoverno Bolsonaro – que nunca escondeu de ninguém sua aversão às mulheres.

Direitos da Mulher

Já no primeiro ano do governo Lula, a Secretaria de Estado dos Direitos da Mulher foi desvinculada do Ministério da Justiça e transformada na Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (SPM).

A SPM ganhou um importante status de ministério para a defesa dos direitos das mulheres. Hoje, com os retrocessos do governo golpista, o Ministério passou a ser pasta e voltou a ser subordinada ao Ministério da Justiça e da Cidadania.

Maria da Penha

Aprovada em 2006, a Lei da Maria da Penha foi o primeiro projeto especialmente voltado para a violência contra a mulher e endurecia a pena para esse tipo de crime. A lei é resultado de um esforço coletivo de organizações feministas coordenado pela Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República.

A Lei do Feminicídio, aprovada por Dilma há quatro anos, fechou o cerco e aumentou a punição a esses casos.

Bolsa Família

O programa que tirou o Brasil do mapa da fome – e hoje está sucateado pelo desgoverno Bolsonaro – também promoveu uma “revolução feminista” no sertão. E por meio de uma ideia simples: o dinheiro é transferido sempre para a mulher. Com a garantia do benefício, encerra-se o ciclo de abusos muitas vezes alimentado pela dependência financeira do companheiro.

Foto Amanda Fogaça

Ensino Superior

Dados do Censo da Educação Superior mostram que o número de mulheres no ensino superior cresceu exponencialmente, em grande parte por programas de universalização como o ProUni e o Fies. Muitas delas foram as primeiras da família a ter um diploma universitário. Em 2002, eram cerca de 2 milhões de mulheres matriculadas no ensino superior. Em treze anos de PT no governo, esse número mais que dobrou, chegando a 4,53 milhões.

Na saúde

A Rede Cegonha, programa criado em 2011, expandiu os atendimentos a gestantes em todo o Brasil. Em 2014, foi implementado o teste de triagem neonatal – que detecta seis doenças graves – em todos os estados da federação. Outra grande transformação se iniciou com a chegada dos mais de 18.000 profissionais trazidos pelo Mais Médicos a partir de 2015. Esses profissionais foram alocados em 4.058 cidades, um total de 73% dos municípios brasileiros, garantindo assistência a 63 milhões de pessoas que não contavam com atendimento médico.

Minha Casa Minha Vida

A criação do Minha Casa Minha Vida representou uma chance única de realizar o sonho da casa própria para milhões. O programa foi lançado em 2009 e beneficiou mais de 3,8 milhões de famílias em seis anos. A partir de 2011, quando Dilma assumiu o poder, o MCMV foi aperfeiçoado para contribuir com a autonomia feminina. Elas passaram a ter preferência na assinatura da escritura.

No campo

Além dos investimentos em tecnologia e fomento econômico, foram criados diversos programas para acelerar a inserção das trabalhadoras na economia: “Várias dessas mulheres não tinham sequer Carteira de Identidade”, lembra Anne.

Foram criados nas gestões do PT o Programa Nacional de Documentação da Trabalhadora Rural, as linhas de crédito Pronaf Mulher e o Programa de Organização Produtiva de Mulheres Rurais. Também foram levados serviços especializados para atender as trabalhadoras em situação de violência.

 

Da Agência PT de Notícias

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Padilha: OMS perdeu a paciência com o negacionismo e a irresponsabilidade do governo Bolsonaro

O deputado federal e ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha (PT-SP) afirmou nesta segunda-…