Home Portal Notícias “Bolsonaro tem a política de envenenar o povo”, diz Valmir Assunção, sobre isenção de impostos para agrotóxicos

“Bolsonaro tem a política de envenenar o povo”, diz Valmir Assunção, sobre isenção de impostos para agrotóxicos

5 min read
0

A isenção de impostos para a compra de agrotóxicos no Brasil foi duramente criticada pelo deputado federal Valmir Assunção (PT-BA), na terça-feira (18), durante pronunciamento na Câmara dos Deputados.

Assunção aponta que o governo de Bolsonaro “cria medidas absurdas e seletivas”. Ele cobra que o Supremo Tribunal Federal (STF) corrija o que considerou de “injustiça”. A Suprema Corte vai julgar – ainda sem data definida – a inconstitucionalidade da isenção de impostos para os agrotóxicos. O julgamento é movido pela Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), ajuizada pelo Psol ainda em 2016.

“Não é novidade para ninguém que este governo tem a política de envenenar o povo brasileiro. O número de agrotóxicos liberados para o uso em lavouras em 2019 é o maior dos últimos 10 anos. São mais de 500 tipos de venenos liberados, muitos deles proibidos na União Europeia por serem altamente tóxicos, seja para a vida humana, seja para o meio ambiente. Outros ainda contam com a isenção de impostos, ou seja: envenena-se a produção agrícola e ainda pagamos por isso”, dispara Valmir. Ela ainda aponta que ao apresentar manifestação na ADI, após requerimento do ministro relator Edson Fachin, o Ministério da Fazenda não apresentou fundamentos técnicos para a concessão da não tributação.

Dinheiro deixa de ir para o poder público investir

O petista ainda frisa que, com faturamento estimado em 2017 de US$8,9 bilhões, segundo a Associação Brasileira de Defensivos Genéricos, 2018, isso correspondente a atuais R$ 37,55 bilhões e o setor deixa de destinar significativas quantias ao poder público brasileiro e eleva, ao máximo, a possibilidades de lucro. Um estudo publicado na revista Saúde Pública, de autoria de Wagner Soares e Marcelo Firpo de Souza Porto, revela, ao levar em conta os dados do censo agropecuário de 2017, que, na Bahia, a desoneração fiscal com Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) sobre agrotóxicos em 2017 foi de R$ 454,48 milhões.

“Só na Bahia, deixamos de arrecadar mais que todo o orçamento que o governo Bolsonaro destina para o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária [Pronera]. Trata-se de quase 30% do orçamento da saúde em meu estado [28,12%], levando também em conta os dados de 2017. Não há nenhuma justificativa para esta isenção. Não me venham os ruralistas com o argumento do preço de alimentos, porque quem produz alimento não é o agronegócio. Já está mais que provado que, com incentivo público, a produção de alimento pode ser saudável, sem agrotóxicos e de fácil acesso à população. O cerne da questão está no modelo de agricultura, que prioriza a produção de commodities e não a saúde da população”, completa Valmir.

 

Assessoria de Comunicação

Foto – Gustavo Bezerra

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas questionam no Ministério Público transferência do acervo da Fundação Palmares para prédio com avarias

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara entraram com ações na Procuradoria-Geral da Repúb…