Home Portal Notícias Com intermediação do PT e outros partidos da oposição, Maia e Alcolumbre vão interceder por petroleiros

Com intermediação do PT e outros partidos da oposição, Maia e Alcolumbre vão interceder por petroleiros

6 min read
0

Parlamentares do PT na Câmara e no Senado, junto com outros integrantes da Oposição, conseguiram nesta quarta-feira (12) o compromisso dos presidentes das duas Casas, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP), para agir em duas frentes a fim de enfrentar a arbitrária direção da Petrobras sob o governo direitista Jair Bolsonaro. Maia e Alcolumbre se comprometeram a negociar com o governo e a direção da empresa para que sejam suspensas demissões e seja aberto diálogo com os petroleiros em greve, além de tomarem medidas para que decisão do Supremo Tribunal Federal relacionada a privatizações seja efetivamente cumprida pela estatal.

Segundo o deputado Henrique Fontana (PT-RS), Alcolumbre e Maia concordam com a denúncia do PT e de outros partidos da oposição de que a Petrobras tem burlado decisão do STF do ano passado. Conforme Fontana recordou, a Suprema Corte decidiu, no ano passado, que a alienação do controle acionário das empresas públicas e sociedades de economia mista matrizes exige autorização legislativa e também licitação, exigência que não se aplica somente à alienação das subsidiárias e controladas. Nesse caso, a operação pode ser feita sem licitação, respeitados os princípios da Administração.

Retalhamento de patrimônio público

“O STF decidiu uma coisa e a Petrobras faz outra, numa verdadeira fraude para burlar a lei e privatizar patrimônio público para atender a interesses estrangeiros”, denunciou o deputado. Segundo ele, a direção da estatal tem criado subsidiárias com o único fim de receber patrimônio da holding e privatizá-lo sem a necessidade de aprovação do Congresso Nacional e do devido procedimento licitatório de ativos. “Retalham o patrimônio público de forma ilegal e contrariam a decisão do STF”, acrescentou Fontana.

Da reunião com os presidentes da Câmara e do Senado, além de Fontana participaram o líder do PT na Câmara, Enio Verri (PR), a presidenta do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), os senadores Rogério Carvalho (PT-SE), Jean Paul Prates (PT-RN) e Paulo Rocha (PT-PA), líderes de outros partidos da oposição e representantes dos petroleiros.

Privatização ilegal

Na terça-feira (11), o Partido dos Trabalhadores protocolou, no Supremo Tribunal Federal, um aditamento a uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 5841/2017) a fim de suspender os efeitos do Decreto 9.188/17, que regula o procedimento de privatização na Petrobras. O PT pede a concessão de medida cautelar para sustar os efeitos do decreto sobre todas as privatizações realizadas pela atual direção da estatal, tendo em vista a inconstitucionalidade dos atos. O PT acusa a Petrobras de burlar a decisão do STF.

Na tarde desta quarta-feira, o líder Enio Verri, Henrique Fontana, o deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), mais os senadores Jaques Wagner (PT-BA) e Jean Paul Prates trataram com o ministro Ricardo Lewandowski (STF) da fraude que vem sendo praticada pela Petrobras. A ADI de 2017 protocolada pelo PT está sob análise do ministro Ricardo Lewandowski.

Grevistas

Nesta quarta-feira, os petroleiros completaram o 12º da greve para barrar as 1.000 demissões previstas para ocorrer na Fábrica de Fertilizantes do Paraná (Fafen-PR). O movimento já reúne 101 unidades da Petrobras em 13 estados do País, segundo o mais recente balanço divulgado pela Federação Nacional dos Petroleiros (FNP). A mobilização afeta, entre outras unidades, 48 plataformas, 11 refinarias e 20 terminais.

Leia mais:

PT reforça ação no STF para sustar privatizações da Petrobras

PT na Câmara

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Zé Neto propõe derrubar medida de Bolsonaro que abre compras governamentais para empresas estrangeiras

O deputado Zé Neto (PT-BA) protocolou projeto de decreto legislativo para sustar as mudanç…