Home Portal Notícias PT pretende convocar em CPI procurador que denunciou Glenn Greenwald

PT pretende convocar em CPI procurador que denunciou Glenn Greenwald

15 min read
0

O deputado Enio Verri (PT-PR), que assume a liderança da bancada petista na Câmara na volta do recesso legislativo, afirma que o partido tentará convocar o procurador que denunciou o jornalista Glenn Greenwald a dar explicações.

A preferência é que a convocação seja na CPMI (comissão parlamentar mista de inquérito) das Fake News, mas outras comissões são avaliadas.

A bancada precisará aprovar 1 requerimento de convocação no respectivo colegiado. PT e oposição não têm força para conseguirem sozinhos. Verri diz que pode haver apoio de deputados liberais.

Vaza Jato

Greenwald é o responsável pelas reportagens da série Vaza Jato, publicadas pelo site The Intercept Brasil. Tratam-se de diálogos tidos como questionáveis de integrantes da operação. O material foi vazado do aplicativo de troca de mensagens Telegram.

O procurador do MPF (Ministério Público Federal) Wellington de Oliveira acusa o jornalista de ter participado da invasão de celulares de autoridades.

Diversos setores da sociedade entenderam a denúncia como uma ameaça à liberdade de imprensa. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse à época que “jornalismo não é crime”.

Enio Verri também afirmou que a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva mudará a atuação da bancada do partido na Câmara.

“Nós tínhamos uma bandeira: Lula Livre. Porque foi 1 absurdo a prisão do presidente Lula”, diz Verri. Agora, será “Lula inocente”, já que o petista ainda responde a acusações na Justiça. Paralelamente, afirma, os deputados tentarão fazer uma oposição propositiva.

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), tem sido sondado pelo PT para uma possível filiação visando à eleição de 2022, segundo o jornal O Globo.

O novo líder do PT afirma que Dino seria muito bem-vindo. Ele ressalva, porém, que a bancada do partido tem 2 nomes favoritos para encabeçar chapa presidencial em 2022. Lula, em 1º lugar. Caso ele seja impedido pela lei da ficha limpa, Fernando Haddad seria a preferência.

Verri avalia que cerca de 10 deputados federais do PT devem disputar a prefeitura de grandes cidades neste ano. Também diz ser contra a ideia de flexibilizar as regras para reeleição dos presidentes de Câmara e Senado, ventiladas no Congresso.

Enio Verri tem 58 anos e é professor de economia licenciado da UEM (Universidade Estadual de Maringá). Ele assume a liderança do partido, que tem 53 deputados em exercício, no lugar de Paulo Pimenta (PT-RS). Leia, de forma condensada, tópicos da entrevista:

Denúncia contra Greenwald

“Os partidos de esquerda e centro-esquerda vão tomar atitudes. Uma delas é a convocação desse procurador nas comissões. Pode ser na das Fake News, Legislação Participativa, Direitos Humanos… para esse senhor explicar exatamente o que está fazendo, causou divisão até entre os próprios colegas dele. Os partidos chamados liberais discordam da esquerda no campo da economia, mas são radicalmente defensores dos direitos individuais. Deverão nos apoiar nisso. Não conversamos ainda, estou avaliando a convivência que tenho com esses partidos”.

Lula e a Bancada Petista

Nós fazemos 1 movimento para provar que o presidente Lula é vítima de uma grande armação da elite do país que teve o Sergio Moro como instrumento. Não como mentor, ele não tem essa capacidade. Ao mesmo tempo, nossa bancada passa a ter 1 papel muito específico de propostas para o Brasil. De forma organizada, na 2ª semana do início do ano legislativo, temos uma reunião das bancadas tanto da Câmara quanto do Senado com o presidente Lula. Discutiremos de maneira mais formal a conjuntura internacional, nacional, onde o Partido dos Trabalhadores está inserido nessa luta, e o papel específico dos deputados e deputadas, e dos senadores também, nesse Brasil que precisa ser recuperado. A influência do presidente Lula é muito alta. A avaliação que ele tem da política brasileira e do país é muito profunda.

2ª Instância

Nós somos contrários [ao início do cumprimento de pena depois de condenação em 2ª Instância], mas não é por causa do caso do presidente Lula. É que essa PEC da 2ª Instância elimina o direito de a pessoa se defender até o último momento. A prisão a partir da 2ª Instância descumpre a Constituição. Eu acho que é irregular [alterar os artigos 102 e 105, que não são clausula pétrea, mantendo o artigo 5º, que hoje embasa a proibição do cumprimento de pena no 2º Grau]. O 2º aspecto é que a proposta ampliou [não vale só para o Direito penal, mas para todas as áreas, possibilitando até pagamentos de indenizações depois de decisão de 2ª Instância]. Vai virar o caos. Mesmo que seja aprovada essa PEC, caberá discussão no Supremo.  Não tenha dúvida, vai longe ainda esse debate.

PT X Projetos de Governo

Dificilmente uma lista de desejos do governo Bolsonaro tem alguma coisa em comum com o modelo de país do Partido dos Trabalhadores. Alguma coisa nós podemos dizer, por exemplo, sobre a reforma tributária. É uma política melhor do que a que temos hoje no nosso país, mas não resolve as contradições. Nós apresentamos uma proposta paralela, que não é só do PT.

Tem o projeto do deputado Alessandro Molon (PSB-RJ) [que o governo gostaria que fosse aprovado e trata sobre informatização de serviços públicos]. É uma coisa que podemos avançar. É claro que a inovação tecnologia trará demanda menor por servidores públicos e pode, no 1º olhar, aumentar a eficiência da máquina pública. No caso da Previdência, as assistentes sociais tinham papel fundamental [na relação com o público]. Acho que foi criada a dificuldade [para as pessoas entrarem com os processos de aposentadoria] para ajudar no acúmulo do caixa do governo.

Flávio Dino

Seria uma honra [se ele se filiasse ao PT]. Agora, nós temos 1 candidato [a presidente para 2022]. Gostaríamos muito que fosse o presidente Lula. Óbvio que tem os limites legais. Caso ele não possa, temos 1 nome construído, que é o Fernando Haddad. Tem o apoio da bancada sem discussão nenhuma. É claro que Flávio Dino tem nosso maior respeito, podemos conversar sobre isso. Queremos construir uma frente de esquerda, o que implica em respeito também às outras forças. Podemos ter uma chapa onde Haddad seja presidente e Dino vice, ou o contrário. Tem muita coisa a ser construída. Dino foi 1 dos primeiros governadores solidários contra a prisão de Lula.

Trabalhadores de Aplicativos

Nós temos que construir diálogo com esse setor. Não tem direito nenhum, organização nenhuma, altamente explorado. Estamos montando isso [1 método para lidar com o grupo]. Temos 1 instrumento chamado Fundação Perseu Abramo com recursos exatamente para trabalhar com pesquisas, formação e dados. É preciso entender como discutir isso com eles. Eles não se julgam explorados. Por uma questão ideológica, se julgam empreendedores.

Perguntas Rápidas

Infância e adolescência – Sou de Maringá (PR), venho de uma família muito pobre. Meu pai era “botequeiro”, dono de mercearia. Minha mãe, dona de casa. Comecei a trabalhar aos 9 anos (com o pai). Aos 18, quando entrei na universidade, arrumei emprego fora.

Entrada na política – foi pela Igreja Católica. Me engajei nas chamadas pastorais, nas comunidades eclesiais de base e me politizei ali. Entrei em 1979 na Igreja, em 1980 foi fundado o PT e me filiei em 1983.

Privatização da Eletrobras – contra.

Liberação ou flexibilização das drogas – Sou contra, ainda. A Cannabis para uso medicinal, sou favorável. A liberação das drogas pura e simples, sou contra.

Flexibilização das leis de aborto – pela manutenção de como está hoje. Em casos de anencefalia, gravidez por estupro ou risco de morte da mãe.

Independência do Banco Central – contra.

Flexibilização maior das leis de armas – Eu sou contra a flexibilização. Aliás, eu sou contra qualquer tipo de liberação de armas.

 

Enio Verri concedeu entrevista no estúdio do Poder360 em 28 de janeiro. Assista à íntegra:

 

 

Por Poder360

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Segunda onda da covid-19 no Brasil é ‘risco iminente’, alerta Nicolelis

O médico e neurocientista Miguel Nicolelis emitiu no dia 18 um alerta para o risco iminent…