Home Portal Notícias Combate ao trabalho escravo está em risco com Bolsonaro e ruralistas

Combate ao trabalho escravo está em risco com Bolsonaro e ruralistas

9 min read
0

O combate ao trabalho análogo à escravidão está em risco no governo Bolsonaro, alerta o jornalista e cientista político Leonardo Sakamoto. Ele lança nesta terça-feira (28), Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo, o livro Escravidão Contemporânea (Ed. Contexto).  Segundo ele, as pressões pela flexibilização da legislação que pune tais práticas não vêm de hoje. A Emenda Constitucional (EC) 81/14, por exemplo, que tipifica as práticas criminosas e define punições, levou 19 anos tramitando no Congresso Nacional até ser aprovada.

O fato inédito é que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), ainda durante a campanha, chegou a incluir no seu programa de governo a promessa de flexibilização dessa legislação. Sakamoto alerta que eventual revogação ou flexibilização da legislação traria como consequência um boicote internacional aos produtos brasileiros e investimentos estrangeiros também poderiam deixar o país.

“Bolsonaro propôs a revogação da legislação e já criticou várias vezes o combate ao trabalho escravo. Ao mesmo tempo, ele sabe que não é fácil, já que a bancada ruralista também não conseguiu alterar o conceito. Pode ser que consigam, agora que são maioria no Congresso, mas tem um ponto importante: o combate ao trabalho escravo tem ajudado a manter o nosso comércio. Que usamos trabalho escravo, todo mundo sabe. A questão é que temos feito muita coisa para combater. Temos a lista suja, que permite saber que utilizou, temos fiscalização etc.”, afirmou Sakamoto ao jornalista Glauco Faria, para o Jornal Brasil Atual, nesta terça.

O Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo foi instituído após o assassinato de quatro servidores do antigo Ministério do Trabalho, em 2004, durante operação de fiscalização em Unaí (MG). Apontados como mandantes da chacina, os fazendeiros Antério e Norberto Mânica estão soltos, apesar de já terem sido condenados. Ao mesmo tempo que a impunidade “choca”, segundo Sakamoto, é também o “padrão” para crimes cometidos contra pessoas ligadas à efetivação dos direitos humanos no Brasil.

“O caso é fundamental porque a base do combate ao trabalho escravo é a fiscalização. Em mais de uma ocasião, auditores fiscais do Trabalho foram colocados em risco de morte por conta de sua atuação. Já foram recebidos a bala, em estados como o Mato Grosso; são ameaçados frequentemente por produtores rurais que se sentem livres para descumprirem a lei.

Essa data marca não só o risco em que vivem esses auditores, a impunidade e também o fato de que, infelizmente, há setores do agronegócio que, apesar dos pesares, em pleno século 21, continuam operando de forma arcaica”, comentou o jornalista, que também é conselheiro do Fundo da ONU para Formas Contemporâneas de Escravidão.

Desde 1995, quando os grupos móveis de fiscalização – compostos por auditores fiscais, procuradores do Trabalho, representantes do Ministério Público do Trabalho (MPT) e do Ministério Público Federal e policiais – foram implementados, o número de trabalhadores resgatados dessas práticas abusivas chega a 54.686, sendo 42.753 (78%) no setor rural e 12.113 em áreas urbanas. Em 2019, as ações de fiscalização encontraram 1.054 trabalhadores em situação análoga à de escravo, menos que os 1.745 resgatados no ano anterior.

 

Definição

Na entrevista, Sakamoto também caracterizou as práticas que definem a “escravidão contemporânea”. No primeiro tipo, há o cerceamento direto de liberdade. “A pessoa é obrigada a permanecer numa relação de emprego para a qual ela não se ofereceu ou na qual ela foi enganada. Há retenção de documentos, isolamento geográfico, ameaças físicas e psicológicas”.

Na servidão por dívida, conhecido também como “sistema de barracão”, o indivíduo é obrigado a comprar produtos, como alimentos e até mesmo equipamentos de trabalho, no ponto de venda controlado pelo patrão. “Isso vai formando uma dívida e o trabalhador é obrigado a ficar, enquanto a dívida não for quitada. ”

O trabalho análogo à escravidão também ocorre quando não há condições mínimas de dignidade no trabalho. “É morar em barracos de lona no meio da mata, exposto à chuva e ao sol; é ter que caçar a própria comida, não ter banheiro etc. Não é uma ou duas coisas, mas um pacote de graves irregularidades que colocam em risco a saúde, a segurança e a vida do trabalhador”, explica o jornalista.

Por fim, também é classificado como trabalho escravo quando o cidadão é exposto a jornadas tão extensas que colocam em risco a sua saúde, sua segurança e a própria vida. “Tivemos casos, no estado de São Paulo, de cortadores de cana que trabalharam literalmente até morrer”, exemplificou.

 

O livro

Coordenado por Sakamoto, Escravidão Contemporânea reúne artigos escritos por especialistas brasileiros e estrangeiros. Os textos contam a história do trabalho análogo à escravidão no Brasil, os avanços no combate e as dificuldades para a sua erradicação definitiva. O lançamento ocorre nesta terça (28), a partir das 18h30, na Livraria da Vila, que fica na Rua Fradique Coutinho, 915, Vila Madalena, na capital paulista.

 

Por Rede Brasil Atual

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas reforçam apoio à greve dos petroleiros e comemoram suspensão das demissões na Fafen

Os petroleiros em greve há mais de 18 dias obtiveram vitórias importantes nessa terça-feir…