Home Portal Notícias Procuradoria acolhe representação de Padilha contra Roberto Alvim, por apologia ao nazismo

Procuradoria acolhe representação de Padilha contra Roberto Alvim, por apologia ao nazismo

3 min read
0

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC) acatou nesta terça-feira (21) a representação feita pelo deputado Alexandre Padilha (PT-SP) contra o então secretário especial da Cultura do governo Bolsonaro, Roberto Alvim. O ex-secretário fez apologia ao nazismo ao citar, em vídeo de divulgação do Prêmio Nacional das Artes, trecho de um discurso de Joseph Goebbels, ministro da Propaganda de Hitler.

A procuradora federal Deborah Duprat encaminhou a representação – assinada também pelo ex-reitor da Universidade de Brasília José Geraldo de Souza, pelo ex-procurador-geral do Estado de São Paulo Márcio Sotelo Felippe, pela arquiteta Clara Levin Ant e pelo advogado Patrick Mariano Goes –  à Procuradoria da República no Distrito Federal.

“Decisão importante da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão hoje, dando encaminhamento à representação que nós fizemos, junto com outros companheiros, sobre aquele episódio absurdo protagonizado pelo então secretário Roberto Alvim, na sua apologia ao nazismo”, comemorou Padilha.

O deputado enfatizou ainda que contra “o discurso de ódio e evocação ao nazismo”, a PFDC defendeu a representação que solicitou o enquadramento do ex-secretário para responsabilidade criminal.

Na representação, os propositores da ação pedem ainda a revisão das nomeações feitas por Alvim enquanto ele esteve à frente da pasta e a revogação imediata do edital que instituiu o Prêmio Nacional de Cultura.

“Vamos acompanhar os próximos passos da Procuradoria-Geral da República e da justiça para que a gente contenha de vez qualquer avanço do nazismo em nosso País”, afirmou Padilha.

Para acessar o documento da Procuradoria, clique aqui

Benildes Rodrigues

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Imagens da Semana

Mais fotos em www.flickr.com/photos/ptnacamara *As imagens são de uso livre desde que cita…