Home Portal Notícias Vaza Jato: Deputados do PT denunciam influência do O Antagonista na Lava Jato

Vaza Jato: Deputados do PT denunciam influência do O Antagonista na Lava Jato

8 min read
0

Em nova reportagem da Vaza Jato publicada nesta segunda-feira (20) pelo Intercept Brasil revelou que procuradores da Operação Lava Jato usaram o site O Antagonista para influenciar na escolha do novo presidente do Banco do Brasil no governo de Jair Bolsonaro. No final de 2018, a força-tarefa atuou em conjunto com repórteres do portal para evitar que Ivan Monteiro, ex-presidente da Petrobras, assumisse a chefia do banco.

A deputada Margarida Salomão (PT-MG), em sua rede social, criticou a intromissão da operação Lava Jato na política do Brasil e questionou qual é o papel da Justiça. “Novas revelações, novo escândalo. Afinal, qual é a função de um procurador federal? Qual a função de uma operação do Ministério Público? Interferir na política do País? É claro que não, mas a Lava Jato fez isso. Começando ao querer influenciar a escolha de um presidente do Banco do Brasil, como a reportagem de The Intercept Brasil evidencia. E terminando por estabelecer uma parceria tácita com Sérgio Moro para condenar Lula, quaisquer que fossem os custos”.

Para a deputada a volta das novas revelações da Vaza Jato chegou em boa hora, já que o atual ministro da Justiça, Sérgio Moro, irá participar do programa Roda Viva, nesta segunda-feira (20). “Aliás, a volta da Vaza Jato nesta segunda é apropriada. Forma de pressionar o Roda Viva a inquirir Moro sobre todas as revelações. Nós cobraremos isso. É inaceitável que o ministro da Justiça vá ao programa para receber afagos, em vez de ser questionado apropriadamente”, avaliou Margarida.

O deputado Paulo Pimenta (RS), líder da Bancada do PT na Câmara, recorda que a parceria entre O Antagonista e a Lava Jato não é de agora. “Quem poderia imaginar? Lava Jato usou O Antagonista para interferir na escolha do presidente do Banco do Brasil – e a parceria entre os dois não começou aí”, afirmou em sua conta no Twitter. Já o deputado Paulão (PT-AL) usou sua rede social para questionar quando a Suprema Corte irá agir. “Quando o CNMP e o STF vão agir contra esse criminoso?”, indagou.

“Bomba. Em nova revelação, o The Intercept Brasil mostra a relação promíscua entre a Lava Jato e o site ANTAgonista. Havia troca de informações privilegiadas entre ambos e o caso mais escandaloso foi uma ação política para influenciar a escolha do presidente do BB no governo Bolsonaro”, denunciou Erika Kokay (PT-DF).

Os deputados da Bancada do PT na Câmara, Paulo Teixeira (SP) e Beto Faro (PA) também divulgaram a reportagem.

 

“Preferências”

Visto como o responsável por “salvar” as contas da Petrobras, Monteiro era o nome mais forte entre os cotados para assumir o Banco do Brasil, uma escolha do próprio ministro da Economia, Paulo Guedes. A preferência, no entanto, desagradou Onyx Lorenzoni, atual chefe da Casa Civil de Bolsonaro e amigo próximo de Deltan Dallagnol.

Influenciado pelo descontentamento de Lorenzoni, Dallagnol ordenou a assessores a busca por documentos contra o ex-presidente da Petrobras e enviou quatro arquivos a Claudio Dantas, do Antagonista, que já fazia campanha para que Monteiro não entrasse no governo Bolsonaro.

Em conversas no Telegram, obtidas pelo Intercept, fica evidente a parceria entre a Lava Jato e o jornalista, assim como Diogo Mainardi e Mario Sabino, também do Antagonista, para prejudicar a imagem de Monteiro. Além de receberem documentos e informações em primeira mão, os repórteres também deixavam que procuradores ditassem a direção editorial do site.

A reportagem do Intercept também cita que Mainardi, dono e editor do site, acatou o pedido de Dallagnol e parou de publicar notícias sobre um escândalo de corrupção que envolvia o escritório de advocacia Mossack Fonseca, suspeito de abrir empresas offshore no Panamá. Mainardi também auxiliou Dallagnol em uma de suas investigações, que seguiu as dicas do comentarista e em seguida informou-o que o caso estava “fora da alçada” da operação.

Em outro caso, a Lava Jato seguiu um boato repassado por Claudio Dantas para pedir, sem autorização da justiça, a quebra do sigilo fiscal de Marlene Araújo Lula da Silva, nora do ex-presidente Lula, em 2016. No entanto, nada foi encontrado contra ela, que nunca foi indiciada ou acusada de crimes.

 

Lorena Vale com Revista Fórum

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Deputadas repudiam ataques misóginos e machistas de Bolsonaro à jornalista Patrícia Mello

Parlamentares do PT, PCdoB, PSOL, PSB e da Rede protestaram no plenário e no Salão Verde d…