Home Portal Notícias Oposição luta contra privatização da água e do saneamento; texto-base é aprovado, mas destaques ficam para a próxima semana

Oposição luta contra privatização da água e do saneamento; texto-base é aprovado, mas destaques ficam para a próxima semana

8 min read
0

Depois de um longo dia de debates acirrados da Oposição contra a privatização da água e do saneamento no Brasil, com o voto contrário do PT, o plenário da Câmara aprovou na noite desta quarta-feira (11) o texto-base do projeto de lei (PL 4162/19), do governo, que abre as portas para a privatização da água e do saneamento no País. O deputado Afonso Florence (PT-BA) explicou que o projeto, na verdade, é a famigerada MP 844, originada do governo Temer e reeditada por Bolsonaro, ambas rejeitadas pela Câmara. “É o monopólio do setor privado na água, na coleta e tratamento de esgoto. Esse é o projeto da tarifa alta e do desabastecimento de água”, denunciou.

Afonso Florence considerou uma vitória da Oposição o adiamento da apreciação de alguns destaques apresentados ao texto para a próxima semana. “A nossa resistência garantiu o não encerramento da votação desse projeto nesta noite. Na próxima semana continuaremos a nossa luta contra essa proposta de privatização da água e do saneamento”, afirmou.

Segundo o deputado Afonso Florence, que o texto-base que foi aprovado subtrai prerrogativa constitucional dos municípios ao não permitir o contrato de programa. “Na verdade, os que votaram a favor desta proposta estão aniquilando a política pública de saneamento no Brasil, haverá aumento de tarifa nas áreas superavitárias e nos pequenos municípios, sem subsídio cruzado, além do aumento da tarifa, vai haver desabastecimento de água”, lamentou.

Na mesma linha, o deputado Bohn Gass (PT-RS) também afirmou que a água vai ficar mais cara para o consumidor. “Isso aqui é uma grande negociata das empresas, que só querem pegar o filé mignon, e vai sobrar igualmente para os estados, os governos, as prefeituras a carne de pescoço”, denunciou. Bohn Gass alertou sobre os escândalos de corrupção nas empresas onde houve privatização. “E a qualidade do serviço caiu e só há investimento onde tem recurso público”, completou.

O deputado do PT gaúcho ainda citou dados do IBGE que revelam que de 2007 a 2017, onde houve política pública de saneamento, as ligações de água cresceram 48%, e o tratamento de esgoto, 70%. “Sabem quanto disso foi feito pelo setor privado? Apenas 5% de água e os outros 95% foi feito pelo setor público. E no esgoto 4,9%, foi realizado pelo setor privado e os outros 95,1%, pelo setor público. “Então é mentiroso afirmar que a privatização vai universalizar o sistema de saneamento. Os números oficiais estão ai para mostrar que na expansão do serviço de água e tratamento de esgoto mais de 90% são feitos pelo setor público”, frisou.

Asfixia das empresas públicas

O deputado Henrique Fontana (PT-RS) destacou que a privatização do setor de saneamento, na ampla maioria dos lugares onde foi utilizada, deu péssimo resultado. “Aumentaram as tarifas; o interesse público ficou sob chantagem da empresa privada, e esse bem de consumo essencial, que é a água e o tratamento de esgoto passou a ser indisponível para boa parte da população”, ressaltou. Ele citou ainda que em vários países que tentaram a privatização, como Paris, Berlim, Buenos Aires, La Paz, deu tudo errado e eles voltaram atrás.

Fontana lembrou ainda que o Brasil já tem um marco regulatório onde o setor privado pode participar de forma complementar. “Este projeto significa asfixia das empresas públicas e acaba com o setor público dentro da área de saneamento”, protestou.

Texto-base

O texto aprovado até agora (texto-base e algumas emendas) libera os contratos de programa, assinados entre Executivo e empresas estatais sem a necessidade de licitação até 31 de março de 2022. Um período mais amplo de transição do que foi proposto pelo governo Bolsonaro. Após este prazo, será obrigatória a licitação com competição entre entes públicos e privados.

O projeto também foi modificado, por emeda acatada pelo plenário, para atribuir ao órgão ambiental municipal a realização do licenciamento ambiental de obras de saneamento básico e foi mantido no texto o novo prazo concedido aos municípios para acabarem com os lixões a céu aberto. O prazo vai de 31 de dezembro de 2020. até agosto de 2024, dependendo da localização e do tamanho do município.

MP do Coaf

Por acordo, o plenário também aprovou na noite desta quarta-feira (11) a Medida Provisória 893/19, que transfere o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) do Ministério da Economia para o Banco Central (BC), reestruturando o órgão. A matéria será enviada para apreciação do Senado.

Vânia Rodrigues

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Editorial do Jornal Nacional contra Bolsonaro está atrasado em algumas décadas, critica Alencar Santana

A edição do último sábado (8) do Jornal Nacional incluiu um duro editorial que condena a p…