Home Portal Notícias Parlamentares criticam ministro da Educação, que usou resultados do Pisa para atacar Paulo Freire e o PT

Parlamentares criticam ministro da Educação, que usou resultados do Pisa para atacar Paulo Freire e o PT

6 min read
0

Os resultados do Brasil na edição de 2018 do Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes, na sigla em inglês) estimularam o ministro da Educação do governo Bolsonaro, Abraham Weintraub, a exibir novamente o seu despreparo para o cargo. O titular do MEC atacou Paulo Freire e os governos do PT e recebeu resposta de parlamentares petistas e de Aloisio Mercadante, ex-ministro da Educação.

“Ao invés de atacar o PT e a memória de Paulo Freire, este ministro deveria se preocupar com o sucateamento da educação que seu governo protagoniza”, afirmou a deputada Maria do Rosário (PT-RS).

“Após os governos do PT, a desvalorização da educação tornou-se política de Estado, sendo responsável também pelo resultado insatisfatório do Brasil no Pisa. Ainda assim, o ministro segue com sua retórica tacanha, sem apresentar nenhum trabalho pela educação brasileira”, acrescentou Rosário.

Investimento

Coordenadora da Frente Parlamentar pela Valorização das Universidades Federais, a deputada Margarida Salomão (PT-MG) apontou a diferença de investimentos entre os países para explicar o desempenho brasileiro. “É preciso avaliar o Pisa. Dê um lado, comparar o desempenho da Finlândia com o Brasil é a mesma coisa que comparar o Flamengo com o Botafogo. Diferença de desempenho reflete diferença de investimento. A Finlândia investe quase sete vezes o valor que o Brasil investe por aluno/ano”, argumentou Margarida, que foi reitora da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

A parlamentar mineira lembrou ainda que “os países que têm melhor desempenho resolveram há quase um século problemas que o Brasil passou a enfrentar desde a Constituição Cidadã de 1988”. Para ela, a relativa estagnação do Brasil “reflete a falta de consistência e de persistência das políticas públicas de educação, que flutuam com os governos”.

 

PNE

De acordo com a ex-reitora, “uma boa forma de avançar no Pisa será executar o Plano Nacional de Educação”, que tem sido rechaçado pelo governo Bolsonaro.

Quem também mencionou o PNE foi o deputado Pedro Uczai (PT-SC). “O governo Bolsonaro abandonou o Plano Nacional de Educação. Cumprir o PNE melhora a qualidade da educação. Neste momento, o governo se opõe a votar o Fundeb, que é o ponto central do financiamento da educação básica brasileira. Em vez de o ministro procurar inimigos ou culpados, ele deveria trabalhar mais, já que, em um ano ele não apresentou um único programa para melhorar a qualidade da educação brasileira”, disse Uczai.

Já deputada Professora Rosa Neide (PT-MT) considera que os resultados do Pisa precisam ser contextualizados com outros indicadores. “Exame com pequena amostra precisa ser visto com cuidado e contextualização. Qual a dimensão de cada país? Quanto efetivamente investem? Qual a dívida histórica com inclusão dos grupos mais vulneráveis?”, indagou a parlamentar.

“Utilizar resultados para atacar professores e a escola pública, justificando cortes, não é um bom caminho”, complementou Rosa Neide.

Ataques

O ministro disse que Paulo Freire representa o “fracasso total e absoluto” da educação sob os governos do PT. “O símbolo máximo do fracasso da gestão do PT começou quando foi construída a lápide da educação, que está lá embaixo na entrada do MEC, que é esse mural do Paulo Freire. Então, sim, [o Pisa é] integralmente culpa do PT”, declarou Weintraub.

 

Rogério Tomaz Jr.

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Editorial do Jornal Nacional contra Bolsonaro está atrasado em algumas décadas, critica Alencar Santana

A edição do último sábado (8) do Jornal Nacional incluiu um duro editorial que condena a p…