Home Portal Notícias Pimenta ingressa com mandado de segurança no STF para barrar projeto de Bolsonaro contra pessoas com deficiência

Pimenta ingressa com mandado de segurança no STF para barrar projeto de Bolsonaro contra pessoas com deficiência

5 min read
0

O líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), protocolou hoje (3), no Supremo Tribunal Federal, mandado de segurança em que cobra a suspensão da tramitação de projeto enviado pelo presidente Jair Bolsonaro ao Congresso Nacional, no dia 26 de novembro, que coloca fim à política de cotas para pessoas com deficiência ou reabilitadas.

O PL 6.159/2019 permite que as empresas substituam a contratação pelo pagamento de um valor correspondente a dois salários mínimos mensais. Isso desobriga as empresas a reservarem vagas. Na ação, o parlamentar alega inconstitucionalidade da matéria e pede sua devolução ao Executivo.

Garantias fundamentais

“O projeto fere explicitamente direitos e garantias fundamentais e viola, de modo contundente, convenções internacionais sobre direitos das pessoas com deficiência que foram ratificadas pelo Brasil”, afirma Paulo Pimenta.

O mandado de segurança foi protocolado justamente no Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, reforçando o movimento de parlamentares que têm discutido estratégias para barrar o avanço do projeto e derrubar urgência na votação.

Na petição ao STF, o líder petista alega também o direito de não participar de um processo legislativo” claramente inconstitucional”, e acrescenta que não se trata de um assunto interna corporis, já que o projeto de Bolsonaro viola tanto a Constituição como a legislação ordinária.

Ilegalidade

Para o parlamentar, o mandado de segurança deve ser concedido para evitar que a Câmara viole a Constituição e passe a deliberar sobre proposição “eivada de ilegalidade”.

Entre as ilegalidades, Pimenta aponta o desvirtuamento da política de cotas para a contratação de pessoas com deficiência (artigo 93 da lei 8.213/1991), levando à virtual extinção da política afirmativa de incorporação e socialização desse segmento da população no mundo do trabalho. “O projeto afronta a política nacional de inclusão e da busca de autonomia das pessoas com deficiência”, argumenta o líder do PT.

Sanha de destruição de direitos

Para Pimenta, a proposta de Bolsonaro configura-se uma “sanha de destruição de direitos e retrocesso nas políticas de garantias sociais”. Para compensar o descumprimento da lei de cotas para a contratação de pessoas com deficiência,  Bolsonaro propõe o recolhimento mensal, pelas empresas, de dois salários mínimos por vaga não preenchida.

Curiosamente, uma das bandeiras da campanha de Bolsonaro em 2018 foi a inclusão de pessoas com deficiência. A esposa dele, Michele Bolsonaro, que trabalha com crianças surdas, fez um discurso em libras na posse do marido dizendo que seria prioridade do governo a inclusão.

 

Leia a íntegra do mandado de segurança:

Mandado de Segurança -PL Pessoas com Deficiência

PT na Câmara

Foto: Lula Marques

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Promulgada PEC de Gleisi Hoffmann que fortalece estados e municípios com repasse direto de recursos

Vai ficar mais fácil o acesso aos recursos das emendas parlamentares individuais destinada…