Home Portal Notícias CDHM pede apoio à justiça do Paraná para resolver impasse no assentamento da Fazenda Capão do Cipó

CDHM pede apoio à justiça do Paraná para resolver impasse no assentamento da Fazenda Capão do Cipó

8 min read
0

A área da Fazenda Capão do Cipó, em Castro (PR), apesar de pertencer à União, vinha sendo usada irregularmente há décadas pela Fundação ABC, entidade das cooperativas agrárias Castrolanda, Batavo e Capal-Arapoti. Em abril de 2014 houve um pedido de reintegração de posse contra a Fundação ABC, com multa diária de R$ 20 mil. Porém, o despejo não foi executado.

Em 2003 a Advocacia-Geral da União (AGU) entrou com pedido de reintegração de posse. Apesar do trânsito em julgado com a reintegração concedida, a decisão nunca foi cumprida. Logo após, o Incra solicitou que a área ficasse sob administração da Secretaria de Patrimônio da União.

Em 2015, cerca de 200 famílias do acampamento Maria Rosa do Contestado, também de Castro, ocupou a área. Os agricultores e agricultoras fazem parte do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). A fazenda tem aproximadamente 400 hectares.

Nesses quatro anos na área, as famílias produziram diversidade, qualidade e quantidade de alimentos: no último ano. Já foram colhidas 100 toneladas de milho crioulo, 650 toneladas de feijão de diferentes tipos, 1,2 toneladas de amendoim, 9 toneladas de arroz, e 150 toneladas de repolho. Toda produção é agroecológica. No local também existe um Centro de Treinamento Pecuário (CTP).

Passados dois meses, a Advocacia-Geral da União solicitou a reintegração de posse, e o governo paranaense quer realocar as famílias. Mas a nova área não comportaria todas elas. Além disso, os agricultores e o governo colocam como condição do novo assentamento a permanência do CTP na Fazenda Capão do Cipó.

Para ajudar na solução do impasse, a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados (CDHM) enviou, nesta segunda-feira (2), ofício para o juiz federal Antonio César Bochene, responsável pelo caso. O presidente da CDHM, Helder Salomão (PT-ES), solicita informações sobre a situação dos acampados, e pede avaliação e investigação de possíveis ameaças ou violações de direitos humanos.

“As ocupações coletivas de imóveis rurais, principalmente vulneráveis, como é o caso na Fazenda Capão do Cipó, são vitais para suprir as necessidades de alimentação, moradia e trabalho. Por outro lado, os despejos costumam ser feitos com sérias violações à integridade física e mesmo à vida dos envolvidos”, explica Salomão no documento.

A CDHM anexou ao ofício uma cópia da Resolução nº 10, de 17/10/18, do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH), sobre soluções garantidoras de direitos humanos e medidas preventivas em situações de conflitos fundiários. Além de sugerir a adoção do artigo que afirma “quando se tratar de imóvel público, a efetivação da função social deverá ser respeitada, assegurando-se a regularização fundiária dos ocupantes”.

Histórico

A comunidade Maria Rosa do Contestado está integrada a projetos e ações da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). O Laboratório de Mecanização Agrícola da UEPG (Lama) oferece formação e capacitação técnica em produção agroecológica às famílias desde o início da ocupação. A Incubadora de Empreendimentos Solidários (IESOL) realiza um projeto de fortalecimento das iniciativas da comunidade como, por exemplo, a produção coletiva de panificados, para consumo interno e comercialização.

No segundo dia de ocupação do MST, em 2015, as famílias e as partes envolvidas fizeram um acordo para a realização de uma permuta. As famílias sairiam do local e, em troca, seriam assentadas em outras três áreas: Fazenda Barra Bonita, Taboãozinho e Jeca Martins, do Instituto Ambiental do Paraná (IAP). Três anos se passaram e não houve avanço na efetivação do assentamento.

Um dos argumentos utilizadas pelo Estado para o não assentamento das famílias na própria Fazenda Capão do Cipó é o avanço de um projeto de instalação de um campus do Instituto Federal do Paraná (IFPR) no local. Porém, ainda não há autorização do Ministério da Educação para a criação da unidade e o projeto não indica local para a instalação do novo campus.

Assessoria de Comunicação-CDHM

 

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Incompetência do governo na correção do Enem pode prejudicar milhares de estudantes, denunciam petistas

Deputados da Bancada do PT utilizaram suas redes nesta segunda-feira (20) para criticar os…