Home Portal Notícias Bancada do PT e Oposição convocam Guedes sobre AI-5

Bancada do PT e Oposição convocam Guedes sobre AI-5

6 min read
0

A Bancada do Partido dos Trabalhadores, ao lado de outros integrantes da Oposição, quer que o ministro da Economia, Paulo Guedes, se explique ao Senado sobre sua defesa de “um novo AI-5”.

Eles requereram a convocação de Guedes para que esclareça ao Plenário da Casa, à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e à Comissão de Transparência, Governança, Fiscalização e Controle (CTFC) para explicar as declarações feitas durante uma entrevista coletiva em Washington (EUA), em que sugere a ressurreição do Ato Institucional nº 5, o instrumento mais obscurantista usado pela ditadura militar.

No início da semana, as Bancadas do PT na Câmara e no Senado já haviam cobrado providências contra a fala de Guedes à Comissão de Ética da Presidência da República e à Procuradoria-Geral da República, por meio de representações.

Graves e perigosas

Para os senadores, “são graves e extremamente perigosas as declarações dadas pelo ministro da Economia do Brasil, em entrevista no exterior” e lembram que é papel do Congresso Nacional exercer a competência fiscalizatória, a legítima representação popular e a preservação do regime democrático.

Além dos seis senadores do PT — o líder Humberto Costa (PE), Jaques Wagner (BA), Jean Paul Prates (RN), Paulo Paim (RS), Paulo Rocha (PA) e Rogério Carvalho (SE) — também assinam os requerimentos de convocação o Líder da Oposição no Senado, Randolfe Rodrigues (REDE-AP), a senadora Zenaide Maia (PROS-RN) e os senadores Fabiano Contarato (REDE-ES) e Veneziano Vital do Rego (PSB-PB).

Instrumento de exceção

No último dia 25 de novembro, em visita à capital dos Estados Unidos, Paulo Guedes sugeriu durante entrevista que o governo poderia lançar mão de algum instrumento de exceção para conter ou desestimular manifestações populares.

“Não se assustem então se alguém pedir o AI-5. Já não aconteceu uma vez? Ou foi diferente? Levando o povo pra rua pra quebrar tudo. Isso é estúpido, é burro, não está à altura da nossa tradição democrática”, declarou o ministro de Bolsonaro.

Decretado pela Ditadura Militar em 13 de dezembro de 1968, o Ato Institucional nº 5 suspendeu todas as garantias constitucionais, fechou o Congresso Nacional e Assembleias Legislativas, instituiu a censura prévia, tornou ilegais as reuniões políticas não autorizadas pela polícia, permitiu a decretação de toques de recolher, entre outras medidas.

Contexto inquietante

Os senadores ressaltam que se fosse apenas uma declaração isolada, a manifestação de Paulo Guedes “já seria totalmente imprópria”. O contexto político, porém, exige que a questão seja tratada de forma mais enérgica do que a dispensada a uma mera afirmação infeliz.

As palavras de Guedes tornam-se mais graves, dizem os senadores, quando se somam a ameaças semelhantes feitas pelo filho do presidente da República e ex-aspirante a embaixador, Eduardo Bolsonaro, e às reiteradas manifestações a favor de ditaduras do próprio Chefe do Executivo.

Licença para matar

No “contexto de radicalização antidemocrática de membros e partidários do governo”, os senadores também citam o projeto de lei enviado por Bolsonaro ao Congresso no qual pretende instituir a licença para matar para policiais que cometam excessos, inclusive mortes, durante vigência de decretos presidenciais de Garantia da Lei e da Ordem (GLO).

Em entrevista, Bolsonaro já deixou claro que o objetivo é mesmo reprimir protestos. “Se tiver GLO, já sabe. Se o Congresso nos der o que a gente está pedindo, este protesto vai ser simplesmente impedido de ser feito”.

 

Por PT no Senado

Foto – Reprodução

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Parlamentares do PT pedem que STF interrompa processo de privatização de refinarias da Petrobras

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara defenderam pelas redes sociais nesta quinta-feira…