Home Portal Notícias Congresso derrota Bolsonaro e derruba vetos a projetos de combate à violência contra a mulher

Congresso derrota Bolsonaro e derruba vetos a projetos de combate à violência contra a mulher

10 min read
0

O governo Bolsonaro sofreu uma grande derrota no Congresso Nacional nesta quarta-feira (27), com a derrubada de seis vetos presidenciais, pelo senadores e deputados. Entre os vetos rejeitados, alguns são relacionados a projetos de combate à violência contra as mulheres, que agora vão virar lei. Foi derrubado também parte dos dispositivos vetados na Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2020 (Lei 13.898, de 2019). Um deles permite a estados e municípios usarem dinheiro de transferências voluntárias por meio de convênios para pagamento de pessoal contratado por tempo determinado para ações vinculadas a esses convênios.

Os parlamentares também, com a derrubada de vetos à LDO, dispensaram municípios de até 50 mil habitantes de se manterem adimplentes para assinar convênios para a transferência de recursos federais e também o que viabiliza o repasse de recursos para despesas de capital a entidades privadas, como construção, ampliação ou conclusão de obras.

Na próxima terça-feira (3), deputados e senadores continuarão apreciando outros vetos à LDO. Devido a um erro nas cédulas eletrônicas, que não viabilizaram acordo entre os partidos, a sessão foi encerrada antes de apreciar os vetos – que seriam rejeitados –  que tratam de dinheiro para o Censo Demográfico; a blindagem dos recursos para a educação, como defende a Bancada do PT; e a inclusão, dentro do teto salarial do funcionalismo, do adicional de sucumbência recebido pelos advogados da União, defendida pelo PT e pelo Novo.

Violência

Foi derrubado também o veto de número 39/2019 que rejeitava três itens do PL 510/2019, que estabelece o encaminhamento da mulher em situação de violência doméstica ou familiar à assistência judiciária. O projeto foi transformado na Lei 13.894, de 2019, com vetos aos itens que facilitavam a ação de divórcio para a vítima. Com a derrubada do veto, a lei será restabelecida de forma integral.

Um dos itens vetados e agora retomado pelos deputados e senadores permite a ação de divórcio ou de dissolução de união estável no Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher. Também foram vetados o item que excluiu da competência desses juizados questões relativas à partilha de bens e o que garantiu prioridade de tramitação de ações de divórcio e dissolução caso a situação de violência doméstica se iniciasse após o pedido.

A intenção dos trechos vetados é facilitar a ação para a vítima, ao concentrar as decisões em um único juizado, já que nos casos de violência doméstica o juiz provavelmente já estará envolvido com questões relacionadas à prestação de alimentos e à guarda dos filhos.

Também será lei o projeto que obriga os serviços de saúde públicos e privados a notificar a delegacia policial sobre indícios de violência contra a mulher (PL 2538/19). Esses indícios devem ser informados pelos serviços de saúde em, no máximo, 24 horas. O texto tinha sido vetado pelo governo Bolsonaro.

Vacinas

Outro veto rejeitado pelos parlamentares foi o que vetava integralmente o PLS 231/2012, que reserva pelo menos 30% dos recursos do Programa de Fomento à Pesquisa da Saúde para o desenvolvimento de medicamentos, vacinas e terapias para doenças raras ou negligenciadas pela indústria farmacêutica.

O texto altera a Lei 10.332, de 2001, que institui programas de incentivo à pesquisa. Pela norma, o Programa de Fomento à Pesquisa em Saúde recebe 17,5% da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) incidente sobre o pagamento de royalties por transferência de tecnologias, exploração de patentes e marcas e afins. Com o projeto, 30% desse recurso será destinado a pesquisas de remédios para doenças raras.

Investimentos

Os parlamentares rejeitaram também o veto a trechos sobre a Secretaria do Programa de Parcerias de Investimentos (SPPI), do projeto de lei de conversão da Medida Provisória 886/19. Com a retomada do texto, a secretaria deverá manter mecanismos de diálogo com as confederações nacionais patronais de cada setor, com as comissões temáticas e as frentes parlamentares do Congresso Nacional. Isso valerá para os setores de infraestrutura, que poderão contribuir com estudos, pesquisas e análises temáticas para subsidiar a tomada de decisões de caráter estratégico para a agenda de infraestrutura do País.

Em relação aos diretores do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), foi retomada a necessidade de sabatina pelo Senado Federal dos diretores indicados para dirigir o órgão.

Funasa

Senadores e deputados derrubaram ainda o veto do presidente Jair Bolsonaro sobre repasses da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) a projetos de saneamento (PLN 27/2019), que resultou na Lei 13.897, de 2019. Essa lei prorrogou de 15 de outubro para 14 de novembro o prazo para envio de propostas de alteração do Orçamento de 2019.

Psicólogos

Também foram derrubados vetos à proposta que garantia atendimento por profissionais de psicologia e serviço social aos alunos das escolas públicas de educação básica e ainda o que obrigava os profissionais de saúde a registrar no prontuário médico da paciente e comunicar à polícia indícios de violência contra a mulher.

Carteira de trabalho

Na mesma sessão também foram mantidos dois vetos – ao projeto que previa a emissão eletrônica da Carteira de Trabalho e Previdência Social (PLS 466/2013) e ao que instituiu a Política Nacional de Prevenção do Diabetes e de Assistência Integral à Pessoa Diabética (PLC 133/2017).

Vânia Rodrigues, com Agência Câmara Notícias

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Consórcio do Nordeste vai garantir 50 milhões de doses da vacina russa

Mesmo com entrave burocrático da Anvisa, que passou a exigir estudo clínico realizado no B…