Home Portal Notícias José Ricardo denuncia Bolsonaro por desmantelar políticas públicas para cultura

José Ricardo denuncia Bolsonaro por desmantelar políticas públicas para cultura

6 min read
0

O “Dia Nacional da Cultura Brasileira” foi comemorado no último dia 5 de novembro. Dois dias após a data, na quinta-feira (7/11), o presidente Jair Bolsonaro (PSL) publicou decreto transferindo a Secretaria Especial de Cultura do Ministério da Cidadania para o Ministério do Turismo. E, no dia seguinte, decidiu colocar também nesse ministério mais sete órgãos da área de Cultura.

Diante disso, o deputado José Ricardo (PT-AM) posicionou-se contrariamente a essa decisão, uma vez que esse decreto desmantela políticas públicas que contribuíram para fortalecimento da cultura brasileira, ao invés de proporcionar mais investimentos às manifestações artísticas do País. E ainda cobra que sejam disponibilizados mais recursos no orçamento federal.

Após a decisão, passaram a fazer parte da estrutura do Ministério do Turismo, a Agência Nacional do Cinema (Ancine); o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan); o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram); a Fundação Biblioteca Nacional; a Fundação Casa de Rui Barbosa; a Fundação Cultural Palmares; e a Fundação Nacional de Artes (Funarte). Para José Ricardo, o atual governo não vê a cultura como um elemento fundamental da identidade do povo brasileiro, somente como um produto a ser vendido ou como objeto de observação para turistas.

Cultura não é mercadoria

“Ao submeter a cultura ao Ministério do Turismo, Bolsonaro considera que a cultura como sendo uma mercadoria, ignorando o fato de que a manifestação cultural de um povo não é determinada pelos interesses econômicos A cultura popular deve ser livre dos interesses econômicos e deve ser respeitada. Cultura não é mercadoria”, destacou o parlamentar, ao lembrar que no Amazonas, um dos estados brasileiros com a maior diversidade cultural do país, a influência dos povos indígenas está presente na música regional, nas artes plásticas, no artesanato, nas comidas típicas, nas crenças, na religião e nas manifestações folclóricas.

José Ricardo disse ainda que toda essa manifestação cultural está ameaçada, bem como as demais culturas relacionadas às águas e às florestas, pela falta de políticas públicas do atual governo federal. E como exemplo destacou o Boi-Bumbá, de Parintins; o Festival Folclórico do Amazonas, com a participação de dezenas de grupos de danças típicas; o desfile das escolas de samba de Manaus; o Festival da Canção de Itacoatiara; o Festival de Cirandas de Manacapuru; o Festival Internacional de Jazz; dentre outros que estão sendo prejudicados com a falta de incentivos.

E lembrou que, em 2003, o ex-presidente Lula encontrou um Ministério da Cultura enfraquecido, sem recursos e sem propostas de políticas públicas. Mas em 2010, final do seu segundo governo, o orçamento da cultura passou de 0,2% do total de recursos da União para mais de 1%. As verbas do Ministério da Cultura passaram de R$ 540 milhões, em 2003, para R$ 2,2 bilhões no mesmo ano. Nesse mesmo período, de acordo com o Ministério, a renúncia fiscal mobilizada para a produção cultural aumentou de R$ 400 milhões para mais de R$ 1 bilhão. Também no governo de Dilma Rousseff, por meio a implantação do Sistema Nacional de Cultura, mais de 5 mil municípios foram beneficiados com inúmeros projetos, inclusive, o Amazonas. Recursos democratizados, saindo do eixo Rio-São Paulo e levando financiamento para todo País, relembrou José Ricardo.

Assessoria de Comunicação

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Núcleo Agrário do PT defende votar com urgência projetos para socorrer agricultores familiares

Com o pedido de urgência aprovado, a Bancada do PT na Câmara – juntamente com o Núcl…