Home Portal Notícias, Notas e Boletins Português Notas Bancada Feminina do PT na Câmara repudia manifestações de intolerância da juíza Adriana Bonemer

Bancada Feminina do PT na Câmara repudia manifestações de intolerância da juíza Adriana Bonemer

14 min read
0

Em nota divulgada na tarde desta quinta-feira (7), a Bancada Feminina do PT na Câmara repudia as manifestações de intolerância e de desrespeito proferidas pela juíza Adriana Gatto Martins Bonemer, na sentença proferida na ação contra um ex-universitário que participou de trote do curso de medicina em São Paulo. Ele conduziu um juramento com expressões pejorativas e de baixo cunho sexual, um verdadeiro hino a cultura do estupro. “A juíza não só julgou improcedente a ação, como teceu toda uma tese de subversão da pauta feminista, com total desrespeito a história de lutas e conquistas dos direitos humanos civis, políticos e sociais das mulheres”, protesta a bancada.

“A referida juíza, mesmo reconhecendo o caráter vil e ofensivo do discurso proferido pelo ex-universitário, considera hipócrita o fato dos movimentos feministas abominarem tal ato, por contemplar que há um processo de degradação moral da sociedade promovido por estes mesmos movimentos. A partir de tal fala, é tácito o reconhecimento de que a autora da sentença culpabiliza o movimento feminista pela violência simbólica compreendida no rito do trote universitário, que apenas reproduz práticas misóginas de nossa sociedade patriarcal e demonstra seu viés etnocêntrico e antidemocrático de considerar seus valores conservadores como hierarquicamente superiore”, diz trecho da nota.

A Bancada Feminina do PT denuncia ainda a criminalização dos movimentos sociais, das mulheres organizadas e também a escalada de violência contra as mulheres e o genocídio da população.

Leia a íntegra da nota:

A Bancada Feminina do Partido dos Trabalhadores na Câmara dos Deputados vem a público expressar seu mais veemente repúdio e indignação às manifestações de intolerância e desrespeito proferidas pela juíza de Direito Adriana Gatto Martins Bonemer, em sentença exarada nesta quarta-feira, 06 de novembro de 2019.

A juíza de Direito Adriana Gatto Martins Bonemer, da 3ª vara Cível de Franca/SP, não só julgou improcedente a Ação Civil Pública Cível (ACP) – Indenização por Dano Moral – movida pelo MP/SP contra um ex-universitário que participou de trote de curso de medicina e conduziu um juramento com expressões pejorativas e de baixo cunho sexual, um verdadeiro hino a cultura do estupro; como também teceu toda uma tese de subversão da pauta feminista, com total desrespeito a história de lutas e conquistas dos direitos humanos civis, políticos e sociais das mulheres.

Com o intuito de diluir completamente a possibilidade do feminismo enquanto movimento político, a referida juíza argumenta que não se pode vislumbrar a existência de um pretendido coletivo de mulheres, uma vez que “indivíduos do sexo feminino não são iguais e não possuem os mesmos valores”. Enquanto constructo ontológico, de fato, o essencialismo contemplado na categoria “mulher” não é capaz de contemplar a diversidade de experiências femininas, que apresentam múltiplas especificidades e peculiaridades em suas vivências. Sustenta-se aqui, contudo, a relevância de se apelar para esta categoria sob efeito de um essencialismo estratégico, uma vez que a reivindicação das pautas femininas e a formulação de políticas públicas voltadas à esta população dependem da identificação de estruturas comuns que atravessam essa categoria.

Negando quaisquer contribuições do movimento feminista para sociedade, incluindo-se aí a conquista de diversos direitos civis angariados no último século, a referida juíza avalia que “que o movimento feminista apenas colaborou para a degradação moral que vivemos”. Ao apelar para o âmbito da moralidade, a autora da supracitada sentença ignora o caráter sócio-histórico-cultural de fluidez que constitui àquilo que é relativo aos modos, costumes e convenções de cada sociedade em cada época. Ao condenar os méritos do movimento feminista com base na pauta moral, a referida juíza aliena-se do fato de que, ela mesma, na condição de mulher, jamais seria capaz de exercer sua atividade de magistratura com direito a voz e voto no Brasil, se os valores morais de cem anos atrás tivessem permanecido estanques.

A referida juíza, mesmo reconhecendo o caráter vil e ofensivo do discurso proferido pelo ex-universitário, considera hipócrita o fato dos movimentos feministas abominarem tal ato, por contemplar que há um processo de degradação moral da sociedade promovido por estes mesmos movimentos. À partir de tal fala, é tácito o reconhecimento de que a autora da sentença culpabiliza o movimento feminista pela violência simbólica compreendida no rito do trote universitário, que apenas reproduz práticas misóginas de nossa sociedade patriarcal e demonstra seu viés etnocêntrico e antidemocrático de considerar seus valores conservadores como hierarquicamente superiores.

Não temos dúvidas que a herança dos trotes perversos deve ser desarticulada de forma sistemática, isso não significa que não seja imprescindível tomar providencias quanto à responsabilidade e as motivações de atentado ao imaginário social e a vida das mulheres. O episódio do trote na UNIFRAN, em 04/02/2019, revela o fortalecimento da cultura do estupro no Brasil, que tem crescido e disseminado o ódio, a violência e a morte para com as mulheres brasileiras. A violência ocorrida sobretudo contra as mulheres e população LGBTQI nos trotes universitários se perpetua por meio do pacto de silêncio que protege os agressores. Quando rompido, espera-se que a sociedade, as instituições e as famílias acolham de modo humano aquelas que ousaram denunciar, sejam estas denúncias realizadas pelas próprias vítimas ou mesmo por testemunhas e movimentos sociais organizados.

Somos alvo cotidiano da objetificação, da hipersexualização, da humilhação e da exposição. Nossos corpos se tornam públicos em certos ambientes, de modo que homens se acham no direito de tocá-los, acariciá-los, dirigir olhares lascivos e constrangedores. A denúncia é direito de quem se sente violado e não representa um pré-julgamento na tentativa de dissuadir as jovens da denúncia e difamá-las juntos aos demais colegas, numa estratégia vil de colocar o corpo acadêmico de tal universidade em conflito. Vale lembrar que o silêncio é cúmplice da violência e é extremamente cruel fazer coro com a opressão e violência.

A Bancada Feminina do Partido dos Trabalhadores na Câmara dos Deputados denuncia ainda a criminalização dos movimentos sociais, das mulheres organizadas e também a escalada de violência contra as mulheres e o genocídio da população. Tal sentença vem à tona como comprovação do que está em jogo no Brasil: muito mais do que a justiça e os direitos da população, um jogo político perigoso de distorção da história, que usurpa nossos direitos arduamente conquistados em prol de um discurso que criminaliza nossas vidas e retira nossa liberdade. Repudiamos essa sentença e aproveitamos o ensejo desta nota para reafirmamos o nosso compromisso com a defesa do povo brasileiro, por uma Justiça que seja garantidora dos direitos humanos, sociais, civis e políticos de todas e todos.

Brasília 7 de novembro de 2019

Deputada Benedita da Silva (PT-RJ)

Deputada Erika Kokay (PT-DF)

Deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR)

Deputada Luizianne Lins (PT-CE)

Deputada Margarida Salomão (PT-MG)

Deputada Maria do Rosário (PT-RS)

Deputada Marília Arraes (PT-PE)

Deputada Natália Bonavides (PT-RN)

Deputada Professora Rosa Neide (PT-MT)

Deputada Rejane Dias (PT-PI)

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Crescimento de violações aos direitos humanos é destaque em sessão solene na Câmara

Representantes da sociedade civil e do Ministério Público lamentaram, nesta sexta-feira (6…