Home Portal Notícias Manchetes Governo Bolsonaro está na contramão do combate à desigualdade

Governo Bolsonaro está na contramão do combate à desigualdade

5 min read
0

A explosão popular no Chile alertou os donos do dinheiro no mundo, ou seja o sistema financeiro internacional, para o aprofundamento da desigualdade. A crise do neoliberalismo tem sua matriz nos Estados Unidos, mas se alastra, principalmente pela Europa e nos países da América Latina.

Diante disso, seus porta-vozes apostam em capturar a bandeira do “combate à desigualdade”, como uma tentativa de contornar a situação e manter a espoliação selvagem. No entanto, assim como na maioria dos países latinos, especialmente no Brasil, há uma combinação de fatores que apontam para o agravamento da desigualdade.

Para o economista Bruno Moretti, são várias as razões que tornam o novo discurso neoliberal apenas demagogia, a começar pelos empregos. “O mercado de trabalho não gera as ocupações formais necessárias para alterar o quadro de desemprego e precarização”, diz ele. A política fiscal restritiva trava a geração de emprego e renda, pois reduz investimentos públicos.

O fim da política de valorização do salário mínimo, por outro lado, deve afetar 48 milhões de brasileiros, retirando R$ 7 bilhões da economia em 2020. A redução de 30% a 40% nos benefícios previdenciários, resultado da Reforma da Previdência recentemente aprovada, agrava ainda mais o quadro.

Outras medidas restritivas adotadas pelo governo tornam ainda mais inviável qualquer proposta neoliberal de “combate à desigualdade”, destaca Moretti.

Na proposta orçamentária de 2020, a primeira da gestão Bolsonaro, o Bolsa Família teve queda real. Os investimentos públicos estão num patamar inferior a R$ 20 bilhões (menos de 30% do previsto em 2014). O programa Minha Casa Minha sequer alcança R$ 3 bilhões (menos de 20% do previsto em 2014). A saúde, por sua vez, perde mais de R$ 10 bilhões, em razão do congelamento do piso mínimo a ser investido no setor.

“O cenário mais provável, portanto, é o de manutenção de um mercado de trabalho fraco, com queda da renda previdenciária (que foi central na crise para compensar a queda da renda do trabalho) e das transferências governamentais e serviços públicos fortemente redutores da desigualdade (Bolsa Família, saúde, educação, entre outros. Pode até mesmo haver algum efeito sobre o PIB entre o último trimestre e o início do ano, frente a medidas temporárias de impulso da demanda como a liberação do FGTS e o rateio do bônus da cessão onerosa, mas elas se dissiparão”, conclui Moretti.

O receituário neoliberal de desregulamentação trabalhista, redução unilateral de tarifas de importação, privatizações que não ampliam investimentos e encarecem o acesso a bens e serviços de utilidade pública (como deve acontecer com os combustíveis com a venda das refinarias da Petrobras), redução das políticas sociais e dos investimentos públicos e ausência de medidas para tributar renda e patrimônio do “andar de cima” deverá implicar no aumento das desigualdades e manter a economia com uma taxa de desemprego elevada, próxima a 12%, pelo menos até 2020.

 

Do PT no Senado

Foto: Marianne Ortelli/Creative Commons

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Jorge Solla: Governo Bolsonaro completa um ano sem cumprir suas principais promessas de campanha

O deputado Jorge Solla (PT-BA) descreveu, no plenário da Câmara dos Deputados, nesta quint…