Home Portal Notícias Queiroz tem que depor na CPMI das Fake News, defende Paulo Pimenta

Queiroz tem que depor na CPMI das Fake News, defende Paulo Pimenta

6 min read
0

O líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), defendeu hoje (30) a convocação do ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), Fabrício Queiroz, para depor na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Fake News. Ele defendeu ainda a quebra do sigilo bancário, fiscal, telefônico e telemático de Queiroz, tido como tesoureiro da família Bolsonaro, para esclarecer a profusão de fake news no Brasil, em especial durante a campanha eleitoral do ano passado, já que o financiamento das milícias digitais pode ter saído de suas contas.

A proposta do líder petista foi feita durante reunião da CPMI em que foi ouvido o ex-aliado de Jair Bolsonaro (PSL), o deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP). Frota declarou que o presidente da República protege e financia “terroristas virtuais”, em referência a três assessores pessoais que trabalham dentro do Palácio do Planalto. De acordo com o parlamentar, o trio age sob coordenação de Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), vereador no Rio de Janeiro e filho do chefe do Executivo.

Informação gravíssima

No depoimento, Frota disse que o próprio Jair Bolsonaro comanda um esquema de proteção a Queiroz, já que foi repreendido duas vezes pelo presidente da República –  uma vez por telefone, outra pessoalmente – quando citou o nome de Queiroz no plenário da Câmara. Pimenta observou que a informação é gravíssima e, por isso, é essencial a convocação de Queiroz pela CPMI.

Pimenta instou o líder do PSL na Câmara, Eduardo Bolsonaro (SP), a apoiar a iniciativa de convocar Queiroz. O deputado e filho do presidente da República compareceu à reunião da CPMI apenas para provocar Alexandre Frota e outros integrantes da oposição, saindo às pressas para não ouvir as respostas de seus colegas parlamentares. “Fala o que quer e foge, é um mimado e covarde”, disse Pimenta ao se referir ao comportamento de Eduardo Bolsonaro.

Dinheiro de milicianos

O líder do PT observou que as investigações mostram que Queiroz recebia dinheiro de milicianos em suas contas e repassava para a família de Bolsonaro. Um dos acusados do assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes, há 595 dias, é o capitão Adriano Magalhães da Nóbrega, um dos chefes do Escritório do Crime que teria participado do atentado.

Sua ex-mulher e mãe trabalharam no gabinete do atual senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), quando ele era deputado estadual pelo Rio. Elas, segundo disse Pimenta, repassavam dinheiro para Queiroz, num esquema de “rachadinha”. “Queiroz pagou até contas da primeira-dama Michele Bolsonaro”, observou o parlamentar.

Pimenta frisou que as relações com o capitão Adriano eram tão próximas que o filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro chegou a homenagear o suspeito de participar do assassinato de Marielle com honrarias da Assembleia Legislativa do Rio.

O capitão recebeu a medalha Tiradentes – a maior honraria do estado do Rio – quando se encontra preso em uma cadeia.

A CPMI das Fake News foi convocada para apurar o assédio e a incitação a outras práticas prejudiciais na internet, bem como formas para combatê-las. Um dos focos é a investigação sobre disseminação de notícias falsas, como as que ocorreram nas eleições de 2018.

Veja a fala do líder Paulo Pimenta:

ASSISTA E COMPARTILHE

Deputado Paulo Pimenta fala na CPMI das Fake News___#QuemEstavaNaCasa58 • #Brasil • #RioGrandeDoSul • #Oposição • #PT • #CoragemQueFazAcontecer • #DeputadoPimenta • #ePP

Posted by Paulo Pimenta on Wednesday, 30 October 2019

 

PT na Câmara

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Guimarães quer impedir suspensão da Lei Rouanet em cidades com lockdown

O líder da Minoria na Câmara dos Deputados, José Guimarães (PT-CE), protocolou, nessa sext…