Home Portal Notícias Petistas exigem explicações sobre suspeitas de envolvimento de Bolsonaro na morte de Marielle

Petistas exigem explicações sobre suspeitas de envolvimento de Bolsonaro na morte de Marielle

9 min read
0

Parlamentares da Bancada do PT se revezaram na tribuna da Câmara nesta quarta-feira (30) para manifestar perplexidade com o depoimento do porteiro do condomínio onde mora a família Bolsonaro, que menciona o nome do presidente Jair Bolsonaro, no caso Marielle Franco (PSOL), vereadora do Rio de Janeiro assassinada em 2018. “Que Bolsonaro tem envolvimento com a milícia, o Brasil já sabe. Que Bolsonaro não tem como explicar de onde tirou dinheiro para pagar aquelas duas mansões que são propriedades dele, todo mundo já sabe. Só que agora estão mostrando o envolvimento dele com a morte da vereadora Marielle”, destacou o deputado Jorge Solla (PT-BA).

O deputado citou trechos da reportagem divulgada ontem (29) na qual revela que o assassino de Marielle esteve no condomínio de Bolsonaro. “Ele identificou-se, está lá o registro do nome dele, disse que ia para a casa 58, que é uma das duas mansões de Bolsonaro. O porteiro confirmou a informação. E agora o porteiro está sendo acusado. A que ponto nós chegamos!”, lamentou.

E o que é mais “escandaloso” nesse caso, segundo Solla, é que o presidente Bolsonaro mandou o ministro da Justiça, Sérgio Moro, acionar o procurador-geral do Ministério Público Federal, para acusar o porteiro de ter citado o nome do presidente. “Eu espero que isso não prospere. Houve o tempo em que existia o “engavetador-geral” da República. Agora há o responsável por blindar o envolvimento criminoso com a milícia e com o assassinato de Marielle”, criticou.

Jorge Solla afirmou que é preciso exigir que a apuração aconteça. “Nós queremos ouvir a gravação. Há informação de que existe gravação sim na portaria do condomínio. Nós queremos ouvir a gravação que comprova o envolvimento do presidente. E isso tem que gerar apuração, não proteção, não blindagem”, protestou.

Quem não deve não teme

Ao comentar o caso, o deputado Valmir Assunção (PT-BA) disse que não ia acusar o presidente Bolsonaro de envolvimento com o assassinato da vereadora Marielle. “Mas assisti nas redes sociais e nos meios de comunicação o debate ocorrido no dia de ontem, e mesmo achando que a Rede Globo tem que explicar como dá alguns furos de reportagem em matéria sigilosa. E isso não é de agora – foi contra o presidente Lula, contra o PT e contra a esquerda. Jair Bolsonaro não aguentou um Jornal Nacional!”, criticou.

Valmir Assunção disse que viu o vídeo de Jair Bolsonaro no Facebook. “Vi que ele está muito nervoso. Quem não deve não teme. Essa é a máxima”, provocou. O deputado observou ainda que não tem como negar que Élson Queiróz e Ronnie Lessa – acusados do assassinato de Marielle – fazem parte da amizade da Família Bolsonaro. “Quando dizemos isso, não estamos dizendo que o Bolsonaro é responsável pelo assassinato, mas uma coisa é concreta: esses dois suspeitos fazem parte da amizade da Família Bolsonaro, isso é público e notório”, reforçou.

Ameaça à TV

O deputado Alencar Santana (PT-SP) relembrou que um outro “eiro”, um caseiro derrubou um ministro. E, agora, nós temos o depoimento de um porteiro, que cita o nome do presidente. “Ele diz que um suspeito foi ao seu condomínio, na casa de um outro suspeito da morte da Vereadora Marielle e diz que é a casa do hoje presidente Bolsonaro. Essa circunstância, por si só, faz com que haja necessidade do inquérito ser transferido para a Procuradoria-Geral da República e para o Supremo Tribunal Federal, uma vez que se trata do presidente da República”, explicou.

Alencar Santana estranhou ainda a conduta do presidente, que logo após a reportagem ameaçou uma concessionária de TV, dando a entender que pode não renovar a sua concessão no período adequado de pedido. “Ora, ele está insinuando o quê com isso? É uma ameaça? O presidente está usando o seu poder para ameaçar, tentando calar a imprensa como medida de censura?”, protestou.

O deputado do PT paulista criticou ainda a postura do ministro Moro, que determinou uma apuração para ver em que circunstância o depoimento do porteiro foi dado. “Como assim? Ele está suspeitando, sem qualquer evidência, sem qualquer elemento fático, do trabalho de uma instituição? Da polícia do Rio de Janeiro? Também da condução do MP do Rio? Isso é um absurdo! É uma interferência indevida, é um abuso de poder, é crime de responsabilidade”, afirmou.

Casa 58

O deputado Paulo Guedes (PT-MG) enfatizou que a pergunta que o Brasil todo faz hoje é: quem estava na casa nº 58?. “Nós ficamos perplexos porque, ao invés de o presidente Jair Bolsonaro dar explicações, ele faz justamente o contrário, ele pede ao seu ministro da Justiça, Sérgio Moro, para investigar o porteiro. Quando age dessa forma, o presidente se comporta como se fosse o Barão de Araruna, e se submete o ministro da Justiça à condição de capitão-do-mato. Nós não podemos admitir isso. O Brasil exige explicação”.

Os deputados Assis Carvalho (PI), Frei Anastácio (PT-PB), Airton Faleiro (PT-PA) e Reginaldo Lopes (PT-MG) também se manifestaram em plenário sobre o depoimento do porteiro.

Vânia Rodrigues

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

João Daniel denuncia que regularização fundiária proposta por Bolsonaro acentua injustiça agrária

A preocupação com a medida provisória (MP 910/19), editada esta semana pelo governo federa…