Home Portal Notícias Com voto contrário do PT, Comissão aprova projeto da privatização de companhias de água e esgoto

Com voto contrário do PT, Comissão aprova projeto da privatização de companhias de água e esgoto

10 min read
0

Apesar da intensa obstrução do PT e dos demais partidos de Oposição (PCdoB, PSOL, PDT, PSB), foi aprovado por 21 votos contra 13 o parecer do deputado Geninho Zuliani (DEM-SP) ao Projeto de Lei 3.261/19, do governo Bolsonaro, que abre caminho para a privatização total dos sistemas públicos de distribuição de água e de saneamento, nesta quarta-feira (30), na Comissão Especial que analisou o tema na Câmara. Além de os deputados da Oposição, parlamentares do PP, Podemos, PSD e do PSC também votaram contra a proposta.

Durante a tensa votação, o presidente do colegiado – deputado Evair Vieira de Mello (PP-ES) – foi muito criticado por atropelar as regras definidas pelo regimento interno para derrubar os requerimentos apresentados pela Oposição, com o objetivo de impedir ou adiar a votação. O deputado Delegado Waldir (PSL-GO) tentou inclusive agredir manifestantes que protestavam contra a votação do texto, após ser vaiado pela defesa que fez da privatização das empresas públicas de água e saneamento.

Na confusão, o deputado do PSL foi acusado de estar armado no plenário. E não foi a primeira vez. O parlamentar também foi acusado de portar arma durante o debate ocorrido no primeiro semestre na Comissão Especial da Reforma da Previdência. Depois que o debate recomeçou, o deputado Afonso Florence (PT-BA) disse que o relatório “é uma rapinagem” contra o setor do saneamento público no País, “ao proibir a atuação do poder público em benefício do setor privado, prejudicando o povo brasileiro”.

Os partidos de Oposição criticam o texto do relator principalmente por acabar com a titularidade dos municípios sobre os serviços de água e de saneamento. Também foram rechaçados a proposta de extinção dos contratos de programa (concessão de prestação de serviços públicos, com base em consórcio público ou convênio de cooperação) e o subsídio cruzado (preço mais baixo de tarifas para alguns setores ou consumidores financiados por meio de tarifas mais altas cobrados de outros consumidores ou setores da economia).

Segundo o deputado Bohn Gass (PT-RS), sem os contratos de programa os esforços pela universalização do acesso aos serviços de água e saneamento sofrerão um baque no País. Segundo ele, são justamente esses contratos que permitem ao poder público fazer parcerias com o setor privado, garantindo investimentos em áreas que não são rentáveis e sem perder o controle do sistema.

“Esse relatório é o da sede e da conta alta. As empresas pensam apenas no lucro, e no mundo onde houve privatizações do saneamento, o Estado está reestatizando por causa de casos de corrupção, de contas altas, e de destruição do meio ambiente. Quem vota a favor desse relatório defende os interesses dos empresários que desejam a privatização, e não a população”, disse Bohn Gass.

Perigos da privatização

Já o deputado João Daniel (PT-SE) lembrou as consequências que privatizações irresponsáveis ocorridas na história recente do País trouxeram para o povo brasileiro. “Comprei recentemente o livro A Privataria Tucana, do jornalista Amauri Júnior, que mostra como foram feitas as privatizações no governo FHC, como no caso da Vale do Rio Doce, um crime de lesa-pátria que trouxe como consequência as tragédias de Mariana e Brumadinho, com a destruição da natureza e de vidas, enquanto o lucro das empresas só aumentou”, observou.

O deputado Zé Neto (PT-BA) também destacou que a privatização total do sistema, incentivada pelo relatório do deputado Geninho Zuliani, só vai trazer benefícios para os empresários que adquirirem as empresas públicas de água e saneamento. “Vossas excelências (defensores da privatização) falam que tem preocupação com o povo, mas isso é uma mentira. Vocês tão mesmo preocupados com os empresários que vão explorar o sistema, que vai ficar muito mais caro para a população”, criticou.

Segundo Zé Neto, nenhum deputado da Oposição é contra a participação do setor privado no sistema de distribuição de água e do saneamento básico, “mas contra o controle total do setor sem a participação do Estado”. Para o deputado Carlos Veras (PT-PE), a saída do poder público desse setor deixará a população à mercê da ganância dos proprietários do sistema.

“Já estão tirando o pão da boca do povo, a aposentadoria, com a Reforma da Previdência, e agora querem tirar até a água? E se a privatização do setor cair nas mãos de empresas estrangeiras, serão elas que vão determinar quem vai ter acesso à água no Brasil e quanto vai ter que pagar? Onde fica a nossa soberania nessa história?”, argumentou.

Destaques do PT

Após a aprovação do relatório foram analisados ainda 11 destaques ao texto. Entre estes, dois da Bancada do PT. Um que mantinha a titularidade dos municípios no fornecimento de água e de saneamento, e outro que retirava do texto o impedimento de municípios que não privatizarem seus sistemas de contraírem empréstimos junto a instituições públicas. Ambos os destaques foram derrotados.

Apesar do resultado, Zé Neto lembrou que a batalha contra a privatização da água ainda não acabou. “Essa conversa não termina aqui. Na Bahia, as maiores mobilizações que já vi na vida foram em defesa do acesso à água e ao saneamento”, avisou.

O relatório da Comissão Especial agora está pronto para ser apreciado pelo plenário da Câmara.

 

Héber Carvalho

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

João Daniel se reúne com representantes do Sindijor e Sterts sobre a MP 905

O deputado João Daniel (PT-SE) se reuniu na tarde desta quinta-feira (5) com a Diretoria d…