Home Portal Notícias Como no Chile, Reforma da Previdência aumenta desigualdade para servir ao mercado

Como no Chile, Reforma da Previdência aumenta desigualdade para servir ao mercado

7 min read
0

Na véspera da votação, em segundo turno, da Proposta de Emenda Constitucional (PEC 6/2019) – Reforma da Previdência – no plenário do Senado, Paulo Paim (PT-RS) e Rogério Carvalho (PT-SE) alertaram para o potencial que a proposta do governo Bolsonaro tem de aumentar ainda mais a concentração de renda no País ao retirar recursos da mão dos trabalhadores dificultando o acesso dos brasileiros aos benefícios previdenciários.

O senador Paulo Paim destacou que esse modelo começou a ser adotado ainda na gestão Michel Temer, em 2016, com a discussão e aprovação da Reforma Trabalhista. Na avaliação do senador, a Reforma da Previdência é apenas a sequência de um projeto feito para atender as expectativas do mercado financeiro.

“Não há espaço nesse cenário para o desenvolvimento social. Pouquíssimos tem muito, com uma enorme concentração de renda e riqueza. Nos países em desenvolvimento onde essa política foi implantada só houve o aprofundamento da crise, colocando milhões de pessoas na mísera e total falta de esperança”, disse, em referência ao Consenso de Washington. Uma lista de dez políticas elaboradas por técnicos do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial que teve origem na década de 80.

O senador ainda citou a Argentina como grande exemplo da política neoliberal adotada a partir das políticas propostas pelo Consenso de Washington. Apenas em agosto deste ano, a inflação na Argentina subiu 4%, chegando a 30% no acumulado do ano de 2019. A inflação acumulada nos últimos 12 meses chegou a 54,5%, segundo o relatório do Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec).

“Lembro também da mobilização no Chile. Milhares de pessoas protestavam contra o regime de concentração de renda e, também, os reflexos da Reforma da Previdência adotada lá. Milhões de aposentados e pensionistas recebem cerca de metade do valor do salário mínimo”, apontou Paim.

Nos anos 80, o Chile promoveu a privatização do sistema previdenciário. A proposta de desestatização no Chile nasceu com a justificativa de que iria auxiliar no crescimento econômico. De acordo com Andras Uthoff, professor da Universidade do Chile, atualmente, cerca de 80% das aposentadorias pagas no Chile estão abaixo do salário mínimo e 44% estão abaixo da linha da pobreza.

O Ministério da Saúde do Chile, em parceria com o Instituto Nacional de Estatísticas (INE), publicou estudo mostrando que entre 2010 e 2015, 936 adultos maiores de 70 anos tiraram sua própria vida. No caso dos maiores de 80 anos, em média, 17,7 a cada 100 mil habitantes recorreram ao suicídio. Com isso, o Chile ocupa atualmente a primeira posição entre número de suicídios na América Latina.

“Vamos ver, lá na frente, que o que está se produzindo de desigualdade social, neste momento com a aprovação dessa Reforma da Previdência, vai estourar daqui alguns anos com uma maior ameaça a estabilidade, a democracia e a vida social pacífica do nosso País. Não há ameaça maior à sociedade, ao povo, do que o aumento da desigualdade”, alertou o senador Rogério Carvalho.

Rogério também chamou atenção para a ausência de regras de transição na proposta do governo Bolsonaro, apontando para o fato de milhões de brasileiros ficarem sujeitos às novas regras previdenciárias assim que o texto for promulgado.

“Se a reforma for aprovada amanhã (22) e promulgada dias depois, ela vai impactar imediatamente na vida dos trabalhadores. Estamos diante de uma cobrança dessa bolha do mercado financeiro que submete o povo brasileiro e o interesse público do País ao interesse de uma corporação que quer pegar a riqueza da Previdência”, criticou.

 

Por PT no Senado

Foto: Alessandro Dantas

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas questionam no Ministério Público transferência do acervo da Fundação Palmares para prédio com avarias

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara entraram com ações na Procuradoria-Geral da Repúb…