Home Portal Notícias Manchetes Defesa de Lula reitera: ex-presidente só deixa Curitiba inocentado

Defesa de Lula reitera: ex-presidente só deixa Curitiba inocentado

5 min read
1

O advogado Cristiano Zanin, da equipe de defesa de Lula, deixou claro quais serão as estratégias para seguir no enfrentamento à prisão política decretada a partir de uma farsa judicial amplamente disseminada.  Para tanto, nenhuma “barganha” – como definiu o próprio Lula – será aceita para tentar legitimar o processo arbitrário articulado pelo ex-juiz Sérgio Moro em conluio com procuradores do Ministério Público Federal.

O encontro entre Lula e Zanin coincide com o término do prazo para que a defesa se manifeste sobre o pedido do MPF-PR para que o ex-presidente tenha progressão de pena e passe a cumpri-la em regime semiaberto.  “Lula não quer exercer um direito relacionado a um processo ilegítimo”, explicou Zanin.

Para atender ao pedido do ex-presidente, a defesa enviará à Justiça uma petição para que seja indeferido o pedido de progressão do MP. “Lula reafirmou hoje que não aceita o pedido de progressão de pena. O que ele busca é o reconhecimento da sua inocência, a nulidade de todo o processo em razão do conluio entre o juiz e a acusação e como consequência o fato de que ele não teve o direito a um julgamento justo”, reitera.

A permanência de Lula na sede da Superintendência da Polícia Federal de Curitiba está garantida desde o início de setembro, quando o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) concedeu liminar para que o ex-presidente tivesse o direito de permanecer no local até que o julgamento final do habeas corpus que trata da suspeição do ex-juiz Sérgio Moro.

O que se busca é a declaração judicial do processo, o reconhecimento da inocência de todos os crimes a ele imputados e é desta forma que ele deseja e busca sair da prisão.

Nenhuma decisão pode ser tomada pela juíza de Curitiba porque no dia 7 de setembro o plenário do STF concedeu liminar para que Lula tivesse o direito de permanecer aqui na Superintendência até que o julgamento final do habeas corpus que trata da suspeição do ex-juiz Sérgio Moro, conforme explicou a defesa.

“Essa liminar, portanto, está em plena vigência. Não há possibilidade de haver alguma deliberação pela justiça de primeira instância a partir do momento em que nós obtivemos essa decisão liminar (…) O que nós esperamos é que seja acolhido o nosso pedido para que se anular o processo e restabelecer a liberdade plena. Desde 2016 nós denunciamos que era decorrente de uma trama entre o juiz e a acusação. Hoje não há mais qualquer dúvida sobre isso”.

Veja a íntegra da coletiva de Zanin:

O advogado Cristiano Zanin fala após visita a Lula

Posted by PT na Câmara on Friday, 18 October 2019

Por Agência PT de Notícias

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Embaixador denuncia e detalha na Câmara a violência do Golpe de Estado na Bolívia

O golpe praticado contra o presidente democrático e popular da Bolívia, Evo Morales, pelos…