Home Portal Notícias João Daniel propõe comissão externa da Câmara para acompanhar apuração do vazamento de óleo no Nordeste

João Daniel propõe comissão externa da Câmara para acompanhar apuração do vazamento de óleo no Nordeste

5 min read
0

O deputado João Daniel (PT-SE) apresentou requerimento na Câmara para que seja criada uma Comissão Externa destinada a apurar e acompanhar o vazamento de óleo de petróleo na costa do Nordeste. Esta Comissão, sem ônus para Casa, tem por fim identificar as causas do derramamento de óleo e propor medidas às autoridades constituídas com objetivo de minimizar os impactos negativos deste crime ambiental e seus efeitos na economia, no turismo e na qualidade de vida da população dos estados do Nordeste brasileiro.

O requerimento 2678/2019 foi apresentado nessa terça-feira (15). “Nosso objetivo é que essa Comissão possa atuar de maneira ágil, rápida, diante desse crime que ocorre no litoral do Nordeste, atingindo nossas praias e rios”, ressaltou o parlamentar.

Em discurso durante a sessão da Câmara, João Daniel destacou que os estados da região estão decretando Estado de Emergência, a exemplo de Sergipe e da Bahia. “As marisqueiras e os pescadores estão prejudicados e o governo federal nada fez, a não ser insinuar que poderia ser um crime cometido por alguém, talvez a Venezuela”, lamentou.

Segundo o deputado, o governo federal tem condições de dar as informações, mas está omisso. É muito grave! É um crime ambiental da mais alta proporcionalidade. Por isso nós queremos o apoio para encaminhar essa comissão”, afirmou.

Entre os parlamentares sugeridos por João Daniel para compor a Comissão estão Valmir Assunção (PT-BA), Nelson Pelegrino (PT-BA), Natália Bonavides (PT-RN), Paulão (PT-AL), Zé Carlos (PT-MA) e Rejane Dias (PT-PI), Túlio Gadelha (PDT-PE), André Figueiredo (PDT-CE) e Gervásio Maia (PSB-PB).

O crime

Desde o início do mês de setembro manchas de óleo vêm aparecendo em praias nordestinas e já atingiram 139 locais em 63 municípios. Notícias dão conta de que o governo, através do Ministério da Defesa, teria concluído que as manchas seriam piche e não petróleo. Portanto, teriam sido fruto de ação criminosa. O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, chegou a atribuiu o vazamento à Venezuela. Fato negado pelo governo de Nicolás Maduro, que classificou as declarações do ministro como ‘tendenciosas’.

Em nota oficial, o Ibama afirmou que uma investigação apontou que “o petróleo que está poluindo todas as praias é o mesmo. Contudo, a sua origem ainda não foi identificada”. De acordo com a Marinha do Brasil, “dentre as ações em curso, estão sendo identificados e notificados navios-tanque que trafegaram próximo às regiões atingidas com as manchas, em período que antecede o acidente, para fins de esclarecimentos sobre supostos vazamentos de óleo”.

Mas um estudo feito pela Universidade Federal de Sergipe (UFS) revelou que o óleo encontrado em barris da Shell descobertos nas praias sergipanas é o mesmo tipo de óleo das manchas de petróleo de origem desconhecida que atingiram as praias do Nordeste.

Para o biólogo e coordenador-geral do Projeto de cetáceos da Costa Branca, da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UFRN), “o principal motivo de preocupação neste momento é que, literalmente, todo o nordeste foi atingido”.

Assessoria de Comunicação

Foto – Marcos Rodrigues-Secom/Sergipe

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Câmara aprova R$ 1,9 bi para produção de vacina contra Covid-19; PT defende imunização geral da população

Com o voto favorável da Bancada do PT, a Câmara aprovou nesta quarta-feira (2) a medida pr…