Home Portal Notícias Reestruturação do governo aprovada pela Câmara penaliza população de baixa renda, denuncia Bancada do PT 

Reestruturação do governo aprovada pela Câmara penaliza população de baixa renda, denuncia Bancada do PT 

9 min read
0

Com o voto contrário da Bancada do PT, a Câmara aprovou nesta terça-feira (15) a medida provisória (MP 886/19) que reestrutura novamente a estrutura do Poder Executivo. Ao encaminhar o voto contrário do partido, o deputado Enio Verri (PT-PR) enfatizou que a medida é antidemocrática, na medida que ela é apenas uma reedição da MP 870/19. “O Congresso Nacional já se manifestou sobre esta medida, já vetou aquilo que achava que não era importante para o País. Debatemos isso de forma bastante longa, e o governo Bolsonaro, ao invés de acatar essa decisão, manda para cá novamente uma medida provisória com o mesmo texto. Isso, no mínimo, é um desrespeito ao Parlamento”, protestou.

Para a deputada Erika Kokay (PT-DF), que também encaminhou o voto contrário da Bancada do PT, a proposta de reforma administrativa do governo é uma proposta que penaliza sobremaneira o próprio Estado. “No governo Bolsonaro o Estado será mínimo para o povo brasileiro, para a população de baixa renda, para as mulheres, para os negros, para a população LGBTI. Mas o Estado será farto e obeso para atender ao rentismo, cujo representante é o ministro Paulo Guedes (Economia)”, criticou.

Direitos do trabalhador

Ao criticar o texto da MP 886, que precisa ser aprovada nesta quarta-feira (16) pelo Senado para não perder a validade, Enio Verri ressaltou que dá a impressão de que Jair Bolsonaro continua preocupado em prestigiar apenas o seu ministro Sérgio Moro (Justiça). Ele explicou que o Congresso debateu, por exemplo, durante a tramitação da MP 870, que a competência do registro sindical caberia ao Ministério do Trabalho e não ao Ministério da Justiça, como quer o governo. Como o Ministério do Trabalho incorporado ao Ministério da Economia, foi definido pelo conjunto da Casa que o registro sindical ficaria na Secretaria Especial do Trabalho. “Votamos isso, mas infelizmente o governo insistiu e com a MP 886 levou para o Ministério da Justiça uma pauta que esta Casa entendeu que é da Secretaria Especial do Trabalho”, protestou.

O deputado Enio Verri explicou ainda que o PT votou contra a MP 886 porque a imigração laboral historicamente sempre coube ao Ministério do Trabalho. “O governo, através da MP 870, tentou transferir para o Ministério da Justiça. A Casa, de novo, entendendo que era um equívoco, votou para que a imigração laboral ficasse no Ministério da Economia, em especial na Secretaria Especial do Trabalho. Mas, com a MP 886/19 Bolsonaro leva a imigração laboral para o Ministério da Justiça. Isso é totalmente descabido”. Para Verri, todas essas mudanças são para “enfraquecer os trabalhadores, enfraquecer a organização dos trabalhadores, enfraquecer aquele que produzem a riqueza deste País”.

População LGBTI

Durante o processo de votação da MP, Erika Kokay enfatizou que o PT se posicionava contrário a essa reforma não só porque ela retirou do Ministério dos Direitos Humanos as políticas para a população LGBTI. “Mas porque ela também tenta monitorar e criminalizar as ONGs e ao mesmo tempo desrespeita o Poder Judiciário e o Poder Legislativo ao reeditar a mesma política de jogar parte da política indigenista para o Ministério da Agricultura”, protestou.

Erika Kokay ainda criticou a reformulação das atribuições da Secretaria Especial do Programa de Parcerias de Investimentos (Seppi) e a sua transferência para a Casa Civil. “Com essa mudança, o processo na PPI, que reúne investimentos prioritários para o governo em conjunto com a iniciativa privada, ficará sem uma avaliação intersetorial. Isso é um verdadeiro absurdo, porque dá um superpoder à Casa Civil, que poderá decidir ao seu bel-prazer o que deve ou não entrar para o processo de privatização”, protestou.

Organizações não governamentais

A deputada Maria do Rosário (PT-RS) alertou que governo, nessa reforma, pretende criar um sistema não de monitoramento, mas de polícia sobre as organizações da sociedade civil. “O mesmo governo, que acabou com o Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, que acabou com o Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência, que acabou com o Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa Idosa, o mesmo governo, que age contra a população, quer criar agora um mecanismo de fiscalização, pela Secretaria Geral da Presidência da República, para fazer o monitoramento de ONGs. É isso? É esse o Estado policial?”, criticou.

E o deputado Joseildo Ramos (PT-BA) disse que o monitoramento das ONGs é um contrassenso que reflete a característica errática do governo. “Como se o olhar de um Estado garantidor de direito, permitisse ficar vasculhando, como no Estado policialesco, a vida das ONGs, as entranhas das ONGs como se não tivéssemos uma série de processos para colocarmos para frente”, criticou.

Vânia Rodrigues

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Pimenta desafia família Bolsonaro a apoiar quebra de sigilo bancário de Queiroz

O líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), desafiou hoje (11) toda a família Bolsonaro –…