Home Portal Notícias Gestores e trabalhadores repudiam projeto que abre caminho à privatização do saneamento no País

Gestores e trabalhadores repudiam projeto que abre caminho à privatização do saneamento no País

11 min read
0

Representantes de entidades ligadas a gestores e a trabalhadores do setor público de fornecimento de água e de saneamento básico no País criticaram nesta terça-feira (15) o substitutivo ao projeto de lei que trata do novo marco regulatório do setor (PL 3.261/19). Segundo eles, além de a proposta ser inconstitucional ao ferir a autonomia de Estados e municípios na gestão do sistema, também é prejudicial à população ao prever a privatização total dos serviços, com o consequente aumento da tarifa e ausência da universalização dos serviços.

O tema foi debatido no Seminário Marco do Saneamento Básico, realizado no auditório Nereu Ramos da Câmara. Os deputados Leonardo Monteiro (PT-MG) – presidente da Comissão de Legislação Participativa (CLP) –  e Joseildo Ramos (PT-BA), autores do requerimento do evento, e os deputados Bohn Gass (PT-RS) e Afonso Florence (PT-BA), se revezaram no comando da mesa de debates do seminário.

O presidente da Associação Brasileira das Empresas de Saneamento (AESBE), Marcos Vinicius Neves, disse que o relatório do deputado Geninho Zuliani (DEM/SP) ao projeto PL 3.261/19 praticamente inviabiliza o funcionamento das empresas públicas do setor.

“Entre os pontos mais críticos do texto está a extinção dos contratos de programa, fundamental para as empresas estaduais continuarem operando e, ao mesmo tempo, trazerem à iniciativa privada garantir a universalização”, ressaltou. Ele ainda criticou o relatório por obrigar as agências reguladoras locais a se submeterem à Agência Nacional de Águas, desconsiderando as diferentes realidades locais.

Segundo o representante da Federação Nacional dos Urbanitários (FNU) Edson Aparecido essas mudanças na atual legislação ferem a Lei Maior, que é a Constituição Federal. “Esse relatório consegue ser pior do que a MP 844 e 868 do governo Bolsonaro, rejeitados pelo Congresso Nacional, porque desestrutura o setor, fere o pacto federativo, e a autonomia dos municípios”, lembrou. As duas MP’s também instituíam um novo Marco Legal para o setor de saneamento.

O representante da FNU leu uma carta assinada por diversas entidades que condenam a tentativa de mudança no setor que retiram a autonomia dos Estados e municípios do controle das empresas de saneamento. De acordo com o documento, a atual legislação já prevê que o setor privado participe do setor por meio das Parceiras Públicos Privadas (PPP’s) e da compra parcial de ativos de empresas públicas.

Presentes ao evento, trabalhadores do setor – que lotaram o auditório – também se manifestaram por meio de palavras de ordem contra o projeto de lei. “É palhaçada, patifaria, até a água virou mercadoria”, gritaram.

Privatizações malsucedidas

Durante o seminário também não faltaram exemplos de cidades que privatizaram os serviços de água e esgoto e depois voltaram atrás. O presidente da Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (FISENGE), Clovis Nascimento Filho, lembrou o desastre que ocorreu com a privatização da empresa de Saneamento de Tocantins, a Saneatins. “Foi privatizada, e depois a empresa que a adquiriu devolveu anos depois ao estado os serviços dos municípios que não eram rentáveis. Eles só querem o lucro”, alertou, ao se referir às empresas privadas que desejam controlar o setor.

Sobre a importância do fornecimento de água e saneamento terem o poder púbico como principal controlador, o ex-prefeito de Franca (SP) Gilmar Dominici, representando a Associação Brasileira de Municípios (AMB), disse que somente assim conseguiu há 20 anos garantir 100% de acesso aos serviços na cidade. “Foi o subsídio cruzado que permitiu a universalização de acesso aos serviços de água e esgoto”, explicou.

O Seminário contou ainda com a participação de representantes da Frente Nacional de Prefeitos; Observatório Nacional dos Direitos à Água e ao Saneamento; da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental; da Federação Nacional dos Trabalhadores em Energia, Água e Meio Ambiente; da Frente Nacional pelo Saneamento Ambiental; da Confederação Nacional dos Municípios; e do Sindicato dos Urbanitários de Goiás. Todos se posicionaram contra o PL 3.261/19 e contra as privatizações do setor de saneamento.

Em contrapartida, representantes de entidades empresariais como a Confederação Nacional da Indústria, o Sindicato Nacional das Concessionárias Privadas de Serviços Públicos de Água e Esgoto, Associação Brasileira das Concessionárias Privadas de Serviços Públicos de Água e Esgoto e da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base, defenderam o projeto de lei e a privatização das empresas públicas do setor.

Repercussão política

Os deputados petistas que participaram do seminário também criticaram o substitutivo do deputado Geninho Zuliani. Após lembrar que a ONU reconheceu em 2010 o acesso à água e ao saneamento básico como direitos fundamentais, Leonardo Monteiro disse que “o Estado tem papel estratégico na oferta desses serviços ao povo brasileiro”. “Esse PL, que está pronto para a votação, tem a concepção equivocada ao tratar a água como mercadoria”, disse o petista.

Já o deputado Joseildo Ramos lembrou que a cidade de Manaus, que privatizou serviços de água e esgoto já está na quarta empresa privada que administra os serviços. “E hoje tem a quinta maior tarifa do País, e não existe mais a tarifa social”, lamentou.

O deputado Bohn Gass fez um apelo para que a sociedade se mobilize para barrar a aprovação do relatório do PL 3261/19, no próximo dia 30 de outubro. “Temos que lutar para manter o subsídio cruzado e impedir as privatizações. Várias cidades do mundo, como Paris, por exemplo, privatizaram e agora estão reestatizando”, observou.

Na mesma linha, o deputado Afonso Florence lembrou que é preciso unidade para derrotar a proposta. “Precisamos unidade de todo o setor para derrotarmos esse relatório, da mesma forma como derrotamos as MP’s 844 e 868”, finalizou.

Também participaram do seminário os deputados José Ricardo (PT-AM) e Erika Kokay (PT-DF).

 

Veja o seminário na íntegra:

Seminário Marco Legal do Saneamento Básico (PL 3261/19) – Comissão de Legislação Participativa

Posted by PT na Câmara on Tuesday, 15 October 2019

 

 

Héber Carvalho

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Nota da Bancada do PT em defesa dos trabalhadores e trabalhadoras da ECT

A Bancada do PT na Câmara manifesta de maneira irrestrita toda a solidariedade aos trabalh…