Home Portal Notícias Petistas criticam proposta de privatização dos serviços de água e saneamento no País

Petistas criticam proposta de privatização dos serviços de água e saneamento no País

9 min read
0

Parlamentares petistas envolvidos no debate do projeto de lei que trata do novo Marco Regulatório dos Serviço de Água e Saneamento (PL 3.621/19) afirmam que a proposta, da forma como está, beneficia apenas a iniciativa privada ao permitir a privatização de empresas públicas do setor. Segundo eles, se isso ocorrer a população vai arcar com o ônus de tarifas mais caras ou com a ausência na prestação dos serviços.

De acordo com os deputados Leonardo Monteiro (PT-MG) –  presidente da Comissão Legislação Participativa (CLP) – Joseildo Ramos (PT-BA), Afonso Florence (BA), Bohn Gass (PT-RS) e Zé Neto (PT-BA), esse será o tema central que deverá dominar o debate durante o Seminário Marco Legal do Saneamento Básico (PL 3.621/19), que ocorrerá nesta terça-feira (15) na Câmara, no auditório Nereu Ramos, a partir das 9h, com transmissão ao vivo pelo facebook PT na Câmara.  O evento, que é organizado pela CLP e pela Comissão Especial do PL 3.261/19, faz parte das atividades do Dia Nacional de Luta Contra a Privatização da Água e do Saneamento. O evento é uma iniciativa dos deputados Leonardo Monteiro, Joseildo Ramos e Glauber Braga (PSOL-RJ).

“O acesso à água limpa e ao saneamento básico são direitos humanos fundamentais. Passar para a iniciativa privada o saneamento básico é excluir os mais pobres de um direito que é de todos. Não podemos retroagir em questões que avançamos, principalmente no governo Lula. Portanto este seminário vai aprofundar um debate de como podemos conseguir a universalização do acesso a esses serviços. As empresas visam apenas o lucro e o Estado precisa se responsabilizar por dar uma distribuição de qualidade de água e saneamento básico para todas as camadas sociais”, disse Leonardo Monteiro.

Crítico do projeto, o deputado Afonso Florence destaca vários pontos do relatório considerados como inconstitucionais, a exemplo do tema da titularidade, da imposição de blocos sem respeitar a prerrogativa dos gestores para a sua constituição; da transformação de contrato de programa em contrato de concessão; da imposição de fazer parceria público-privada e, em especial da extinção dos contratos de programa.

“O PL 3261/19 é pior do que as medidas provisórias 844 e 868. É o propósito de depreciar os ativos das empresas públicas de saneamento porque, sem contrato de programa, as empresas vão ter preço vil de mercado. Eles vão promover o monopólio privado nos sistemas superavitários, o sucateamento das empresas estaduais e o consequente aumento de tarifas. Um crime contra o povo brasileiro!”, ressaltou Florence.

O deputado Joseildo Ramos considera que o saneamento é um setor “extremamente cobiçado” pelo sistema financeiro e isso coloca em risco o interesse público e os direitos da população. “É um mercado de R$ 450, R$ 500 bilhões, o que não é pouca coisa, e o que se aponta é a exclusão de dezenas de milhões de brasileiros que não terão acesso qualificado à água”, alerta o parlamentar.

Segundo o deputado Bohn Gass, não faltam exemplos pelo mundo de fracasso nas privatizações de empresas públicas prestadoras de serviços de água e esgoto. “Várias cidades do mundo privatizaram os serviços de água e esgoto. Em nenhuma delas deu certo. As empresas privadas não melhoraram o serviço, não universalizaram a oferta e as tarifas ficaram mais caras. Falo de cidades como Paris, Berlim, Budapeste, La Paz e Buenos Aires, por exemplo”, disse.

Em entrevista ao Programa Painel Eletrônico, da Rádio Câmara, o deputado Zé Neto destacou que a possiblidade de privatização dos serviços deve ser revista com o objetivo de garantir a oferta e a ampliação dos serviços de água tratada e de saneamento básico para todos.

“Precisamos modernizar o marco regulatório do setor e tirar os entraves que dificultam o acesso a recursos privados para o setor? Isso eu concordo. O que eu não concordo é que se tenha a priorização dos interesses privados em detrimento dos interesses públicos, tirando o controle do saneamento básico das mãos do Estado brasileiro”, afirmou o petista.

E para comprovar o prejuízo que a população teria com a ausência do Estado no fornecimento dos serviços, o deputado Zé Neto citou o exemplo da Bahia. Segundo ele, dos 368 municípios do Estado “apenas 20 dão lucro”.

“Hoje, a EMBASA (Empresa Baiana de Águas e Saneamento S.A) pode utilizar recursos próprios, o Fundo de Combate à Pobreza (Federal), facilidades do ponto de vista fiscal, isenções e até convênios com municípios e com o governo federal, além de acesso a emendas parlamentares federais, para conseguir levar a água e saneamento aos municípios deficitários. Se for privatizada, a empresa não terá acesso a esses recursos. Com isso as tarifas vão aumentar drasticamente, e nos municípios que não derem lucro não haverá investimento”, explicou Zé Neto.

A proposta do novo Marco Legal (PL 3.261/19) já foi aprovado pelo Senado, e agora está sendo analisado em uma Comissão Especial na Câmara.

 

Héber Carvalho

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Bancada do PT apresenta projeto de lei para ampliar alcance do Bolsa Família

Diante do agravamento da crise social no Brasil, com aumento do desemprego e da pobreza ge…