Home Portal Notícias TCU acata ação da Oposição e suspende campanha publicitária milionária do pacote “anticrime” de Moro

TCU acata ação da Oposição e suspende campanha publicitária milionária do pacote “anticrime” de Moro

6 min read
0

O ministro Vital do Rêgo, do Tribunal de Contas da União (TCU), determinou nesta terça-feira (8) a suspensão da publicidade oficial do chamado “pacote anticrime” patrocinado pelo ministro Sérgio Moro (Justiça). O ministro do TCU acatou representação protocolada semana passada pelos deputados federais Paulo Teixeira (PT-SP), Orlando Silva (PCdoB-SP) e Marcelo Freixo (PSOL-RJ) na qual pediam a suspensão da campanha milionária custeada pelo contribuinte em defesa do projeto de Moro.

Vital do Rêgo concedeu uma liminar sob o argumento de que a divulgação oficial de uma proposição ainda em discussão no Congresso não se enquadra nos objetivos de “informar, educar, orientar, mobilizar, prevenir ou alertar a população para a adoção de comportamentos que gerem benefícios individuais e/ou coletivos”. A decisão provisória será analisada ainda pelo plenário do TCU.

Ilegalidade de Moro

“Na situação concreta, ao menos em juízo de estrita delibação, entendo que a utilização de recursos públicos para a divulgação de ‘um projeto de lei’ que, em tese, poderá, de forma democrática, sofrer alterações sensíveis após as discussões que serão levadas a efeito pela Câmara dos Deputados e pelo Senado Federal não atende aos requisitos de caráter educativo, informativo e de orientação social”, argumenta o ministro do TCU em sua decisão.

“Isso porque, como qualquer projeto de lei, o que se tem são teses abstratas que serão alteradas pelos legitimados a representar a população. Assim, não se poderia falar que tal campanha tem por objeto educar, informar ou orientar já que ainda não há uma regra decidida e aprovada pelo Poder Legislativo que reúna condições para tanto”, conclui o ministro do TCU.

Desperdício de recursos públicos

Para Paulo Teixeira e Orlando Silva, além de ser ilegal, a campanha é um desperdício de recursos públicos em plena época de crise econômica no País. O lançamento da campanha publicitária do “pacote anticrime” ocorreu no dia 3 passado, mesmo dia em que os parlamentares protocolaram a ação no TCU.

Segundo Paulo Teixeira, a proposta de Moro é repleta de imprecisões e inconstitucionalidades e mesmo assim o ex-juiz quis “rasgar dinheiro público na campanha”, num momento em que “as universidades não estão conseguindo pagar água, luz, o restaurante universitário e retirando as bolsas de estudantes”.

O custo da campanha é de R$ 10 milhões e a ideia era que fosse veiculada até dia 31 de outubro. O objetivo era convencer a população a apoiar a proposta de Moro.

Mas, conforme lembraram os oposicionistas da petição ao TCU, não é permitido ao Poder Executivo patrocinar uma campanha publicitária com recursos públicos que trata de projeto de lei que ainda se encontra em discussão no Congresso.

“Diante do exposto, e considerando juízo de estrita delibação, acolho, no essencial, o requerimento formulado pelo representante e determino: à secretaria especial de Comunicação Social da Presidência da República, que suspenda a execução dos contratos firmados com vistas à divulgação do denominado ‘pacote anticrime’, até que o Tribunal [de Contas] se posicione sobre o mérito desta representação”, decidiu o ministro. Na mesma decisão, Vital do Rêgo também deu 15 dias para que o secretário especial de Comunicação da Presidência, Fábio Wajngarten, preste esclarecimentos sobre a campanha publicitária.  ​

Leia mais:

Oposição aciona TCU para suspender campanha publicitária milionária favorável ao “pacote anticrime”

PT na Câmara com agências

 

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

TCU determina que Ministério da Saúde apresente plano estratégico de combate à pandemia

O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou nessa quarta-feira (21), que o Ministério d…