Home Portal Notícias Manchetes PT vai entrar com notícia-crime contra procuradores da Lava Jato, anuncia Pimenta  

PT vai entrar com notícia-crime contra procuradores da Lava Jato, anuncia Pimenta  

8 min read
0

O líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), anunciou hoje (27) que a bancada do partido tomará na próxima semana uma série de novas ações judiciais – entre elas uma notícia-crime (o conhecimento de autoria de um fato criminoso) no Supremo Tribunal Federal – contra procuradores da Operação Lava Jato. A decisão decorre de nova reportagem da série Vaza Jato, publicada pelo portal UOL a partir de documentos recebidos anonimamente pelo The Intercept Brasil.

A reportagem desta sexta-feira mostra que, entre 2015 e 2017, a força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba, comandada pelo procurador Deltan Dallagnol, utilizou sistematicamente contatos informais – e ilegais – com autoridades da Suíça e de Mônaco para obter provas ilícitas com o objetivo de prender alvos considerados prioritários – executivos de empreiteiras que cumpriam prisão preventiva, muitos deles vieram a se tornar delatores.

Organização criminosa de Curitiba

Segundo Pimenta, além da Suíça, os procuradores, com o amparo do então juiz Sérgio Moro, atuaram de maneira ilegal também com integrantes do Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

Um dos objetivos das ações judiciais a serem protocoladas na próxima semana, explicou o líder, é impedir que Dallagnol e outros procuradores apaguem de seus computadores provas dos crimes cometidos, como e-mails e mensagens trocadas com seus colegas da Suíça e dos EUA. “São medidas cautelares para impedir que essa organização criminosa que atua em Curitiba destrua provas e manipule testemunhas, e Dallagnol precisa ser afastado do cargo”, destacou o líder do PT.

Janot armado no STF

“Se o então chefe deles, o procurador-geral Rodrigo Janot, anunciou que entrou no STF armado com a intenção de matar o ministro Gilmar Mendes, por conta de investigações de sua filha por denúncia de envolvimento com o Departamento de Justiça dos EUA e empresas beneficiadas pela Lava Jato, como Dallagnol e outros procuradores estariam preocupados em proteger a vida de alguém?”, indagou Pimenta.

A reportagem do UOL/The Intercept, na opinião de Pimenta confirma que Moro e os procuradores da Lava Jato atuaram no Brasil como “representantes de interesses dos EUA e de petroleiras estrangeiras de olho nas imensas jazidas de petróleo do pré-sal, além de ter um projeto político que levou à eleição de Jair Bolsonaro e à nomeação do ex-juiz ao cargo de ministro da Justiça.

Além disso, os integrantes da Lava Jato tinham um projeto de enriquecimento pessoal, com um fundo de R$ 2,5 bilhões que seria gerido por eles, resultado de acordo feito com os EUA depois de prejudicarem a Petrobras. O Fundo, com recursos originados dos cofres da Petrobras, foi suspenso pelo STF.

Traição nacional

As denúncias da Vaza Jato têm confirmado todas as denúncias feitas por Paulo Pimenta e a Bancada do PT há tempos: os procuradores da Lava Jato atuaram fora do Brasil contra os interesses da Petrobras, em especial nos EUA e em  parceria com escritórios de advocacia. “Enfim, tiveram o papel de traidores da pátria, fazendo com que o MPF fosse uma espécie de assistente da acusação contra a Petrobras nos EUA”, disse o líder do PT. “Por isso têm que responder pele crime de traição à pátria”.

A ação da Lava Jato foi tão criminosa que os procuradores de Curitiba começaram a investigar o ex-presidente Lula e sua família antes mesmo de haver qualquer denúncia contra ele. “Isso é crime, um verdadeiro Estado policial apropriado por um projeto de poder”, comentou Pimenta. Os procuradores chegaram a pedir aos EUA a investigação de Lula, sem mesmo haver qualquer acusação contra ele.

Conforme a matéria do UOL/The Intercept, mesmo alertados sobre a violação das regras, os procuradores da força-tarefa tiveram acesso a provas ilegais sobre vários dos mais importantes delatores da operação —como os então diretores da Petrobras Paulo Roberto Costa e Renato Duque, o então presidente da Transpetro, Sérgio Machado, além de executivos da Odebrecht, entre eles o ex-presidente da empresa Marcelo Odebrecht.  Informações obtidas por fora do canal oficial estabelecido em acordos de cooperação internacional de investigação constituem provas ilegais, podendo levar à anulação de processos.

Assista ao vídeo com declaração de Paulo Pimenta sobre Lava Jato, Janot, Gilmar Mendes e as últimas revelações da Vaza Jato:

 

 

Saiba mais:

Lava Jato usou provas ilícitas para pressionar futuros delatores

Paulo Pimenta denuncia no Parlamento Europeu participação secreta e ilegal dos EUA na Lava Jato

Pimenta articula com Parlamento Europeu envio de missão para apurar retrocessos no Brasil

 PT na Câmara

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Toda atuação de Moro contra Lula deve ser anulada, diz jurista

Integrante da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD), a advogada Martír …