Home Portal Notícias Gleisi Hoffmann critica governo Bolsonaro pelo aprofundamento da crise econômica no País

Gleisi Hoffmann critica governo Bolsonaro pelo aprofundamento da crise econômica no País

10 min read
0

A presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), usou a tribuna da Câmara nesta quinta-feira (19) para criticar a política econômica do governo de ultradireita Bolsonaro. “A economia brasileira está em crise, e uma crise que vem se aprofundando a cada dia. E o pior de tudo isso é que o governo não tem uma proposta sequer para melhorar a economia. O povo está sofrendo muito e, nós, aqui nesta Casa, temos a responsabilidade de tentar dar resposta. E, espero que a primeira resposta seja rejeitar um orçamento que corte, principalmente recursos na área social”, defendeu.

Gleisi Hoffmann lembrou que o próprio Bolsonaro já admitiu que não entende nada de economia e, por isso, terceirizou a política econômica para o ministro Paulo Guedes, que é um ex-banqueiro, foi diretor do BTG Pactual e trabalhou no mercado de capitais. “A cabeça do Paulo Guedes não é a cabeça do povo, aliás, os pés desse ministro não pisam onde o povo pisa. Por isso, a sua economia é o mercado de capitais, é fazer as empresas e os bancos terem mais lucros”, criticou.

Na avaliação da parlamentar, Guedes não vê problema em vender o patrimônio público, como se o Estado não fosse competente para geri-lo, o próprio Estado que construiu esse patrimônio, com o esforço do povo brasileiro. “A política econômica desse governo é fazer reformas, tirar direito das pessoas, como tirou com as mudanças na Previdência, e, agora, quer congelar o salário mínimo, porque ele (Guedes) acha que dar o reajuste pela inflação do salário mínimo vai custar caro ao Brasil”, lamentou.

Desemprego

Indignada, a presidenta do PT disse que o que nós estamos vendo no Brasil é um sofrimento atroz do nosso povo. “Esse pessoal que está hoje direcionando a economia ajudou a tirar a presidenta Dilma Rousseff no impeachment, no golpe, e nós dizíamos que isso não ia dar certo”. Ela destacou ainda que no último ano de governo efetivo da Dilma, em 2014 — porque em 2015 não a deixaram governar —, o País tinha um índice de desemprego de menos de 5%. “As pessoas tinham renda; iam ao supermercado e conseguiam sair com o carrinho cheio. As pessoas tinham crédito e conseguiam viver melhor”, observou.

Hoje, quatro anos depois do golpe, segundo Gleisi, essa gente que disse que iria melhorar o Brasil e a vida do povo, está legando ao nosso País um desemprego de quase 12%. “São quase 12 milhões de pessoas desempregadas. E quem está trabalhando está por conta própria, ou terceirizado, ganhando menos”, lamentou. Ela citou dados do Ipea que mostrou que a renda do povo brasileiro caiu. “E caiu a dos mais pobres em 1,4%, enquanto a renda dos mais ricos subiu 1,5%. Este é um governo concentrador de renda. Isso é um desatino, quando nós precisávamos melhorar a vida do povo”, enfatizou.

Endividamento

Além do desemprego, Gleisi Hoffmann disse que as pessoas estão endividadas, citando que 62% dos brasileiros, hoje, têm dívida, seja no supermercado, seja no banco, ou porque não conseguem pagar a conta de água ou de luz, ou porque estão devendo o aluguel ou a prestação do carro ou da casa. “Não existe nenhum programa oficial para renegociar a dívida do povo, mas existe uma proposta para renegociar a dívida bilionária dos ruralistas”, criticou.

A presidenta do PT enfatizou que o sistema financeiro, os bancos, foram os que mais lucraram: 22% no primeiro trimestre deste ano em relação ao ano passado. Foram R$ 20 bilhões de lucro. Por que uma parte desse lucro do Banco do Brasil e da Caixa, que são empresas do governo, não pode ser disponibilizada para um grande projeto de renegociação da dívida das pessoas? Para fazer um alongamento da dívida, ou com redução das taxas e dos juros? Isso daria condições para as pessoas pagarem as suas dívidas e continuarem a ter crédito, e continuarem a consumir. Quem não tem renda não consome; um País que não tem consumo não tem produção, o dinheiro não circula e a economia estagna. Quem faz a economia ir para frente é a maioria que é mais pobre do povo brasileiro”, ensinou.

Ensinamento do Lula

Gleisi Hoffmann lembrou ainda do ensinamento do ex-presidente Lula. “Ele sempre disse e demonstrou na prática que se der R$ 20 a um pobre, esse dinheiro vai gerar renda para mais gente porque vai circular na economia. O pobre vai ao supermercado, vai à venda, vai à loja. Ele tem que gastar para sobreviver. Em contrapartida, se de R$ 100 mil na mão de um rico, ele vai colocar no mercado financeiro para render juros. O dinheiro não vai circular”.

A parlamentar defendeu a inversão política econômica do governo Bolsonaro. “É preciso pôr dinheiro na mão do povo, mas o governo quer é cortar recurso do orçamento para diminuir o déficit. Não se vai diminuir o déficit se não se aumentar a receita; e não se vai aumentar a receita, se o povo não tiver dinheiro”, afirmou. Gleisi concluiu defendendo a elevação do salário mínimo, ao invés de cortar o reajuste destacou que o PT apresentou um plano emergencial de geração de emprego e renda. “Dissemos de onde têm que sair os recursos e quantos empregos gerariam: cerca de 7 milhões”, afirmou.

Vânia Rodrigues

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

José Guimarães apresenta projeto para barrar exclusão de 17 ocupações do MEI

Proposta susta efeitos de resolução que retira direitos de profissionais ligados, entre ou…