Home Portal Notícias Manchetes Humberto pede punição internacional a Bolsonaro por crise na Amazônia

Humberto pede punição internacional a Bolsonaro por crise na Amazônia

6 min read
0

Integrante da Representação Brasileira no Parlamento do Mercosul (Parlasul), o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), denunciou, nesta segunda-feira (26), os crimes cometidos por Jair Bolsonaro em relação ao meio ambiente, que possibilitaram um aumento expressivo de queimadas na Amazônia, e cobrou uma dura medida por parte do bloco contra o presidente brasileiro.

Para Humberto, Bolsonaro cometeu crime de responsabilidade ao afrouxar as regras de crimes ambientais, desacreditar órgãos competentes, demitir cientistas renomados e apontar ONGs ligadas à preservação da floresta e ambientalistas como culpados pelas queimadas.

“O grande responsável pela maior crise ambiental da história do Brasil se chama Jair Bolsonaro, por suas ações, ideias e visão sobre o tema. Já na campanha eleitoral, ele dizia que as riquezas naturais da Amazônia deveriam ser exploradas, que não demarcaria mais nem um centímetro de terras indígenas e que os índios precisavam trabalhar”, afirmou.

No discurso aos colegas parlamentares, na sede do Parlasul, em Montevidéu, no Uruguai, o senador lembrou que a presença dos povos originários nas terras demarcadas é justamente a maior garantia contra o processo de devastação da floresta.

“É indissociável lutar pela Amazônia e denunciar esse governo criptofascista do Brasil. Um governo que odeia a natureza, os índios e condena as políticas de direitos humanos. O Parlasul não pode se omitir a tudo isso”, disse.

O parlamentar ressaltou que o governo Bolsonaro também foi omisso ao não tomar qualquer atitude em relação ao plano de fazendeiros de queimar a Amazônia. Chamada de “dia do fogo”, a ação foi previamente avisada pelo Ministério Público à gestão do capitão reformado, que nada fez.

“Essa é a triste realidade do Brasil hoje. Essa tragédia não acontece por causas naturais, mas sim por ação do homem. E quem incendeia a mata, a partir dos estímulos de Bolsonaro? São maus produtores rurais, em nome do lucro e do dinheiro, que desconhecem o benefício da preservação das riquezas da floresta; são garimpeiros, que exploram ilegalmente riqueza minerais; e grileiros, que adquirem terras que não os pertencem com base na violência”, resumiu.

Humberto ainda questionou a reação tardia do Estado brasileiro, que, segundo ele, só admitiu que a situação era grave depois que a Nasa demonstrou a progressão do processo de desmatamento por imagens de satélite, assim como o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) já havia alertado.

De acordo com o líder do PT no Senado, o argumento usado pelo governo de que o Brasil é soberano, para escapar de críticas externas, é pura falácia.

“A mata é nossa e nós podemos deixar queimá-la? Mas a Petrobras e pré-sal também são nossos. Como eles são oferecidos a todo mundo a preço de banana? Cadê a soberania nacional nessa hora? A gente quer ter soberania sobre a Amazônia não para destruí-la, mas para preservá-la”, explica.

Os deputados petistas Odair Cunha (MG), Paulão (AL) e Zeca Dirceu (PR), também participaram da reunião do Parlasul e da manifestação em defesa da Amazônia.

Por PT no Senado

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Zé Neto apresenta projeto que garante computador para estudantes pobres de escolas públicas durante a pandemia

O deputado Zé Neto (PT-BA) apresentou um projeto de lei na Câmara (PL 3.699/20), com a coa…