Home Portal Notícias É inadmissível que um País da dimensão do Brasil negue sua política ambiental, protesta Nilto Tatto

É inadmissível que um País da dimensão do Brasil negue sua política ambiental, protesta Nilto Tatto

6 min read
0

Em nota divulgada nesta sexta-feira (23), o secretário Nacional de Meio Ambiente e Desenvolvimento do PT, deputado Nilto Tatto (SP) afirma que não é admissível que um País da dimensão do Brasil negue a política ambiental, uma política de Estado, construída ao longo de quase quatro décadas. “Seguiremos denunciando, seguiremos propondo alternativas e seguiremos em pé ao lado dos povos indígenas, quilombolas e de todos aqueles que há séculos preservam o bioma enquanto parte da civilização o destrói”, anunciou.

Leia a íntegra da nota:

Nota da SMAD sobre a crise ambiental brasileira

Não é admissível que um País da dimensão do Brasil negue a política ambiental, uma política de Estado, construída ao longo de quase quatro décadas, sendo fortalecida por todos os governos (de direita e de esquerda), seja desmontado, negado, desconstruído. Para além do desastre político promovido pelo governo Bolsonaro, a catástrofe ambiental é sem precedentes.

Levianamente, como se não bastasse o incentivo às queimadas e a violência contra os povos indígenas, a recusa à demarcação de terras e retirada de direitos conquistados com muito sangue dos povos originários, o presidente Bolsonaro teve a ousadia de acusar indígenas e ONGs de promover queimadas de florestas. É criminosa tal acusação.

Nos últimos 20 anos o desmatamento das florestas, em especial da Amazônia, diminuiu drasticamente. Em 2014, o Brasil foi anunciado pela ONU como país modelo para políticas contra o desmatamento. Documento produzido por cientistas mundialmente respeitados apontavam com otimismo a bruta queda nas taxas de desmatamento entre 2004 e 2009 especialmente.

O sucesso disso foi uma série de políticas, como demarcação de territórios indígenas e de outros povos tradicionais, Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal e atuação forte do Ministério Público. O documento também apontava como determinante o controle da produção de soja e bovinos.

Além de leviano, o governo Bolsonaro é mentiroso: uma circular enviada aos diplomatas brasileiros no exterior orientou a defesa das políticas ambientais brasileiras com dados que apontam para redução de 72% do desmatamento. O que eles omitem, entretanto, é que isso não inclui o governo golpista de Temer, tampouco o de Bolsonaro.

Os dados são de 2004 a 2012, ou seja: dos dois governos de Lula e do primeiro governo Dilma. Entre 2017 e 2018, entretanto, aumentou em 15% o desmatamento da Amazônia se comparado ao ano anterior. De acordo com o DETER do INPE (sistema este que o governo Bolsonaro não reconhece como eficiente, já que prova sua incompetência e de seu Ministro Ricardo Salles), aumentou em 278% as queimadas no último mês.

O agravamento dos incêndios tem relação direta com o agronegócio predatório, altamente incentivado por um governo que, enquanto o mundo todo reduz a quantidade de agrotóxicos permitida, libera mais de 260 em menos de um ano, alguns deles apontados como causadores de doenças graves como câncer, má formação fetal e doenças neurológicas.

Por fim, afirmamos que seguiremos denunciando, seguiremos propondo alternativas e seguiremos em pé ao lado dos povos indígenas, quilombolas e de todos aqueles que há séculos preservam o bioma enquanto parte da civilização o destrói.

Hoje estaremos em todos os atos pelo Brasil. Na semana da greve climática, entre 20 e 27 de setembro, também. E sempre que a sociedade nos convocar, resistiremos ao lado do povo.

 

Nilto Tatto (PT-SP) é deputado e secretário Nacional de Meio Ambiente e Desenvolvimento do partido

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Procuradores da Lava Jato tramaram derrubada de ministro do STF

Em novas revelações da Vaza Jato trazidas pelo colunista Reinaldo Azevedo, da rádio BandNe…