Home Portal Notícias Em defesa da Amazônia, Bancada do PT articula frente com oposição e organizações ambientalistas

Em defesa da Amazônia, Bancada do PT articula frente com oposição e organizações ambientalistas

9 min read
0

Diante do vertiginoso aumento do desmatamento e do número de queimadas na Amazônia com o governo de extrema direita Jair Bolsonaro, a Bancada do PT na Câmara vai articular com outros partidos de oposição e organizações ambientalistas e da sociedade civil a composição de uma ampla frente em defesa da maior floresta tropical do planeta. A decisão foi tomada no começo da noite de hoje (21), em reunião da coordenação da Bancada.

O deputado Airton Faleiro (PT-PA) informou que já nesta quinta-feira (22) haverá reunião com partidos da oposição para que na próxima semana ocorra um encontro com todos os setores para a formação da frente. “É preciso haver uma reação coletiva, de toda a sociedade brasileira, contra o governo Bolsonaro e sua política de destruição da floresta amazônica e de ataques às comunidades indígenas, quilombolas, extrativistas e ribeirinhos”, disse.

Criminosos ambientais

Segundo José Ricardo (PT-AM), Bolsonaro desmantelou toda a estrutura do Ibama e de outros órgãos de fiscalização que atuavam na Amazônia para conter a ação de grileiros, desmatadores, fazendeiros à margem da lei, madeireiros e outros criminosos socioambientais. “Virou um território sem lei”, denunciou.

O deputado Beto Faro (PT-PA) também criticou o desmonte do sistema de fiscalização, o que, junto com as declarações de Bolsonaro a favor do desrespeito às leis ambientais, tem estimulado ações criminosas contra a floresta, a biodiversidade e as populações tradicionais da região amazônica. “É preciso uma mobilização ampla da sociedade, em especial da região amazônica, para conter a destruição”, recomendou o deputado paraense.

Desvario de Bolsonaro

Também integrante da bancada da região amazônica, a deputada Professora Rosa Neide (PT-MT) observou que até empresários esclarecidos do agronegócio estão preocupados com o desvario ambiental de Bolsonaro. Segundo ela, os empresários temem o boicote a produtos brasileiros em mercados como os da Europa por causa do ataque à floresta amazônica. A deputada denunciou que em Mato Grosso, áreas onde vivem 43 etnias indígenas têm sido incendiadas criminosamente por fazendeiros e seus capangas.

Na opinião de Célio Moura (PT-TO), é urgente a necessidade de uma reação do povo brasileiro contra os ataques de Bolsonaro ao meio ambiente, em especial à floresta amazônica. “Com o sinal verde de Bolsonaro, os depredadores estão usando tratores, motosserra e todos os tipos de equipamentos para destruir as matas, é um crime contra todos os brasileiros e a humanidade”, afirmou. Ele também defende a realização de um grande ato de protesto na Amazônia contra os criminosos ambientais e o capitão –presidente.

Interesse nacional

Outros parlamentares de diferentes regiões do Brasil alertaram que a preservação da floresta amazônica é de importância estratégica para todo o território nacional, dado o papel das florestas para o equilíbrio meteorológico e o regime de chuvas no País. O deputado Marcon (PT-RS) observou que “preservar a Amazônia é de interesse nacional”, tanto para garantir a água para a população e a agricultura e pecuária como também para as exportações do agronegócio.

O coordenador da Frente Parlamentar Ambientalista, Nilto Tatto (PT-SP), destacou que os incêndios e a escalada do desmatamento na Amazônia, além de dizimar milhões de árvores, milhares de animais silvestres e a biodiversidade de valor inestimável, representam também um ataque frontal a toda a população que vive na região, dos indígenas aos ribeirinhos extrativistas e quilombolas.

Segundo Tatto, a região só será preservada com a reação do povo brasileiro e da opinião pública mundial, daí a importância da Frente que está sendo articulada pelo PT com outros partidos de oposição e entidades ambientalistas.

Em 7 meses e 10 dias de governo Bolsonaro, a Amazônia perdeu 533 mil km2 de florestas, o equivalente a três vezes a área do município de São Paulo. Isso equivale a 533 mil campos de futebol. São pelo menos 500 milhões de árvores destruídas para sempre, sem falar na morte de centenas de milhares de várias espécies de animais.

Em julho, o desmatamento na Amazônia registrou um aumento de 278% em relação ao mesmo mês do ano passado, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Diante dos fatos, Bolsonaro desrespeitou o Instituto – reconhecido mundialmente pela qualidade das pesquisas – e demitiu o então diretor Ricardo Galvão.

O número de queimadas no Brasil é o recorde para os oito primeiros meses do ano desde 2013. Até dia 19 de agosto, o país registrava 72.842 focos de calor, um aumento de 83% em relação ao ano passado. Considerando apenas o bioma Amazônia, eram 38.227 mil focos de calor até o dia 19 – um aumento de 140% em relação ao ano passado e de 70% em relação à média dos três anos anteriores. Dois Estados criticamente atingidos, Rondônia e Acre, registram emergência de saúde devido à poluição do ar. A pluma de fumaça atingiu a cidade de São Paulo e várias outras no Centro-Sul do país.

PT na Câmara, com agências

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Procuradores da Lava Jato tramaram derrubada de ministro do STF

Em novas revelações da Vaza Jato trazidas pelo colunista Reinaldo Azevedo, da rádio BandNe…