Home Portal Notícias Petistas reafirmam em plenário que prisão de Lula é ilegal e arbitrária

Petistas reafirmam em plenário que prisão de Lula é ilegal e arbitrária

10 min read
0

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara se revezaram na tribuna da Câmara, nesta terça-feira (20), para denunciar os 500 dias da injusta prisão política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Esses 500 dias de injustiça e de indignação são também 500 dias de muita luta, de vigília. Estamos nas ruas, nas praças, na tribuna, em todos os lugares, para defender aquilo que nós acreditamos, para defender o maior líder que nós temos”, afirmou a deputada Benedita da Silva (PT-RJ).

A deputada leu e deixou registrado nos anais da Câmara a carta dos militantes da Vigília Lula Livre, que há 500 dias estão na resistência em frente à sede da Polícia Federal em Curitiba, no Paraná, onde Lula está desde o dia 7 de abril de 2018.

“Querido presidente Lula, em 500 dias, sabemos o que é o exercício de repressão contra os movimentos populares e contra a esquerda, sabemos o que são as madrugadas frias em Curitiba, na praça Olga Benário, em acampamento ou nas casas improvisadas da região, sabemos o que significou o avanço da direita, do golpismo e das forças antinacionais e antipopulares que enfrentamos, diariamente, na vigília Lula Livre”, diz trecho da carta, na qual os militantes reafirmam que estão dispostos a continuar na resistência quanto tempo mais for necessário.

O deputado Marcon (PT-RS) frisou que faz 500 dias que o ex-juiz Sérgio Moro e o coordenador da Lava Jato, procurador Deltan Dallagnol, fizeram uma “tramoia”, uma “picaretagem” dentro do Ministério Público Federal, em Curitiba, “capital dessa direita fascista”, e o Lula está preso inocentemente. “O Lula não tem sítio e não tem aluguel de apartamento em lugar nenhum. Por isso queremos a sua liberdade”.

Marcon também parabenizou a militância do acampamento Lula Livre, em Curitiba, que está na resistência e faz vigília todos os dias, recebendo gente do Brasil inteiro, da América Latina, do mundo, que vão ao Paraná reforçar a luta e se solidarizar com o ex-presidente Lula.

Injustiça comprovada

O deputado Valmir Assunção (PT-BA), ao manifestar a sua indignação com os 500 dias de prisão política de Lula, enfatizou que a injustiça contra o ex-presidente está comprovada para toda a sociedade, por meio das mensagens divulgadas pelo site The Intercept Brasil e parceiros. “Os diálogos que foram divulgados mostraram que houve um conluio entre o Ministério Público, o procurador Deltan Dallagnol e o ex-juiz Sérgio Moro, rompendo o devido processo legal, para poder prender o presidente Lula. Essa é a grande verdade! Agora, passados esses 500 dias, resta-nos pedir ao Supremo Tribunal Federal que faça justiça e anule esse processo”, afirmou.

Na mesma linha, o deputado Rui Falcão (PT-SP) enfatizou que o ex-presidente Lula foi preso sem crime e sem culpa, “num julgamento manipulado, que fica cada vez mais claro, a partir das revelações do The Intercept, do comprometimento de procuradores da República e do próprio, hoje ministro Sérgio Moro, que funcionou como acusador e juiz, algo totalmente ilegal”, criticou. Portanto, na avalição de Falcão, essa condenação precisa ser anulada e o presidente Lula libertado.

A deputada Erika Kokay (PT-DF) lamentou o fato de o Brasil ter um preso político há 500 dias. “Há 500 dias, nós temos um preso político neste País e a cada dia fica mais clara toda a trama que foi elaborada nessas togas rotas, as togas que desrespeitam a própria Constituição e o devido processo legal”. A deputada relembrou que, além de um procurador da República que não respeita o devido processo legal, foi feito um conluio entre Judiciário e Ministério Público para estabelecer uma prisão que segue o ritmo ditado pelo processo eleitoral, na perspectiva de determinar o resultado de uma eleição. “Porque se Lula não estivesse preso, teria a vitória nas eleições, porque o povo reconhece que o seu governo foi o melhor que este Brasil já teve”, enfatizou.

O deputado Assis Carvalho (PT-PI) considerou que são 500 dias de prisão injusta e sem provas. “É a prisão de ódio contra o presidente Lula. Imagino que o Brasil do século XXI não pode ficar de joelhos diante de tamanho absurdo”, afirmou. Assis desabafou ao lembrar que hoje o Brasil tem um político que era juiz e condenou Lula sem prova, e em seguida assumiu uma posição neste governo “desastrado”. “Estamos aí através do The Intercept mostrando toda a farsa combinada para que o presidente Lula não concorresse nas eleições. Terminaram as eleições e continuamos com esse grande líder preso. Por isso, estamos aqui externando o nosso protesto e pedindo a esta Casa que não permita que isso aconteça”.

O deputado Frei Anastácio Ribeiro (PT-PB) também protestou contra a prisão arbitrária e injusta de Lula. “Só quem não tem consciência e não tem visão culpa um presidente como foi o presidente Lula. E até agora ninguém provou que ele roubou ou fez coisas erradas durante o seu governo”, desabafou. O deputado destacou algumas das muitas políticas públicas criadas pelo governo Lula para dar oportunidades para os excluídos. “Temos plena consciência de que este País não teve nenhum presidente que fez o que Lula fez, e ele, infelizmente está amargando 500 dias de prisão, injustamente. Mas, temos confiança de que a justiça será feita”, concluiu.

 

Vânia Rodrigues

Foto – Ricardo Stuckert

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Procuradores da Lava Jato tramaram derrubada de ministro do STF

Em novas revelações da Vaza Jato trazidas pelo colunista Reinaldo Azevedo, da rádio BandNe…