Home Portal Notícias 500 dias de Lula na prisão: “Ele deu vida e dignidade para os nordestinos”

500 dias de Lula na prisão: “Ele deu vida e dignidade para os nordestinos”

12 min read
0

As histórias e os relatos de pessoas que mudaram suas vidas para dar apoio ao ex-presidente em Curitiba

Há 500 dias, a dona de casa Marlene Passos de Santana, 71 anos, acompanha a rotina da vigília Lula Livre. Desde a noite de 7 de abril, quando o helicóptero da Policia Federal pousou no heliponto trazendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, seus olhos ficaram voltados para o prédio da PF. “Naquele dia, fiquei acompanhando pela televisão ele se entregar em São Paulo. Quando chegou aqui, fiquei muito triste. ” Sua casa fica a menos de 50 metros da Vigília e da PF. Todas as manhãs e todas as noites, do portão, ela participava do “bom dia e boa noite presidente Lula”.

Essa rotina foi alterada há quatro meses. Um AVC, seguido de uma cirurgia cardíaca, obrigou-a se submeter a uma traqueostomia. Desde então, a vida dela mudou. Presa a uma cama e monitorada por equipamentos, tem dificuldade para se mobilizar e falar. O que ela conserva é a fidelidade ao ex-presidente. Pediu que a sala da residência, que fica na parte de frente da casa, fosse transformada em seu quarto de dormir para poder permanecer defronte à vigília. Agora, apenas ouve os cumprimentos. “Quando eles dizem “bom dia” ou “boa noite” ao presidente, eu repito sozinha aqui na cama”, conta com a voz ofegante e fraca. Seu sonho é poder, um dia, cumprimenta-lo. Como milhares de outras pessoas, também enviou uma carta. “Ele recebeu e mandou de presente para mim duas camisetas autografadas. Foi um dos dias mais felizes da minha vida. ”

Mas afinal, porque tanta persistência, tanta admiração pelo ex-presidente? “Tenho uma enorme gratidão por tudo o que ele fez por mim e por todos os pobres. Nenhum presidente foi capaz de enxergar a gente como ele enxergou. Nunca tivemos uma vida tão boa como no seu tempo. Pena que durou tão pouco”, relembra. Sua gratidão pode ser resumida em um desejo de consumo: a máquina de lavar roupa. “Durante anos sonhei em ter uma máquina. Consegui comprar no seu governo. Hoje não conseguiria trocar por outra mais nova. ”

Gratidão. Esta é a palavra que sai da boca de milhares de pessoas que já passaram pela vigília. Estima-se em mais de 400 mil visitas de todos os cantos do Brasil e do planeta. A piauiense Maria das Dores viajou durante quase quatro dias por mais de 3.000 quilômetros para visitar Lula. “Você não sabe”, afirmou de maneira incisiva ao repórter de CartaCapital, “o que é viver no sertão sem água, luz e comida. Se alimentando de calango para não passar fome. Lula deu casa, trabalho e estudo para nossos filhos. Deu vida e dignidade para os nordestinos. Eu tinha que vir aqui agradecer”.

Devonir Pereira Santana, 58 anos, professor da Universidade Federal do Paraná, comparece de “duas a três vezes por semana”. A convivência com jovens estudantes e o meio acadêmico dão a certeza de que nenhum outro presidente investiu tanto na educação pública. “Um presidente que não concluiu o ensino básico, como ele mesmo dizia, semianalfabeto, foi capaz de revolucionar a educação no Brasil”.

No dia a dia da Vigília, Santana conheceu e conversou com pessoas vindas de todo os continentes. Lembra a história de um sindicalista chinês que foi preso no início dos anos 2000. À época, Lula, como presidente da República, manifestou sua solidariedade. “Agora, ele saiu de seu país e veio aqui, especialmente para gritar “Lula Livre”. Isto é um ato político. Um gesto que demonstra o espírito de solidariedade muito além de nossas fronteiras. ”

A prisão se transformou em um fato político internacional

A presença de populares, sindicalistas, intelectuais, jornalistas e políticos estrangeiros demonstra que a prisão se transformou em um fato político internacional. Nos primeiros dias, um acampamento improvisado, com mais de cinco mil pessoas, cercou o prédio da Superintendência da Policia Federal. Era a voz do povo que clamava e exigia justiça. O ato surpreendeu a todos. Das policias aos militantes. Só de cartas, estima-se que Lula recebeu mais de 50 mil, fora livros e presentes. Uma média de 100 por dia. À medida do possível, ele lê e responde de próprio punho. São crianças, velhos, jovens, donas de casa, operários, intelectuais, que se encarregam de encoraja-lo. Houve um período em que o protocolo da Polícia Federal precisou intervir para organizar o fluxo destas correspondências.

O cárcere de Lula mudou o rumo e a história de pessoas. A jornalista Denise Veiga, gaúcha de Rio Grande (RS), encontrava-se na capital paranaense quando a prisão do ex-presidente foi decretada. “Tinha vindo há pouco tempo morar no litoral do Paraná e naquele dia estava aqui em Curitiba. No sábado, dia que ele foi transferido, estive aqui na Polícia Federal e desde então não saí mais”. Após 500 dias, Denise é responsável pela comunicação da Vigília. “Esta vivência me transformou em um ser humano melhor. Aprendi a ter paciência e tolerância, afinal, aqui é preciso. Aprendi que a solidariedade é capaz de transformar o mundo. Aprendi, vendo o prédio da PF todos os dias, que apenas um homem, mesmo injustamente preso, é capaz de mudar a história. Vi gente de todos os cantos do mundo se emocionar e chorar por sua prisão. É uma experiência sem precedentes” conta Denise.

Para ela, o local onde hoje está instalada a Vigília, após a liberdade de Lula deve se transformar em um memorial à resistência, à liberdade e aos Direitos Humanos. “Permanecemos aqui em nome da liberdade e da justiça. Ninguém acreditou que pudéssemos ficar tanto tempo. Todos os dias, sem exceção, com frio ou chuva, viemos aqui para cumprimenta-lo”.

Além da gratidão, o que une os milhares de militantes e admiradores do ex-presidente é o sonho por sua liberdade. Santana, o professor, não acredita que a Vigília sirva como forma de pressão política para acelerar o fim deste martírio. “A importância é para mostrar ao mundo que nós, ao lado de Lula, vamos resistir. É uma espécie de farol, uma luz acessa na cara da Policia Federal e que reflete por todos o planeta. Gritar “bom dia, boa tarde ou boa noite” é só para dizer a ele: estamos aqui presidente. Estamos juntos e só iremos sair daqui juntos”.

Lula, em sua primeira entrevista, já mandou o recado: quando deixar a prisão, vai atravessar a rua para ir à Vigília tomar um gole de cachaça e comemorar. Todos aguardam, ansiosamente, que este dia chegue logo.

 

Por Carta Capital

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Fernando Haddad: transparência e proteção de dados

Em sua coluna na Folha de S. Paulo, ex-ministro da Educação defende que “transparência com…