Home Portal Notícias Outras notícias Bancada do PT na Câmara defende INPE e repudia tentativa privatização do monitoramento do desmatamento

Bancada do PT na Câmara defende INPE e repudia tentativa privatização do monitoramento do desmatamento

5 min read
0

Os deputados Paulo Pimenta (PT-RS) e Nilto Tatto (PT-SP), respectivamente líder da bancada do PT e coordenador da Frente Parlamentar Ambientalista, assinam nota em defesa do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), após o órgão ser alvo das críticas de Jair Bolsonaro.

Confira a íntegra do texto, que manifesta solidariedade aos servidores da autarquia e repudia a possibilidade de privatização do monitoramento do desmatamento.

Nota em defesa do INPE e contra a privatização do monitoramento do desmatamento

A bancada do Partido dos Trabalhadores na Câmara dos Deputados repudia o ataque do presidente Bolsonaro ao Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e manifesta solidariedade à honrosa reação dos seus servidores – liderada pelo diretor do órgão, Dr. Ricardo Galvão.

Conforme amplamente divulgado pela imprensa, as ameaças e acusações de Bolsonaro se devem ao fato do INPE ter constatado, por meio dos seus sistemas de monitoramento, a disparada do desmatamento da Amazônia nos meses de maio, junho e julho deste ano, alcançando um aumento na ordem de 80% em relação aos mesmos meses do ano passado.

Para Bolsonaro, o INPE estaria divulgando dados “exagerados”, “mentirosos”, “alarmistas” e contribuindo para criar um ambiente do que chama “psicoseambiental”. Além disso, acusou o diretor do órgão de estar “a serviço de alguma ONG”, uma afronta não apenas à integridade ética do dirigente, mas a todo o corpo de servidores do Instituto.

No entanto, essa postura repleta de ignorância, autoritarismo e leviandade extrema não pode encobrir a verdadeira razão da investida contra o INPE, qual seja, a de criar as condições para privatizar o programa de monitoramento das alterações da cobertura vegetal, desenvolvido e operado pelo órgão desde 1988.

O próprio ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, considerado uma espécie de subministro da agricultura – pelo seu alinhamento e submissão aos interesses antiambientalistas dos ruralistas – já expressou essa intenção ao responsabilizar o INPE pela ineficácia do combate ao desmatamento, ao mesmo tempo em que acusou o IBAMA por imprimir uma “fiscalização ideológica” contra o agronegócio.

Na verdade, o desmatamento cresce pela permissividade do atual governo em relação aos ilícitos ambientais, pelo afrouxamento das ações de fiscalização e pela concepção anacrônica do governo que opõe meio ambiente e desenvolvimento.

Toda a solidariedade aos servidores do INPE.

Pelo combate ao desmatamento da Amazônia e demais biomas.

Contra o intervencionismo ideológico e burocrático nas instituições de ensino e pesquisa do país.

Brasília, 26 de julho de 2019.

Dep. Paulo Pimenta (PT-RS)
Líder do PT na Câmara dos Deputados

Dep. Nilto Tatto (PT-SP)
Coordenador da Frente Parlamentar Ambientalista

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Trincheira de resistência dos movimentos sociais, Comissão de Direitos Humanos da Câmara completa 25 anos em 2020

Para celebrar os 25 anos de criação da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, a Câmara d…