Home Portal Notícias Manchetes Líder do PT cobra de Paulo Guedes informações sobre contas judiciais e recursos públicos da Lava Jato

Líder do PT cobra de Paulo Guedes informações sobre contas judiciais e recursos públicos da Lava Jato

8 min read
0

O líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), encaminhou hoje (17) requerimento ao ministro da Economia, Paulo Guedes, no qual cobra informações sobre a existência de contas judiciais na Caixa Econômica Federal ou no Banco do Brasil relacionadas à força tarefa da Lava Jato e vinculadas à 13° Vara Federal de Curitiba ou ao Ministério Público Federal no Paraná. O líder argumenta que desde 2014, quando iniciou-se a operação, valores recuperados, recebidos e repatriados vêm sendo depositados em contas judiciais “sem que a sociedade brasileira saiba exatamente quais as destinações desses valores, o que impede um controle público sobre os recursos”.

No requerimento, elaborado com base na Lei 12.527/2011 (Lei de Acesso a Informações Públicas), o líder do PT requer o número de contas, com as respectivas decisões judiciais a elas vinculadas. Cobra também quantos juízes, membros do MP e ou outras pessoas são autorizados a movimentar as contas, além de informações sobre o montante desses recursos liberado para terceiros, como organizações não governamentais, empresas, pessoas físicas, associações civis e à própria administração pública.

Cifras milionárias sem transparência

“As informações sobre montantes e movimentações estão sendo devidamente notificadas à Secretaria da Receita Federal e ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf)?”, indaga Paulo Pimenta.  O parlamentar argumenta ser necessário o máximo de transparência para o efetivo controle público de cifras milionárias recebidas pela Lava Jato. Segundo ele, o caso não viola o sigilo bancário, uma vez que são recursos públicos.

A suspeita sobre o uso irregular de recursos financeiros recuperados pela Lava Jato surgiram no começo deste ano. Um dos eventuais crimes cometidos pela força-tarefa da Operação Lava Jato é o episódio do fundo de R$ 2,5 bilhões oriundos da Petrobras que seria gerido de forma ilegal pelos procuradores de Curitiba, a partir de acordo com o governo dos Estados Unidos. O Supremo Tribunal Federal proibiu, liminarmente, a criação desse fundo. Ninguém sabia do fundo, até que o escândalo foi revelado pelo jornalista Luís Nassif, do site GGN.

Acordo secreto Lava Jato/EUA

A criação do fundo de R$ 2,5 bilhões que os procuradores queriam gerir de forma privada foi objeto de representação da Bancada do PT em março passado. O fundo seria constituído com um aporte de R$ 2,56 bilhões provenientes da Petrobras a título de multa. Os procedimentos administrativos e jurídicos foram conduzidos diretamente por Dallagnol, que contou com a celeridade da juíza Gabriela Hardt, substituta de Sérgio Moro nos julgamentos da Lava Jato, que autorizou em menos de 24 horas o pedido do procurador para que o fundo pudesse ser criado. A criação do fundo foi combinada de forma secreta entre o MP-Paraná, Petrobras e EUA, com a juíza agindo também sem dar publicidade ao ato, que só veio à tona através da imprensa.

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) abriu procedimento de apuração contra a juíza Gabriela Hardt em março. O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, suspendeu em março todos os efeitos do acordo celebrado entre a força-tarefa da Lava Jato de Curitiba com a Petrobras e o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, que previa a criação de uma fundação com R$ 2,5 bilhões recuperados da Petrobras.

Outro acordo foi celebrado entre a Lava Jato e a empreiteira Odebrecht, que recolheu recursos da ordem de R$ 6,8 bilhões para fundo ilegal semelhante ao celebrado com os EUA. O deputado Rogério Correia (PT-MG) cobrou, na terça-feira (16) providências da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, sobre os dois fundos ilegais criados pela Lava Jato, com a supervisão direta do procurador Deltan Dallagnol, agora acusado de usar a operação para lucrar com palestras, conforme denúncias do Intercept Brasil e da Folha de S. Paulo.

 

 Leia no link abaixo a  íntegra do requerimento:

Lai-Requerimento sobre Lava Jato a Paulo Guedes 17 7 19

 

Leia mais:

Petistas repercutem decisão do STF que suspende acordo que daria R$ 2,5 bi da Petrobras à Fundação da Lava Jato


Rogério Correia cobra da PGR investigação de fundo bilionário da Lava Jato articulado por Dallagnol

Deputados do PT pedem a Raquel Dodge apuração de crimes da Lava Jato

 

PT na Câmara

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Bolsonaro está vendendo Petrobras aos pedaços, denuncia Zarattini

Em vídeo publicado nas redes sociais, o líder da Minoria no Congresso, deputado Carlos Zar…