Home Portal Notícias Mentiras de Moro são confirmadas por denúncias na Folha de São Paulo e Veja

Mentiras de Moro são confirmadas por denúncias na Folha de São Paulo e Veja

9 min read
1

Reportagem inédita da revista Veja, publicada nesta sexta-feira (5), em parceria com o The Intercept Brasil, reproduzida pelos principais veículos de comunicação do País, revela que o ex-juiz e hoje ministro da Justiça, Sérgio Moro, mentiu ao Parlamento e à sociedade brasileira nas últimas declarações que fez nas audiências públicas em que participou no Congresso Nacional.

“O meu papel é o de resguardar a autonomia e dar estrutura à Polícia Federal para realizar o seu trabalho. Então, eu não acompanho pari passu essas averiguações e essas investigações”, declarou o ministro na última terça-feira (2), em audiência na Câmara dos Deputados, sobre o inquérito sigiloso do Laranjal do PSL, processo que envolve o partido do presidente da República, Jair Bolsonaro.

Uma das provas irrefutáveis de que Moro mentiu – e desmonta essa argumentação – foi do próprio Jair Bolsonaro, conforme publica o jornal Folha de S. Paulo, em artigo de Rubens Valente intitulado “Moro vazou para Bolsonaro”. Segundo o articulista, em recente visita ao Japão, Bolsonaro afirmou em coletiva de imprensa, que Moro repassou a ele, dados do inquérito sobre os laranjas do PSL: “Ele [Moro] mandou a cópia do que foi investigado pela Polícia Federal pra mim. Mandei um assessor meu ler porque eu não tive tempo de ler”.

Ainda segundo o artigo, o presidente da República “determinou” a Moro – que por sua vez iria “determinar” à PF -, que “investigue todos os partidos” com problemas semelhantes. “Tem que valer para todo mundo, não ficar fazendo pressão em cima do PSL para tentar me atingir.”

Mentiras

Ao comentar o fato em sua conta no Twitter, o líder da Bancada do Partido dos Trabalhadores na Câmara, deputado Paulo Pimenta (RS), escreveu que o ministro Sérgio Moro mentiu ao dizer que não acompanha “pari passu as investigações [da Polícia Federal]”.

“Sérgio Moro mentiu na Câmara sem nenhum pudor. Mentiu para parlamentares eleitos para representar o povo e fiscalizar os atos do Executivo. Mentiu com o mundo inteiro vendo”, denunciou Pimenta.

Para o líder Pimenta, Moro vazou para Bolsonaro uma investigação sobre fraude eleitoral no Laranjal do PSL, conforme comprovado em artigo de Rubens Valente, na Folha de S.Paulo. De acordo com o deputado, se o ex-juiz libera para o presidente da República uma investigação “que não envolve diretamente (até agora!), imagina o que ele é capaz de fazer com a investigação dos milicianos…”, alerta Pimenta em sua conta no Twitter.

Paulo Pimenta, pelo Twitter, faz um desafio à dupla de inquisidores Sérgio Moro e Deltan Dallagnol: “DESAFIO Moro e Dallagnol a mostrarem UM ÚNICO caso na história jurídica do Brasil onde um juiz combina com a acusação a produção de provas para condenar um réu e isso foi considerado normal. Aceitam o desafio ou vão se esconder @SF_Moro @deltanmd?”

Vale tudo

Também em sua conta no Twitter, o deputado Leonardo Monteiro (PT-MG) escreveu que com o atual governo o Brasil se transformou num país do ‘vale tudo’. “Mas é um grande conluio mesmo! A Justiça brasileira virou um grande coletivo nacional! E sabe o que é mais preocupante? Moro, Deltan, Bolsonaro e sua turma acham tudo isso muito natural! Ética e legalidade é conversa pra boi dormir! Aqui é o vale tudo!”, classificou, indignado, o parlamentar mineiro.

O deputado Alencar‏ Santana (PT-SP) também se pronunciou: “Cadê a autonomia da Polícia Federal? Moro age como capacho de Bolsonaro e usa polícia para fins políticos, assim como fez quando era juiz”, acusou.

Para o deputado Rogério Correa (PT-MG), ao liberar os dados da investigação do Laranjal do PSL a Bolsonaro, o ministro Sérgio Moro escancarou um processo que tramitava sob segredo de justiça. “Moro, sabia muito bem que nunca poderia “repassar” o inquérito a seu chefe. Mas repassou. Meu colega Glauber Braga tinha razão!”, afirmou o petista ao se referir à frase “você é um juiz ladrão” dita pelo parlamentar do PSOL ao ministro Sérgio Moro no embate da última terça-feira (2).

“Gravíssimo” foi o termo usado pelo deputado Bohn Gass (PT-RS) ao comentar o fato. “Alô, STF. Se for confirmado que Moro violou o segredo de Justiça e, ainda, quis saber como proceder, o caso é de impedimento do ministro. E, a depender do desdobramento, talvez de impeachment do presidente”, escreveu o petista.

Veja o vídeo com a mentira de Moro:

 

Benildes Rodrigues

 

 

 

 

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Petistas questionam no Ministério Público transferência do acervo da Fundação Palmares para prédio com avarias

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara entraram com ações na Procuradoria-Geral da Repúb…