Home Portal Notícias Quem está sendo julgado pelo STF é Moro, afirma Pimenta

Quem está sendo julgado pelo STF é Moro, afirma Pimenta

7 min read
0

O líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), ao comentar a decisão da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal que negou, nesta terça-feira 25, a liberdade imediata do ex-presidente Lula em caráter liminar, proposta pelo ministro Gilmar Mendes, destacou o fato de a Suprema Corte manter como suspeito o ex-juiz e atual ministro da Justiça Sérgio Moro. “Quem está sendo julgado é o Moro, ele não foi absolvido, a denúncia sobre sua suspeição será julgada em agosto”, disse o líder.

Em sua opinião, a suspeição de Moro, já apontada pela defesa de Lula várias vezes, foi agora confirmada com as reportagens do site The Intercept Brasil, que revelam conversas criminosas entre Moro e o procurador federal Deltan Dallagnol para manipular processo e forjar provas para condenar Lula, com o objetivo de tirá-lo da eleição presidencial de 2018. “Muitos fatos virão, Moro será condenado e a sentença de Lula, anulada”, comentou Pimenta.

Juiz que virou político

Para Pimenta, a relação “promíscua e criminosa” entre Moro e Dallagnol já criou um mal-estar no STF, suscitando entre os ministros da Corte a intenção de adotar procedimentos para analisar detalhadamente a conduta de Moro. O líder petista observou que até a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, já manifestou ter dúvidas sobre a conduta do ex-juiz que virou político e assumiu cargo de ministro do governo que ajudou a eleger.

Pimenta comentou que a expectativa era de que o ex-presidente Lula aguardasse em liberdade o julgamento do recurso de sua defesa no qual aponta a suspeição de Moro. A votação sobre a suspeição de Moro foi pausada e voltará a ser discutida em agosto. O ministro Gilmar Mendes Gilmar propôs que o recurso sobre Moro voltasse a ser julgado com calma, posteriormente, para que se fizesse uma análise cuidadosa a respeito também dos vazamentos do site The Intercept. Mas que enquanto isso, Lula deveria aguardar o resultado em liberdade. Porém, foi derrotado por 3 votos a 2.

Mobilização popular

No caso da liberdade em caráter liminar, além de Gilmar, votou favorável o ministro Ricardo Lewandowski. Já Edson Fachin, Celso de Mello e Cármen Lúcia votaram por negar a soltura de Lula até que o STF julgue o mérito do habeas corpus pedido por Lula, deixando o placar em 3 a 2.

A presidenta nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), conclamou a militância do partido e de todas as forças progressistas a continuar a mobilização em defesa da libertação de Lula. “Moro é o chefe de uma quadrilha montada para acusar e condenar Lula arbitrariamente”, frisou. Gleisi observou que é uma questão de tempo a libertação de Lula e a anulação de seu processo, tocado sem “nenhuma lisura” por Moro – com fatos confirmados pelas revelações do The Intercept.

O ex-deputado federal Wadih Damous (PT-RJ) acompanhou o julgamento da Segunda Turma e, mesmo contrariado com o resultado, saiu otimista. “Temos um juiz com seus atos sob suspeita – e os ministros do STF sabem, que Moro é suspeito”. Segundo ele, novas denúncias que surgirão nos próximos dias devem agravar a situação de Moro e leva-lo à condenação pelo STF, com a anulação da condenação de Lula. “Não tivemos uma derrota, mas uma vitória adiada”, afirmou o ex-parlamentar e um dos advogados de defesa de Lula.

PT na Câmara, com agências

 

Veja a coletiva do líder Pimenta, Gleisi Hoffmann e Wadih Damous:

O SIGNIFICADO DO JULGAMENTO DO LULA NO STF

Após o julgamento do habeas corpus de Lula no STF, nesta terça-feira (25), Paulo Pimenta, Gleisi Hoffmann e Wadih Damous analisam o resultado e falam das perspectivas para as próximas batalhas.#STF #Lula #LulaLivre #PT

Posted by Paulo Pimenta on Tuesday, June 25, 2019

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Milhões de trabalhadores devem ir às ruas em defesa do serviço público de qualidade

Diante dos ataques que Jair Bolsonaro e seu ministro da Economia, o banqueiro Paulo Guedes…