Home Portal Notícias Bohn Gass: “Bolsonaro não vai tirar o Brasil da ´lista suja` da OIT porque é a favor da precarização do trabalho”

Bohn Gass: “Bolsonaro não vai tirar o Brasil da ´lista suja` da OIT porque é a favor da precarização do trabalho”

4 min read
0

“A Organização Internacional do Trabalho (OIT) recomendou que o Brasil reúna entidades representativas de trabalhadores e empregadores e elabore um relatório sobre os impactos da Reforma Trabalhista no país. O governo Bolsonaro nunca fará isso porque precisará ouvir da CUT, da CTB e de outras federações de empregados, que a reforma, exatamente como avaliou a OIT, violou normas básicas universais de respeito aos trabalhadores.” A afirmação é do deputado Elvino Bohn Gass (PT-RS), membro da titular da Comissão de Trabalho da Câmara, que esteve em Genebra e testemunhou a inclusão do Brasil na “lista suja” da OIT.

Para o deputado, a postura adotada pelo secretário do Trabalho do governo Bolsonaro, Bruno Dalcolmo, que acusou a OIT de ser “tendenciosa”, só piora a já maculada imagem do Brasil no exterior. Bohn Gass acrescenta que ter sido incluído na “lista suja”, ao lado de países como Etiópia, Tajiquistão, Iêmen, Zimbábue e Honduras, por exemplo, pode dificultar as pretensões do próprio governo Bolsonaro de ingressar na OCDE.  “Ao levantar suspeitas sobre a OIT, que é um organismo respeitadíssimo na OCDE, o governo Bolsonaro se mostra totalmente perdido no universo das relações internacionais”.

O deputado acrescenta que estar na “lista suja” traz problemas éticos, morais e comerciais para o País. “Então, se quiser reverter esse quadro, o que o Brasil precisa é revogar a Reforma Trabalhista que, em alguns pontos, coloca o trabalhador numa condição análoga à escravidão. Mas não creio que Bolsonaro faça isso, já que seus votos (como deputado, foi a favor da reforma trabalhista de Temer), suas posições e as ações do seu governo seguem a linha de precarização, não de valorização do trabalho”.

Bohn Gass destaca que, pra sair da “lista suja”, o Brasil deve começar revogando a ideia central da Reforma Trabalhista que é a prevalência do negociado sobre o legislado. “A reforma autorizou que, por acordo individual, se pode deixar de aplicar convenções coletivas ou a própria legislação. Isso fere direitos e rebaixa salários. Quando o Congresso aprovou essa lei, nós fizemos a denúncia, mas fomos derrotados. Agora, os peritos da OIT entenderam que tínhamos razão e isso fez o Brasil violar a convenção 98 e entrar na “lista suja”. Além do mais, os argumentos usados pelo governo brasileiro, de que isso iria aumentar as negociações coletivas e incrementar a oferta de empregos, simplesmente não aconteceu. Ao contrário, o desemprego aumentou, ou seja, os trabalhadores foram prejudicados”, finaliza Bohn Gass.

Assessoria de Comunicação

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

João Daniel protocola pedido para que PEC que torna o Fundeb permanente seja votada na Câmara

O deputado federal João Daniel (PT-SE) protocolou o requerimento 317 na Câmara para que se…