Home Portal Notícias Manchetes Petistas pedem renúncia de Moro e afastamento de Dallagnol após denúncias do The Intercept

Petistas pedem renúncia de Moro e afastamento de Dallagnol após denúncias do The Intercept

11 min read
0

O conluio e a troca de mensagens entre o ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sérgio Moro, e o procurador Deltan Dallagnol, responsável pela Lava Jato foram repudiados em plenário, nesta quarta-feira (12), por parlamentares da Bancada do PT. Eles também defenderam a renúncia de Moro e o afastamento de Dallagnol. O deputado Marcon (PT-RS) disse que as conversas reveladas pelo site The Intercept Brasil, no último domingo (9), só confirmam o que o PT sempre denunciou: “Sérgio Moro criou um esquema para condenar o Lula e retirá-lo das eleições de 2018”.

Marcon citou que 257 processos foram deixados para trás para julgar o processo de Lula. “Moro faz parte de uma formação de quadrilha, porque, quando envolve mais de uma pessoa para fazer aquilo que não está na lei, trata-se de uma formação de quadrilha. E quadrilha não pode receber dinheiro público, muito menos um Ministro da Justiça. Ele tem que ser afastado”, defendeu. Ele também disse que o Conselho do Ministério Público Federal já deveria ter se reunido para tirar a laranja podre lá de Curitiba, “que é o Dallagnol”.

O deputado Padre João (PT-MG) também reforçou que o esquema Moro, divulgado pelo Intercept, é o que o PT vem denunciando desde antes do golpe. “Era público. O Jucá (então senador Romero Juca) já tinha manifestado isso, o STF e tudo. É uma vergonha esse conchavo mafioso, essa quadrilha, coordenada, sim, pelo Moro, da qual faz parte o Dallagnol. É um escândalo! Isso desmoraliza a instituição Ministério Público”, protestou.

Para Padre João é lamentável que não haja uma decisão ainda do Supremo Tribunal Federal, “porque um dia de prisão injusta de Lula tem que ser reparada”. O deputado frisou que Lula é vítima de um sistema “corrupto” e vítima de uma “quadrilha”. E acrescentou que “infelizmente, quem deveria garantir a justiça são os arquitetos da injustiça”. Essa omissão, segundo Padre João, desmoraliza o Ministério Público e todo o sistema judiciário, sobretudo o Poder Judiciário. “Se isso não for resolvido, o Congresso (Câmara e Senado) tem que tomar decisões urgentes”, defendeu.

Lula tem provas contra Moro

O deputado Reginaldo Lopes (PT-MG) destacou que o ex-presidente Lula sempre pediu ao Moro as provas dos crimes a ele atribuídos. “No final da história, é que Moro não tem provas contra Lula e Lula tem provas contra o Moro”, comparou. Ele citou ainda dois artigos do Código Penal, da Justiça Penal, o 254, que prevê que o juiz se torna suspeito quando aconselha uma parte e, o 264, que prevê que do juiz suspeito seus atos e decisões são nulas; logo têm que ser anuladas. “A partir desses dois artigos, eu quero aqui dizer que o Moro tem que renunciar do Ministério da Justiça e o Dallagnol tem que ser afastado”, defendeu.

Reginaldo Lopes disse que não se pode concordar que aquilo que parecia ser uma brincadeira, “a República de Curitiba”, “bem como a República do Galeão”, que levou Getúlio Vargas ao suicídio, “não é brincadeira”. “Eles, não só construíram uma República, fizeram uma própria ‘constituição’, a ‘Constituição Moro’, desrespeitando a Constituição do Brasil”.

Reginaldo Lopes observou ainda que o projeto anticrime do Moro tem várias tentativas de legalizar as suas ilegalidades. “Mas, de fato, ele não ousou tanto, pois não legalizou o juizado de instrução. Se Moro quer um juizado de instrução, nós podemos mudar a Constituição. Mas, mesmo no juizado de instrução, quem orienta, não julga; nesse caso, deve ser nomeado outro juiz. Por isso, Moro cometeu vários crimes”, reforçou.

O deputado Valmir Assunção (PT-BA) observou que o site Intercept revelou justamente o que o partido sempre falou na Câmara, nas praças, nas ruas, em todos os lugares: “Lula não tinha cometido nenhum crime e não havia nenhuma prova. O presidente Lula é inocente. Nós sempre falamos isso”. Assunção disse também que o conluio entre Moro e Dallagnol tinha o objetivo de tirar Lula da disputa presidencial. “Sempre alertamos que o papel do Ministério público e o papel do Poder Judiciário não podem ser esse. Quem tem que decidir quem disputa uma eleição e quem ganha uma eleição é o povo. E todos nós sabíamos que Lula ganharia a eleição”, completou.

Para o deputado do PT baiano, o certo seria anular esse processo e colocar Lula em liberdade. “Isso seria o correto, diante de tudo o que está acontecendo. Lula não cometeu crime e não há prova contra ele. Qual é a minha maior preocupação? Todos nós sabendo disso, e o Supremo Tribunal Federal ainda não tomou uma posição a respeito”, lamentou.

Não é normal o esquema Moro-Dallagnol

A deputada Benedita da Silva (PT-RJ) criticou os parlamentares que consideraram normais as conversas entre Moro e Dallagnol divulgadas pelo Intercept Brasil. “Vi alguns acharem que é perfeitamente natural e normal o que aconteceu e que seria um crime a forma como as conversas foram obtidas. Lembro-me da conversa entre os ex-presidentes Lula e Dilma que o Moro usou, divulgou. Mas agora é tudo muito natural. Não pode ser natural”, protestou.

A deputada argumentou ainda que não sabe como é que a Câmara não se manifesta em defesa da própria Casa, porque o Poder Legislativo tem também essa responsabilidade. “De nada adianta sair fugido das entrevistas, nem criminalizar o meio de obtenção das informações. O governo brasileiro deve dizer à Nação brasileira sobre esses áudios, esses fatos e essas questões”.

Os deputados João Daniel (PT-SE), Paulo Guedes (PT-MG), Pedro Uczai (PT-SC), Célio Moura (PT-TO) e Joseildo Ramos (PT-BA) também criticaram o conluio de Moro e Dallagnol para condenar o ex-presidente Lula. Os petistas reforçaram o coro que pede a saída de Sérgio Moro do Ministério da Justiça e o afastamento de Dallagnol do Ministério Público.

Vânia Rodrigues

 

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

PT cobra da PGR suspensão de edital cultural da Eletrobrás por suspeita de direcionamento

Bancada do PT na Câmara protocolou nesta sexta-feira (16), na Procuradoria-Geral da Repúbl…