Home Portal Notícias A favor da Capitalização, Guedes recebeu R$227 mi do BNDES e Previ

A favor da Capitalização, Guedes recebeu R$227 mi do BNDES e Previ

4 min read
0

O ministro da Economia, Paulo Guedes, tem muito interesse na aprovação da Reforma da Previdência de Jair Bolsonaro (PSL). E isso não é só por ser o idealizador da PEC 06/2019, mas porque a Capitalização vai lhe trazer lucro. Reportagem da Folha de S. Paulo mostrou, nesta quinta-feira (6), que Fundos de Investimento em Participações (FPIs) de Guedes receberam R$227,1 milhões em aportes de empresas públicas.

O montante veio do Banco Nacional do Desenvolvimento Social (BNDES) e da Previ, previdência complementar de servidores do Banco do Brasil. O valor foi aplicado entre dezembro de 2013 e março de 2019 e os fundos continuam ativos no mercado financeiro. As informações foram levantadas pela Folha por meio de consulta a assessorias e Lei de Acesso à Informação.

Os Fundos de Investimento em Participação são definidos pela Bolsa de Valores brasileira como comunhão de recursos destinados à companhias abertas, fechadas ou sociedades limitadas. No caso, o ministro da Economia do governo de Jair Bolsonaro (PSL), era sócio e presidente da Bozano, empresa gerenciadora desses FPIs que receberam aportes do BNDES e da Previ.

O Fundo Semente Criatec II, que é voltado para investimento em empresas de tecnologia, recebeu R$81 milhões do BNDES. Já o FPI Bozano Educacional II, que abarca iniciativas de educação em saúde, recebeu R$68 milhões do Banco e tem margem para receber mais R$52 milhões, já que o BNDES havia se comprometido em aplicar R$120 milhões. O Fundo também obteve R$ 78,1 mi da Previ e pode receber até R$100 mi da entidade.

A reportagem mostrou ainda que outros fundos de pensão, bancos e agências públicas aportaram pelo menos R$ 31 milhões em fundos administrados pela empresa.

Um desses órgãos é o Banco de Brasília, ligado ao governo do Distrito Federal, que não respondeu aos pedidos de informação do jornal. O Banco do Nordeste alegou sigilo para não responder à Folha.

Paulo Guedes deixou a presidência da Bozano em outubro, após o resultado das eleições presidenciais, quando já era cotado para o ministério da Economia. Após sua saída, a empresa mudou de nome e adotou a marca Crescera Investimentos.

 

Por ReformadaPrevidênciaBrasil.com.br

Foto: Gustavo Bezerra

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

“Bolsonaro quer fechar o Congresso com a sua caneta das medidas provisórias”, alerta Padilha

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara denunciaram na tribuna da Câmara na quarta-feira …