Home Portal Notícias 30 de Maio: Petistas participam do ato em defesa da educação em Brasília

30 de Maio: Petistas participam do ato em defesa da educação em Brasília

8 min read
0

Vários parlamentares da Bancada do PT na Câmara participaram nesta quinta-feira (30), em Brasília, da manifestação em defesa da educação pública e contra os cortes de recursos para as instituições federais de ensino. Portando cartazes, faixas e gritando palavras de ordem contra o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Educação, Abraham Weintraub, milhares de estudantes, professores, servidores da educação e militantes de movimentos sociais marcharam pela Esplanada dos Ministérios até o Congresso Nacional.

A concentração para o ato começou às 10h, com discursos proferidos do alto de um trio elétrico. Várias lideranças estudantis e sindicais participaram da manifestação organizada pela União Nacional dos Estudantes (UNE) e pela União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES). Representando o PT, discursaram no ato a presidenta nacional do partido, deputada Gleisi Hoffmann (PR) e a presidenta do PT do DF, deputada Erika Kokay (DF). O ato foi encerrado antes das 14h.

Foto: Lula Marques

Ao falar sobre o corte de recursos para a educação pública e os ataques a autonomia universitária patrocinados pelo governo Bolsonaro, Erika Kokay destacou que a manifestação é um grito de liberdade.

“Este ato é para entoarmos o grito da liberdade sobre aqueles que baixam a cabeça para Olavo de Carvalho. Temos de tirar a faixa presidencial do fascismo, porque quando falamos em educação falamos da pedagogia da esperança e da libertação de Paulo Freire. Por isso, nossa resistência é a favor da estética da vida e contra a barbárie. A nossa resistência é contra o autoritarismo e o fascismo que não conseguem aturar a cultura, a arte e a ciência”, afirmou.

Grito de indignação

No meio dos manifestantes, o deputado Waldenor Pereira (PT-BA), que coordena o Núcleo de Educação do PT no Congresso, ressaltou que a manifestação é um grito de indignação contra um governo que deseja desmontar a educação pública no País. “Temos de dizer não a sanha desse governo que quer desmontar Estado brasileiro e a educação pública. Não aos cortes de recursos, queremos uma educação gratuita, pública e de qualidade. Viva a educação brasileira, viva Paulo Freire”, disse.

Já em frente ao Congresso, os deputados Airton Faleiro (PT-PA) e Zé Neto (PT-BA) ressaltaram que apenas a luta pode evitar os cortes na educação, que inviabilizam principalmente o funcionamento das universidades e institutos federais. “A sociedade precisa apoiar, nas ruas, a luta dos estudantes, professores e servidores da educação pública. E nós do Parlamento precisamos fazer uma trincheira que combine com a luta da rua para revertermos esses cortes”, explicou Faleiro.

E o deputado Zé Neto disse que a sociedade precisa sair as ruas e mostrar resistência. “Mostrar que somos alternativa para o bem do Brasil. Um Brasil com educação e com soberania”.

Foto: Twitter deputado @waldenorpereira

Falso álibi

Sobre os cortes na educação, o deputado Bohn Gass (PT-RS) explicou que a justificativa apresentada pelo governo, de que a crise econômica impõe a obrigatoriedade da redução de recursos, é um falso álibi para esconder a real prioridade do governo Bolsonaro.

“Com a economia estagnada e salário congelado, não tem como sair da crise. Precisamos ir para as ruas, fazer manifestação para dizer que não queremos os cortes. E o governo precisa ter arrecadações maiores, que só irão acontecer com crescimento econômico, caso contrário não teremos recursos”, afirmou Bohn Gassa. Ele disse queé impressionante como o governo Bolsonaro tem agradado ao ‘deus mercado’, e citou que nessa semana o ministro da Saúde defendeu um SUS pago, “assim como querem fazer com a educação. Esse é o grande problema”, explicou.

Foto Lula Marques

Greve Geral

Ao também destacar a manifestação dos estudantes, o deputado Rui Falcão (PT-SP) lembrou que a força demonstrada nas ruas nesse 30 de Maio precisa se repetir, aliada aos demais trabalhadores, nas manifestações da Greve Geral, em 14 de Junho.

“No dia 14 de junho a palavra central é contra a Reforma da Previdência, pela valorização do salário mínimo, pela revogação das medidas provisórias que restringem a atividade sindical, e por mais democracia. E para termos mais democracia, precisamos ter Lula Livre”, ressaltou.

 

Héber Carvalho

Fotos: Lula Marques

Carregar mais notícias
Comments are closed.

Vejam também

Pimenta rebate ataques e pressões de general Villas Bôas e bolsonaristas contra o STF

O líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), rechaçou hoje (17) as novas ameaças feitas pe…